Geral

Leia entrevista com Luiz Malavolta

quinta-feira, 8 de julho de 2004 Texto de

Luiz Ma­la­vol­ta, um dos mais com­pe­ten­tes jor­na­lis­tas da atu­a­li­da­de, ex­pli­ca as­sim o his­tó­ri­co de sua vi­da pro­fis­si­o­nal:

Co­me­cei mui­to jo­vem no jor­na­lis­mo, há qua­se 32 anos. O Jor­nal da Ci­da­de (Bau­ru) ha­via aca­ba­do de se mu­dar pa­ra sua no­va e mo­der­na se­de, na rua Xin­gu, 4-44, quan­do eu fui tra­ba­lhar na re­da­ção. Ini­ci­al­men­te, aju­da­va a equi­pe que pro­du­zia um su­ple­men­to imo­bi­liá­rio, um ta­blói­de que vi­nha en­car­ta­do den­tro do JC às quin­tas-fei­ras, com ar­ti­gos so­bre o se­tor de cons­tru­ção ci­vil, com­pras e ven­das de imó­veis e mui­tos anún­ci­os clas­si­fi­ca­dos. Era uma coi­sa ar­ro­ja­da pa­ra aque­la épo­ca. O edi­tor era um jor­na­lis­ta já fa­le­ci­do cha­ma­do Hél­der Bar­ros. Com o fim do su­ple­men­to, o en­tão di­re­tor do JC, Nil­son Cos­ta, me deu uma opor­tu­ni­da­de na re­da­ção e lá fiz um pou­co de tu­do: fo­to­gra­fia, di­a­gra­ma­ção, re­por­ta­gem, re­vi­são.

Em 1976, hou­ve uma gre­ve que pa­ra­li­sou a San­ta Ca­sa de Bau­ru. Es­tá­va­mos em ple­na di­ta­du­ra mi­li­tar e gre­ve era cri­me con­tra a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal. Es­sa gre­ve foi or­ga­ni­za­da por um gru­po de mé­di­cos. O as­sun­to cha­mou a aten­ção dos prin­ci­pais jor­nais do Bra­sil e foi a mi­nha opor­tu­ni­da­de pro­fis­si­o­nal. Um jor­na­lis­ta bau­ru­en­se, que não ve­jo há mui­tos anos, cha­ma­do Ro­ber­to Pin­to, que ha­via pas­sa­do pe­lo JC no co­me­ço de sua car­rei­ra, es­ta­va tra­ba­lhan­do na su­cur­sal pau­lis­ta do jor­nal O Glo­bo, do Rio de Ja­nei­ro. Ele me li­gou e ofe­re­ceu-me a opor­tu­ni­da­de de es­cre­ver as ma­té­ri­as so­bre a pa­ra­li­sa­ção na San­ta Ca­sa.

A cri­se no hos­pi­tal cres­ceu, hou­ve uma in­ter­ven­ção mi­li­tar na San­ta Ca­sa, com a des­ti­tui­ção da di­re­ção e a in­di­ca­ção de um no­vo cor­po di­re­ti­vo. Na épo­ca, is­so ren­deu mui­tas ma­té­ri­as pa­ra O Glo­bo. O che­fe de re­da­ção da su­cur­sal de São Pau­lo gos­tou do meu de­sem­pe­nho, me con­vi­dou pa­ra ir até a ca­pi­tal e lá me deu a chan­ce de con­ti­nu­ar es­cre­ven­do co­mo free-lan­cer de O Glo­bo. Vi­rei en­tão cor­res­pon­den­te de um im­por­tan­te jor­nal do Rio. Is­so foi fun­da­men­tal pa­ra mim pro­fis­si­o­nal­men­te.

Pa­ra­le­la­men­te, aca­bei in­do tra­ba­lhar co­mo re­pór­ter da Rá­dio Jo­vem Au­ri Ver­de (Bau­ru), on­de per­ma­ne­ci de 1978 a 1980. Em 1980, a TV Bau­ru, en­tão da Re­de Glo­bo, me con­tra­tou co­mo re­pór­ter e lá per­ma­ne­ci até 1986, ocu­pan­do ou­tros car­gos, co­mo edi­tor, che­fe de re­por­ta­gem e co­or­de­na­dor de pau­ta. Saí da TV Bau­ru pa­ra aju­dar em pro­je­tos de im­plan­ta­ção de emis­so­ras re­gi­o­nais da Glo­bo. Par­ti­ci­pei do pro­je­to Re­de Glo­bo No­ro­es­te Pau­lis­ta, com se­de em São Jo­sé do Rio Pre­to, que foi ou­tra im­por­tan­te ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal. Saí da Glo­bo pa­ra ser re­pór­ter es­pe­ci­al de O Glo­bo, com de­di­ca­ção ex­clu­si­va e ba­se­a­do em São Pau­lo.

