Deu na Fo­lha de do­min­go: ci­da­dãos su­pos­ta­men­te en­di­nhei­ra­dos es­tão dei­xan­do seus ca­chor­ros de ra­ça em clí­ni­cas ve­te­ri­ná­ri­as e pet shops de São Pau­lo. Os do­nos op­tam pe­lo aban­do­no se o mas­co­te ado­e­ce ou o or­ça­men­to do­més­ti­co aper­ta.

Aque­le bi­cho com pe­di­gree que foi com­pra­do num im­pul­so pa­ra aten­der a uma exi­gên­cia do sta­tus re­cém-con­quis­ta­do vi­ra um trans­tor­no quan­do a res­pon­sa­bi­li­da­de fa­la mais al­to do que a di­ver­são.

En­quan­to ele é fi­lho­te e cor­re sau­dá­vel pe­la ca­sa, tu­do bem. Ao cres­cer e per­der pê­los ou fi­car amu­a­do num can­to, já co­me­ça a ser ar­qui­te­ta­da a pas­sa­gem só de ida pa­ra a clí­ni­ca mais pró­xi­ma. E, as­sim, li­vra-se do ani­mal co­mo se ele fos­se um guar­da­na­po de pa­pel usa­do.

Pa­ra não ser lo­ca­li­za­do, o pro­pri­e­tá­rio che­ga a pas­sar en­de­re­ço fal­so pa­ra o ve­te­ri­ná­rio. Con­clu­são: de­sa­pa­re­ce sem dei­xar ves­tí­gi­os. Nas clí­ni­cas, se os ani­mais não são ra­pi­da­men­te ado­ta­dos, o jei­to é sa­cri­fi­cá-los. Que jei­to bes­ta de vi­ver a vi­da.

Na mi­nha ado­les­cên­cia, ti­ve al­guns ga­tos, mas nun­ca fui uma gran­de

freqüen­ta­do­ra de pet shops. Ok, na­que­la épo­ca, bu­ti­ques e sa­lões de be­le­za de bi­chos ain­da não eram um fi­lão lu­cra­ti­vo, mas, in­de­pen­den­te­men­te des­sa cir­cuns­tân­cia do mer­ca­do, ja­mais ti­ve in­te­res­se em exi­bir meus ami­gos co­mo fi­fis ou lu­lus de ma­da­me. Eles eram ga­tos e sem­pre fo­ram tra­ta­dos co­mo tal. Tal­vez, se is­so re­co­me­ças­se a ser pra­ti­ca­do, a ocor­rên­cia dos aban­do­nos não fos­se sig­ni­fi­ca­ti­va a pon­to de des­per­tar a aten­ção da mí­dia.

Sa­be por quê? Quan­do vo­cê tra­ta um ga­to ou um ca­chor­ro co­mo ga­to ou ca­chor­ro, é pos­sí­vel in­clui-lo nas des­pe­sas men­sais sem fra­tu­rar o sal­do ban­cá­rio. Ele pre­ci­sa de va­ci­na? Sim, pre­ci­sa, mas não de xam­pu im­por­ta­do. Pre­ci­sa de to­sa? Tam­bém, mas rou­pi­nha de mo­le­tom é per­fei­ta­men­te dis­pen­sá­vel.

O pro­ble­ma é que mui­ta gen­te en­ca­ra o ani­mal co­mo um brin­que­di­nho de lu­xo, uma aqui­si­ção com­pa­tí­vel com o ní­vel so­ci­al a ser pro­va­do a qual­quer cus­to. Es­se ra­ci­o­cí­nio tor­pe au­to­ri­za que os gas­tos men­sais ul­tra­pas­sem a ca­sa das cen­te­nas de re­ais – tu­do pa­ra jus­ti­fi­car o al­to in­ves­ti­men­to e com­pro­var que a di­nhei­ra­ma exis­te pa­ra ser tor­ra­da, in­clu­si­ve com os ca­pri­chos im­pos­tos pe­lo do­no ao seu yorkshi­re de san­gue pu­ro.

De­fi­ni­ti­va­men­te, is­so não é gos­tar de ani­mal. Gos­tar de ani­mal é res­pei­tá-lo co­mo tal, sem ten­tar “hu­ma­ni­zá-lo”. Fes­ta de ani­ver­sá­rio foi fei­ta pa­ra cri­an­ça, não pa­ra bi­cho. Nos­sos ca­ma­ra­das de qua­tro pa­tas de­tes­tam es­sa pre­se­pa­da e até se es­tres­sam com tan­ta al­ga­zar­ra pro­mo­vi­da pe­lo do­no – es­se, sim, o ver­da­dei­ro ca­pi­tão da fes­ta.

Mas, por fa­vor, me dei­xem fa­lar so­bre os meus ga­tos. Eles sem­pre fo­ram, dig­na­men­te, ga­tos. Sting era um qua­se si­a­mês que com­par­ti­lha­va uma cai­xa de pa­pe­lão com um vi­ra-la­ta pre­to e bran­co cha­ma­do Tony. Sa­ra­dos e na flor da ida­de, os dois na­mo­ra­vam to­das as ga­tas do bair­ro nos te­lha­dos, mi­a­vam lou­ca­men­te na ho­ra do al­mo­ço e do jan­tar, ado­ra­vam ca­fu­né na ore­lha, ca­ça­vam ra­tos pa­ra tor­tu­rar e co­ça­vam pul­gas: aque­las már­ti­res que es­ca­pa­vam da água do tan­que quan­do, fi­nal­men­te, eu con­se­guia cap­tu­rá-los pa­ra o ba­nho.

Os dois iam ao ve­te­ri­ná­rio se a si­tu­a­ção agra­va­va e, mes­mo as­sim, só de­pois que seus pró­pri­os mé­to­dos te­ra­pêu­ti­cos fa­lha­vam (acho que co­mer fo­lhas era um de­les). Meus ga­tos par­ti­ram há anos, mas ja­mais rou­bei de­les a con­di­ção de fe­li­nos. Um vi­zi­nho co­var­de en­ve­ne­nou o Sting; o Tony foi em­bo­ra pa­ra mor­rer só. Ga­tos com­bi­nam com es­se ges­to de gla­mour: des­pe­dem-se da vi­da so­zi­nhos pa­ra que nos lem­bre­mos de­les em di­as mais exu­be­ran­tes.

Na mi­nha me­mó­ria, to­dos os di­as fo­ram exu­be­ran­tes pa­ra es­ses for­mi­dá­veis pro­je­ti­nhos de ti­gres, que me es­co­lhe­ram co­mo do­na mui­tos anos atrás. Ain­da acho que vou re­vê-los no céu dos ga­tos so­bre te­lha­dos de nu­vens, na­mo­ran­do co­mo nun­ca.

Compartilhe