Pas­sei de­pois pe­lo SBT, on­de per­ma­ne­ci pou­co me­nos de um ano, par­ti­ci­pan­do da­que­le pro­je­to de te­le­jor­na­lis­mo que o Sil­vio San­tos bo­lou e que le­vou à cri­a­ção de dois te­le­jor­nais, o TJ Bra­sil e o TJSP, que de­pois foi ti­ra­do do ar com a cri­a­ção do Aqui Ago­ra. Saí do SBT an­tes da cri­a­ção do Aqui Ago­ra, re­tor­nan­do a O Glo­bo, por­que fui con­vi­da­do pe­la che­fia da su­cur­sal pa­ra acom­pa­nhar co­mo re­pór­ter a pri­mei­ra elei­ção pre­si­den­ci­al em 30 anos.

Em 1991, dei­xei O Glo­bo pa­ra ser edi­tor na Fo­lha de S. Pau­lo, pas­sei por vá­ri­os ca­der­nos. Dei­xei a Fo­lha em 1993 pa­ra co­or­de­nar um pro­je­to de TV em Bau­ru, que re­sul­tou na cri­a­ção da ex­tin­ta TV SP­Cen­tro, afi­li­a­da da TV Ban­dei­ran­tes. Ali pu­de fa­zer um pro­je­to de jor­na­lis­mo co­mu­ni­tá­rio mui­to in­te­res­san­te, por­que pos­suía to­tal li­ber­da­de pa­ra cri­ar qua­dros e de­sen­vol­ver no­vas for­mas de fa­zer re­por­ta­gens. Saí da emis­so­ra no iní­cio de 1994, de vol­ta à Fo­lha, ago­ra co­mo re­pór­ter, on­de per­ma­ne­ci até 1996, quan­do o jor­na­lis­ta bau­ru­en­se Amau­ri So­a­res me con­vi­dou pa­ra ser che­fe de re­por­ta­gem da TV Glo­bo de São Pau­lo, que se cons­ti­tuiu o mai­or de­sa­fio pro­fis­si­o­nal de mi­nha vi­da. Per­ma­ne­ço na em­pre­sa e no mes­mo car­go des­de en­tão.

A se­guir, a en­tre­vis­ta con­ce­di­da por Ma­la­vol­ta.

Vo­cê é um pro­fis­si­o­nal que es­tá há um bom tem­po no meio te­le­vi­si­vo, mas tam­bém tem uma am­pla his­tó­ria no jor­na­lis­mo im­pres­so. O que di­fe­re um meio do ou­tro?

O jor­nal im­pres­so me deu to­da a ba­se pro­fis­si­o­nal que me le­vou aos de­sa­fi­os que ti­ve des­de que ini­ci­ei. Foi no jor­na­lis­mo im­pres­so que apren­di a es­cre­ver, que apren­di a apu­rar uma no­tí­cia, a ques­ti­o­nar to­dos os la­dos. O rá­dio me deu a opor­tu­ni­da­de de apren­der a ser ágil, por­que a no­tí­cia im­por­tan­te tem de ser con­ta­da no exa­to mo­men­to que acon­te­ce. A TV é um ins­tru­men­to so­fis­ti­ca­do, que exi­ge uma qua­li­da­de pro­fis­si­o­nal enor­me de quem se de­di­ca a es­se meio de co­mu­ni­ca­ção. A TV é ho­je o ins­tru­men­to de co­mu­ni­ca­ção mais im­por­tan­te do país, por­que é ca­paz de atin­gir pra­ti­ca­men­te 100% da po­pu­la­ção. Por is­so, tra­ba­lhar nu­ma TV exi­ge não ape­nas a ex­pe­ri­ên­cia jor­na­lís­ti­ca, mas tam­bém a sen­si­bi­li­da­de pa­ra en­ten­der o que o te­les­pec­ta­dor quer ver no te­le­jor­nal que as­sis­te. O bom jor­na­lis­mo de TV pre­ci­sa re­fle­tir as ne­ces­si­da­des da co­mu­ni­da­de, do país, sem­pre do pon­to de vis­ta de quem es­tá na fren­te do apa­re­lho e quer ver su­as re­cla­ma­ções e sua opi­nião re­fle­ti­das no no­ti­ciá­rio! Quem se der ao tra­ba­lho de pes­qui­sar os ar­qui­vos de te­le­jor­na­lis­mo ve­ri­fi­ca­rá a tre­men­da evo­lu­ção que ti­ve­mos no meio, não só por cau­sas tec­no­ló­gi­cas, mas tam­bém pe­lo aper­fei­ço­a­men­to da lin­gua­gem, das téc­ni­cas e da for­ma que cri­a­mos no país pa­ra re­la­tar ao pú­bli­co as no­tí­ci­as mais im­por­tan­tes e que lhe in­te­res­sam. Só pa­ra exem­pli­fi­car, que­ro lem­brar que foi a TV que de­nun­ci­ou os po­li­ci­ais de Di­a­de­ma, cau­san­do uma in­dig­na­ção na­ci­o­nal con­tra os PMs; foi a TV que de­nun­ci­ou a exis­tên­cia de cor­rup­ção nas ad­mi­nis­tra­ções re­gi­o­nais da pre­fei­tu­ra da ca­pi­tal pau­lis­ta, le­van­do à pri­são mais de 400 pes­so­as, en­tre elas um ve­re­a­dor e um de­pu­ta­do es­ta­du­al. Não se po­de fa­lar de im­pren­sa, sem des­ta­car a im­por­tân­cia do jor­na­lis­mo de TV no Bra­sil.

Vo­cê tem pre­fe­rên­cia por um ou ou­tro?

Não ne­ces­sa­ri­a­men­te. Gos­to de es­cre­ver; apren­di a téc­ni­ca da re­por­ta­gem que ho­je pou­co se pra­ti­ca. A re­por­ta­gem é uma coi­sa mui­to ca­ra. Ho­je, te­nho uma fun­ção na em­pre­sa que tra­ba­lho jor­na­lis­mo, que não é a de re­pór­ter. Mas ja­mais dei­xei de ter aque­le olho clí­ni­co de re­pór­ter, fun­da­men­tal pa­ra quem é da área. Meu de­sa­fio é enor­me e não saio da re­da­ção com me­nos de 12 ho­ras de jor­na­da diá­ria; co­or­de­no uma equi­pe for­ma­da por re­pór­te­res do me­lhor ní­vel e cre­di­bi­li­da­de. É uma imen­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Mas con­si­de­ro que te­nho mui­to ain­da a apren­der em TV. Aliás, to­do dia apren­do al­gu­ma coi­sa no­va em TV.

Aliás, com tan­tos avan­ços tec­no­ló­gi­cos e com o pró­prio ad­ven­to da in­ter­net, fa­tos que tor­nam a in­for­ma­ção ca­da vez mais ágil, co­mo vo­cê ob­ser­va o pa­pel do im­pres­so? Vo­cê acha que os jor­nais te­rão que se adap­tar a um no­vo for­ma­to, tal­vez com mais aná­li­se, opi­nião e in­ter­pre­ta­ção, ou sem­pre ha­ve­rá um pú­bli­co dis­pos­to a ler no­tí­ci­as que já fo­ram tra­ta­das nos de­mais mei­os?

O jor­na­lis­mo im­pres­so ain­da não en­con­trou seu ca­mi­nho nes­ta era de co­mu­ni­ca­ção ele­trô­ni­ca e di­gi­tal ins­tan­tâ­nea. O jor­nal pu­ra­men­te no­ti­ci­o­so é al­go su­pe­ra­do. A no­tí­cia es­tá aí na TV, no rá­dio, na in­ter­net. O lei­tor de jor­nal quer al­go a mais. Quer tex­tos mais ana­lí­ti­cos, quer ver dis­cus­sões am­plas so­bre te­mas de to­da a or­dem; o lei­tor quer en­ten­der por que as coi­sas acon­te­cem. En­tre­tan­to, os jor­nais con­ti­nu­am sen­do fei­tos exa­ta­men­te co­mo eram fei­tos há 30 anos. Ao mes­mo tem­po, su­mi­ram das su­as pá­gi­nas re­por­ta­gens in­ves­ti­ga­ti­vas, re­por­ta­gens de aven­tu­ras. Tu­do foi subs­ti­tuí­do por pe­que­nas no­tí­ci­as; uma quan­ti­da­de imen­sa de in­for­ma­ções que nos afo­gam e de­so­ri­en­tam. Vo­cê lê to­do dia co­mo es­tá a eco­no­mia do Bra­sil, mas não en­ten­de pa­ta­vi­na o que vem acon­te­cen­do. Vo­cê não é in­for­ma­do que a eco­no­mia es­tá em fran­ga­lhos, que a nos­sa in­fla­ção do re­al é a mai­or da Amé­ri­ca do Sul, que es­ta­mos, ano após ano, em­po­bre­cen­do e nos tor­nan­do mais de­pen­den­tes do ca­pi­tal in­ter­na­ci­o­nal e que na ver­da­de o país já foi ven­di­do e en­tre­gue a gran­des cor­po­ra­ções. O dia que os jor­nais en­con­tra­rem seu no­vo ca­mi­nho, con­quis­ta­rão o lei­tor.

E a te­le­vi­são, que é on­de vo­cê tra­ba­lha e cu­ja evo­lu­ção tec­no­ló­gi­ca é bas­tan­te di­nâ­mi­ca, o que es­se meio de co­mu­ni­ca­ção ca­da vez mais in­qui­e­to exi­ge do pro­fis­si­o­nal?

A TV re­al­men­te é um ins­tru­men­to em per­ma­nen­te evo­lu­ção. Creio que che­ga­rá o dia que com­pu­ta­dor e TV se­rão um úni­co ins­tru­men­to. Pro­fis­si­o­nal­men­te, a TV exi­ge de nós jor­na­lis­tas um pre­pa­ro ca­da vez mai­or. Não bas­ta do­mi­nar a téc­ni­ca de fa­zer no­tí­cia; te­re­mos de ser es­pe­ci­a­li­za­dos em eco­no­mia, em po­lí­ti­ca, em co­ber­tu­ra de as­sun­tos po­li­ci­ais. A TV já exi­ge de seus pro­fis­si­o­nais não ape­nas o di­plo­ma de jor­na­lis­ta, mas tam­bém do­mí­nio de uma se­gun­da e ter­cei­ra lín­guas. O in­glês é fun­da­men­tal ho­je. Vi­ve­mos num mun­do em que tu­do é dis­cu­ti­do em in­glês. Quem não fa­la es­se idi­o­ma es­tá fa­da­do a ser ex­cluí­do do mer­ca­do em to­das as ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais. Es­ta é mi­nha pre­o­cu­pa­ção com meus fi­lhos, que es­tão fa­zen­do jor­na­lis­mo: que eles en­ten­dam que não bas­ta co­nhe­cer o in­glês e o es­pa­nhol, por exem­plo. Mas que de­vem ter o do­mí­nio des­sas du­as lín­guas co­mo do­mi­nam o por­tu­guês, fa­lan­do e es­cre­ven­do.

Vo­cê é um jor­na­lis­ta ex­tre­ma­men­te res­pei­ta­do no meio. Nós sa­be­mos que o jor­na­lis­mo não es­tá imu­ne à fal­ta de éti­ca e pro­fis­si­o­na­lis­mo. O que é pre­ci­so ter em men­te na ho­ra de bus­car um ca­mi­nho lim­po pa­ra atu­ar na pro­fis­são?

Pri­mei­ro, a gen­te tem que ter em men­te que jor­na­lis­mo não é mer­ca­do­ria; não é co­mo uma cai­xa de sa­bão em pó, que a gen­te pe­ga na pra­te­lei­ra do su­per­mer­ca­do e usa. Quem pra­ti­ca jor­na­lis­mo exer­ce uma ati­vi­da­de de cons­ci­ên­cia; quan­do se pra­ti­ca o mau jor­na­lis­mo, quem per­de é a so­ci­e­da­de. A elei­ção de Fer­nan­do Col­lor foi um exem­plo dra­má­ti­co de mau jor­na­lis­mo ge­ne­ra­li­za­do. Eu co­bri a elei­ção pre­si­den­ci­al e vi o quan­to es­tá­va­mos des­pre­pa­ra­dos pa­ra um even­to da­que­la im­por­tân­cia, em 1989, por­que fi­ca­mos anos sem elei­ção e sem pra­ti­car uma co­ber­tu­ra da­que­la gran­de­za. Os em­pre­sá­ri­os do se­tor de co­mu­ni­ca­ções, com me­do do Lu­la, se des­lum­bra­ram com Fer­nan­do Col­lor e o apoi­a­ram, di­re­ta ou in­di­re­ta­men­te. A nos­sa im­pren­sa omi­tiu in­for­ma­ções pre­ci­o­sas do elei­tor, e es­te foi às ur­nas achan­do que o cha­ma­do “ca­ça­dor de ma­ra­jás” era o sal­va­dor da pá­tria. O país acor­dou, me­ses de­pois, de uma imen­sa res­sa­ca. E de fer­nan­do-em-fer­nan­do, de ita­mar e lu­la, a gen­te vai en­ten­den­do que o pro­ces­so de­mo­crá­ti­co po­de não ser o me­lhor dos mun­dos, mas é, sem dú­vi­da, a ma­nei­ra que en­con­tra­re­mos um dia o nos­so des­ti­no. Eu fui di­re­tor do sin­di­ca­to dos jor­na­lis­tas, anos atrás, nas dé­ca­das de 1970 e 1980. Na­que­la épo­ca, de­fen­dia al­gu­mas pro­pos­tas que fo­ram der­ro­ta­das em as­sem­bléia. De­fen­dia uma re­vi­são no de­cre­to lei 972/69 que re­gu­la­men­tou a pro­fis­são. En­ten­do que es­se de­cre­to não trou­xe ne­nhum be­ne­fí­cio ao pro­fis­si­o­nal, ape­nas im­pe­diu que gen­te ta­len­to­sa, mas sem re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra pa­gar uma fa­cul­da­de, pu­des­se tra­ba­lhar na área sem di­plo­ma e/ou re­gis­tro pro­fis­si­o­nal. O de­cre­to, un­gi­do pe­los mi­li­ta­res pa­ra con­tro­lar a ati­vi­da­de, ser­viu pa­ra dar di­nhei­ro aos do­nos de fa­cul­da­des e uni­ver­si­da­des e cri­ar uma ne­ces­si­da­de que não exis­te. Eu de­fen­do há anos que além do sin­di­ca­to te­nha­mos um Con­se­lho Re­gi­o­nal de Jor­na­lis­mo, nos mol­des de uma OAB, CREA e CRM. Es­se con­se­lho re­gu­la­ria a ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal e te­ria po­de­res ple­nos pa­ra pu­nir aque­les pro­fis­si­o­nais que usam a pro­fis­são pa­ra se lo­cu­ple­ta­rem ou pra­ti­ca­rem um jor­na­lis­mo es­pú­rio. Mas a ca­te­go­ria é mui­to di­vi­di­da. Aban­do­nei o sin­di­ca­to há vá­ri­os anos, de­sis­ti do sin­di­ca­lis­mo, de­cep­ci­o­na­do com as pos­tu­ras de pes­so­as que exer­ci­am gran­de in­fluên­cia so­bre a ca­te­go­ria. Eu não es­ta­va equi­vo­ca­do, co­mo che­ga­ram a me ar­gu­men­tar àque­la épo­ca. Va­le­mos me­nos ho­je do que há 10 ou 20 anos. So­mos subs­ti­tuí­veis com fa­ci­li­da­de. Es­ta é a re­a­li­da­de ho­je, tan­tos anos após a re­gu­la­men­ta­ção da pro­fis­são.

Pa­ra o ti­po de tra­ba­lho que vo­cê exe­cu­ta, ou se­ja, atrás das câ­me­ras, bus­can­do a in­for­ma­ção a to­do ins­tan­te, quais são os pré-re­qui­si­tos na­tu­rais?

Eu acre­di­to que co­ra­gem, de­ter­mi­na­ção e von­ta­de de tra­ba­lhar, ali­a­dos a uma boa ba­se cul­tu­ral, são os ele­men­tos im­por­tan­tes pa­ra que qual­quer jor­na­lis­ta ob­te­nha vi­tó­ri­as. Vo­cê po­de ter bo­as idéi­as, mas se não ti­ver a co­ra­gem e a de­ter­mi­na­ção pa­ra im­ple­men­tá-las, elas ja­mais acon­te­ce­rão. Pa­ra is­so, vo­cê tem que tra­ba­lhar, mui­tas ve­zes um tra­ba­lho so­li­tá­rio, de ho­ras, di­as, se­ma­nas, me­ses. Eu te­nho exem­plos pró­pri­os. Uma das mi­nhas pri­mei­ras re­por­ta­gens im­por­tan­tes le­vou mais de 8 me­ses pa­ra fi­car pron­ta. Foi em 1977. Pas­sei me­ses so­zi­nho len­do vo­lu­mes e mais vo­lu­mes de um pro­ces­so que era na épo­ca iné­di­to no Bra­sil e que le­vou uma gran­de mon­ta­do­ra aos tri­bu­nais pro­ces­sa­da por uma fa­mí­lia que per­deu dois de seus in­te­gran­tes num aci­den­te mo­ti­va­do por fa­lha me­câ­ni­ca num veí­cu­lo que ti­nha aca­ba­do de sair da con­ces­si­o­ná­ria. Sou­be do as­sun­to por in­ter­mé­dio do ad­vo­ga­do do ca­so e fui pes­qui­sar. Cla­ro que re­ce­bi mui­tas pres­sões de as­ses­so­res da in­dús­tria, mas ti­ve o res­pal­do de mi­nha che­fia. Pas­sei mui­tas noi­tes em cla­ro len­do lau­dos pe­ri­ci­ais; de­pois, le­vei um bom tem­po pa­ra en­tre­vis­tar os pe­ri­tos, as par­tes, to­dos os per­so­na­gens des­te ca­so. Oi­to me­ses de­pois en­tre­guei a re­por­ta­gem, com tu­do apu­ra­do. Fi­quei a noi­te em cla­ro es­pe­ran­do ro­dar o jor­nal e só fui pa­ra ca­sa quan­do vi um exem­plar com a re­por­ta­gem. Eu gos­to de de­sa­fi­os as­sim, que me es­ti­mu­lam e me fa­zem acre­di­tar que o bom jor­na­lis­mo é es­te. Fiz com o Ca­co Bar­ce­los uma sé­rie de re­por­ta­gens so­bre a his­tó­ria de um ca­sal mor­to pe­la di­ta­du­ra, cu­jos ho­mi­cí­di­os não apa­re­ci­am em ne­nhum lu­gar. Nem a fa­mí­lia sa­bia que o ca­sal ha­via si­do exe­cu­ta­do pe­los mi­li­ta­res em 1968. Sou­be­mos da his­tó­ria, por­que um ex-sol­da­do, que par­ti­ci­pou da exe­cu­ção, ar­re­pen­di­do do que fi­ze­ra mais de 30 anos an­tes, nos pro­cu­rou e de­sa­ba­fou. Fi­ca­mos um ano apu­ran­do es­sa his­tó­ria e con­fir­ma­mos se tra­tar de um fa­to ver­da­dei­ro. A sé­rie de re­por­ta­gem saiu no Jor­nal Na­ci­o­nal, com gran­de des­ta­que. A re­por­ta­gem re­ce­beu três prê­mi­os. Foi a gló­ria. Acre­di­to que quem quer ser jor­na­lis­ta não po­de nun­ca su­bes­ti­mar sua cren­ça na pro­fis­são.

Co­mo é o seu dia-a-dia em São Pau­lo? Há uma ma­nei­ra de, ao me­nos nas ho­ras de fol­ga, des­li­gar-se das pres­sões que a pro­fis­são exer­ce?

Eu fi­co per­ma­nen­te­men­te com um ce­lu­lar li­ga­do e um rá­dio Nex­tel, que me man­tém em co­mu­ni­ca­ção per­ma­nen­te com mi­nha equi­pe e com meus su­pe­ri­o­res. Aos fins de se­ma­na, quan­do es­tou em fol­ga, me dou o di­rei­to de me des­li­gar. Só fi­co com o ce­lu­lar li­ga­do, por­que re­ce­bo li­ga­ções pes­so­ais tam­bém. Mas a gen­te nun­ca dei­xa de pen­sar no tra­ba­lho, mes­mo quan­do es­tá fol­gan­do. Gos­ta­ria de ter tem­po pa­ra con­ti­nu­ar es­tu­dan­do, mas is­so tem si­do im­pos­sí­vel den­tro da ro­ti­na que te­nho. Por is­so, nos fins de se­ma­na que es­tou de fol­ga, pro­cu­ro me atu­a­li­zar, atra­vés da lei­tu­ra. Com­pro mui­tos li­vros, leio mui­to.

Ma­la, ho­je dis­cu­te-se mui­to nas fa­cul­da­des so­bre a “di­ta­du­ra econô­mi­ca”, ou se­ja, as di­fi­cul­da­des que o jor­na­lis­ta en­fren­ta pa­ra atu­ar quan­do os in­te­res­ses econô­mi­cos da em­pre­sa po­dem fa­lar mais al­to. Co­mo vo­cê ana­li­sa o pa­pel do jor­na­lis­ta di­an­te des­se con­tex­to?

To­da em­pre­sa pri­va­da tem seus in­te­res­ses. Al­gu­mas mais que ou­tras. Eu pos­so di­zer com a mai­or tranqüi­li­da­de que ao lon­go des­ses anos to­dos não re­ce­bi qual­quer ti­po de pres­são pa­ra dei­xar de co­brir de­ter­mi­na­do as­sun­to, por­que ha­via in­te­res­se econô­mi­co. Creio que es­se ti­po de pres­são econô­mi­ca vem mais do go­ver­no de plan­tão, por­que as em­pre­sas são de­pen­den­tes de cré­di­to ou de im­por­ta­ções. Mas até on­de pos­so re­cor­dar nos ca­sos que hou­ve in­ter­fe­rên­cia des­sa or­dem, a em­pre­sa jor­na­lís­ti­ca se en­car­re­gou de de­nun­ci­ar a pres­são. Tal­vez, o no­ti­ciá­rio pos­sa ser in­flu­en­ci­a­do por pres­sões econô­mi­cas em em­pre­sas pe­que­nas, do in­te­ri­or, on­de o do­no da imo­bi­liá­ria ou do su­per­mer­ca­do fa­la di­re­ta­men­te com o do­no do jor­nal ou da rá­dio e eles ti­ram a no­tí­cia que lhes é in­con­ve­ni­en­te. Nu­ma im­pren­sa co­mo a pau­lis­ta­na, di­fi­cil­men­te is­so ocor­re­ria. Se acon­te­ce, é de uma ma­nei­ra dis­si­mu­la­da, que não fi­ca­mos sa­ben­do. Eu pos­so ga­ran­tir que ao lon­go des­ses anos to­dos nun­ca re­ce­bi ne­nhu­ma pres­são de su­pe­ri­o­res pa­ra dei­xar de dar de­ter­mi­na­da in­for­ma­ção por cau­sa de pres­sões econô­mi­cas.

Vo­cê atua no jor­na­lis­mo des­de o fim da di­ta­du­ra mi­li­tar, quan­do a im­pren­sa se des­do­bra­va pa­ra no­ti­ci­ar as­sun­tos con­si­de­ra­dos in­con­ve­ni­en­tes ao re­gi­me. O que mu­dou de lá pa­ra cá na atu­a­ção do jor­na­lis­ta? O que di­fe­re o jor­na­lis­ta atu­al do jor­na­lis­ta dos anos de chum­bo? O que é mais fá­cil: lu­tar con­tra a di­ta­du­ra mi­li­tar ou con­tra a di­ta­du­ra econô­mi­ca?

O jor­na­lis­mo que se faz ho­je é mui­to di­fe­ren­te da­que­le da épo­ca da di­ta­du­ra mi­li­tar. A pró­pria pau­ta de co­ber­tu­ra mu­dou mui­to. Ho­je, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção são in­flu­en­ci­a­dos por pes­qui­sas de mer­ca­do. As em­pre­sas con­tra­tam ins­ti­tu­tos pa­ra ou­vir o pú­bli­co, que opi­na so­bre o que gos­ta­ria de ver nas pá­gi­nas do jor­nal, da re­vis­ta, no no­ti­ciá­rio de rá­dio e na TV. Is­so tem um la­do bom e um la­do ruim. O la­do bom é que apren­de­mos que de­ve­mos ou­vir as pes­so­as que com­pram nos­so jor­nal, nos­sa re­vis­ta, que li­gam na nos­sa TV e no nos­so rá­dio. Com is­so, nos tor­na­mos mais pró­xi­mos da­qui­lo que o te­les­pec­ta­dor, rá­dio-ou­vin­te e lei­tor que­rem sa­ber. Mas, de ou­tro la­do, is­so nos tor­nou vul­ne­rá­veis à me­di­da que nos­so pú­bli­co es­ta­be­le­ceu pa­râ­me­tros de jor­na­lis­mo di­fe­ren­tes da­que­les que es­tá­va­mos acos­tu­ma­dos a pra­ti­car. Quan­do vo­cê ho­je com­pra as três prin­ci­pais re­vis­tas se­ma­nais de in­for­ma­ções, mui­tas ve­zes en­con­tra re­por­ta­gens in­ter­nas e de ca­pas com as­sun­tos so­bre saú­de, es­té­ti­ca, la­zer, com vá­ri­as pá­gi­nas de­di­ca­das a es­ses te­mas. Vo­cê pas­sou a se­ma­na in­tei­ra acom­pa­nhan­do os as­sun­tos mais im­por­tan­tes que acon­te­ce­ram no seu país e no mun­do. Aque­la de­nún­cia no­va de cor­rup­ção em Bra­sí­lia aca­bou vi­ran­do uma pe­que­na no­ta in­ter­na ou nem foi abor­da­da por sua re­vis­ta. Em com­pen­sa­ção, a re­vis­ta trou­xe de ca­pa uma re­por­ta­gem com mais de seis pá­gi­nas abor­dan­do no­vas téc­ni­cas de re­ju­ve­nes­ci­men­to. Vo­cê lo­go se in­te­res­sa pe­lo as­sun­to e es­que­ce a de­nún­cia de cor­rup­ção. A pes­qui­sa é im­por­tan­te e de­ve ser­vir de ba­li­za­dor, mas ela não po­de de­ter­mi­nar uma mu­dan­ça ra­di­cal no es­ti­lo de jor­na­lis­mo. É por is­so que to­das as re­vis­tas se­ma­nais são mui­to pa­re­ci­das, por­que elas tra­ba­lham com pro­ces­sos idên­ti­cos de afe­ri­ção, uma in­fluên­cia do jor­na­lis­mo ame­ri­ca­no, que é um jor­na­lis­mo de con­su­mo. Se vo­cê pe­gar o ar­qui­vo de re­vis­tas an­ti­gas, co­mo a Re­a­li­da­de, ve­rá que o tom de jor­na­lis­mo era mui­to di­fe­ren­te na­que­la épo­ca. As abor­da­gens eram di­fe­ren­tes e os as­sun­tos con­si­de­ra­dos im­por­tan­tes eram re­la­ci­o­na­dos mais à po­lí­ti­ca do que a com­por­ta­men­tos! Al­guns edi­to­res po­dem ar­gu­men­tar: mas o lei­tor não gos­ta de po­lí­ti­ca e nem de eco­no­mia; pre­fe­re com­por­ta­men­tos na co­ber­tu­ra de ge­ral; e quer ser­vi­ços na abor­da­gem de ques­tões econô­mi­cas. Ou se­ja, o lei­tor não se in­te­res­sa so­bre co­mo a dí­vi­da do Bra­sil com o FMI es­tá nos es­ma­gan­do. Ele quer sa­ber co­mo de­ve fa­zer pa­ra re­ce­ber a res­ti­tui­ção do seu im­pos­to de ren­da mais rá­pi­do; co­mo ga­nhar mais di­nhei­ro em fun­dos de apli­ca­ções. As pri­o­ri­da­des mu­da­ram mui­to. Tal­vez re­fli­ta­mos a pró­pria in­di­vi­du­a­li­da­de que nos­sa so­ci­e­da­de es­tá as­su­min­do ao lon­go des­tes úl­ti­mos anos. As pes­so­as que­rem ser mais bo­ni­tas, que­rem sa­ber as no­vas téc­ni­cas de pre­ven­ção de do­en­ças, que­rem co­nhe­cer os no­vos lu­ga­res da mo­da, e quan­do pas­sam os olhos em as­sun­tos po­lí­ti­cos, des­pre­zam aque­les te­mas e só lêem com aten­ção quan­do al­gum po­lí­ti­co é de­nun­ci­a­do por al­gu­ma aman­te traí­da.

His­to­ri­ca­men­te, sua atu­a­ção sem­pre foi bas­tan­te li­ga­da ao jor­na­lis­mo po­lí­ti­co. Em­bo­ra o as­sun­to já es­te­ja, di­ga­mos, “frio”, eu gos­ta­ria da sua opi­nião so­bre o epi­só­dio em que o jor­na­lis­ta do Ti­mes pin­tou um país pre­o­cu­pa­do com um su­pos­to ví­cio etí­li­co do pre­si­den­te Lu­la. Te­ria ha­vi­do exa­ge­ro de am­bas as par­tes?
O cor­res­pon­den­te do New York Ti­mes fez um jor­na­lis­mo pre­gui­ço­so, por­que ele se li­mi­tou a co­pi­ar de vá­ri­as pu­bli­ca­ções tre­chos de no­tas e/ou de ma­té­ri­as que fa­la­vam que o Lu­la gos­ta­va de be­ber. Daí pa­ra o as­sun­to vi­rar um es­cân­da­lo, bas­tou en­tre­vis­tar o Bri­zo­la, que já ti­nha uma di­fe­ren­ça com o pre­si­den­te. O pro­ble­ma do Lu­la nun­ca foi a be­bi­da, mas a fal­ta de von­ta­de de go­ver­nar. Ou tal­vez, a fal­ta de uma vi­são do que re­al­men­te é o Bra­sil. O Lu­la não es­tá des­truin­do o país, mas des­truin­do a si mes­mo e ao seu par­ti­do, com es­sa po­lí­ti­ca econô­mi­ca sui­ci­da, her­da­da do Fer­nan­do Hen­ri­que. Ele es­tá des­truin­do o so­nho de quem acre­di­tou que o PT re­pre­sen­ta­va a mu­dan­ça.

Ma­la, es­te si­te é bas­tan­te vi­si­ta­do por es­tu­dan­tes de jor­na­lis­mo. Tra­ta-se de um pú­bli­co qua­se sem­pre ávi­do por in­for­ma­ções que pos­sam aju­dá-lo a mol­dar seu per­fil pro­fis­si­o­nal. Que ti­pos de di­cas vo­cê po­de pas­sar àque­les que es­tão na fa­cul­da­de e que da­qui a pou­co vão en­fren­tar o mer­ca­do de tra­ba­lho?

Pri­mei­ro, que to­dos se­jam hu­mil­des e quei­ram sem­pre apren­der e não en­si­nar; se­gun­do, que nun­ca dei­xem de es­tu­dar, apren­der, pes­qui­sar, por­que es­tas são nos­sas fer­ra­men­tas; ter­cei­ro, te­nham sem­pre em men­te que jor­na­lis­mo é pres­ta­ção de ser­vi­ço à so­ci­e­da­de. Não ven­de­mos pro­du­tos e nem so­mos mer­ca­do­ri­as; quar­to, te­nham âni­mo pa­ra en­fren­tar um mer­ca­do de tra­ba­lho mui­to com­pe­ti­ti­vo, se­le­ti­vo e que não pen­sa du­as ve­zes pa­ra eli­mi­ná-lo, por con­ta de re­du­ção de cus­tos.

Pa­ra ter­mi­nar, uma cu­ri­o­si­da­de: em sua den­sa tra­je­tó­ria jor­na­lís­ti­ca, vo­cê de­ve ter reu­ni­do mui­tas his­tó­ri­as in­te­res­san­tes. Vo­cê tem pla­nos de al­gum dia reu­ni-las em al­gu­ma pu­bli­ca­ção?

A vi­da de to­dos é fei­ta sem­pre de bo­as e más his­tó­ri­as. Daí, is­so vi­rar um li­vro, acho di­fí­cil. Mi­nha vi­da não da­ria uma crô­ni­ca, quan­to mais um li­vro. Eu não me con­si­de­ro um per­so­na­gem. Um dia, jun­to com um ami­go, sen­ta­mos pa­ra es­cre­ver um li­vro so­bre téc­ni­cas de re­por­ta­gem. Não saiu da pri­mei­ra pá­gi­na, por­que, ape­sar de tu­do o que apren­de­mos, so­mos in­ca­pa­zes de di­zer: é as­sim que se faz.

Va­mos ao pin­gue-pon­gue?

Co­mi­da pre­fe­ri­da: Ho­je , sa­la­das, pei­xes, fran­go, tu­do mui­to le­ve.

La­zer: Ler. Gos­to de ler li­vros de 500, 600 pá­gi­nas. Fu­jo de best-sel­lers, dos pau­lo-co­e­lhos. Que­ro sem­pre uma lei­tu­ra mais den­sa, que me fa­ça re­fle­tir. Gos­to mui­to de ir ao ci­ne­ma, pro­cu­ro ver mui­tos fil­mes por ano. Ul­ti­ma­men­te, a gen­te tem vis­to mui­ta por­ca­ria em­pa­co­ta­da em Hollywo­od.

Um exem­plo de ho­mem ou mu­lher: Meus pais, que mor­re­ram - jo­vens, aliás - e que me en­si­na­ram que a ho­nes­ti­da­de e a dig­ni­da­de são va­lo­res ine­go­ciá­veis. In­fe­liz­men­te, não ti­ve tem­po de re­tri­buir a eles tu­do o que me en­si­na­ram.

Ti­me do co­ra­ção: por res­pei­to fa­mi­li­ar, o Pal­mei­ras.

Fil­me: To­dos os Ho­mens do Pre­si­den­te, que é uma li­ção de jor­na­lis­mo.

Li­vro: Ca­nu­dos, que nun­ca dei­xou de ser uma gran­de re­por­ta­gem.

O pas­sa­do: Foi o ali­cer­ce do que sou ho­je.

O pre­sen­te: In­fe­liz­men­te, es­tou en­ve­lhe­cen­do e gos­ta­ria de ter mais tem­po pa­ra fa­zer as coi­sas

O fu­tu­ro: Es­pe­ro que meus fi­lhos con­ti­nu­em meu tra­ba­lho, já que de­ci­di­ram, con­tra a mi­nha von­ta­de, ser jor­na­lis­tas.

Compartilhe