Colaboradores, Geral

Afinal, qual é o babado da imprensa?

quarta-feira, 16 de junho de 2004 Texto de

Isa­bel Car­va­lho
Es­pe­ci­al pa­ra o blog

A Pa­ra­da do Or­gu­lho GLBT (Gays, Lés­bi­cas, Bis­se­xu­ais e Trans­gê­ne­ros), do dia 13 de ju­nho, em São Pau­lo, trans­cor­reu com mui­to bri­lho e sem qual­quer in­ci­den­te.

O fi­as­co fi­cou por con­ta da im­pren­sa, que se­guiu a li­nha do “po­li­ti­ca­men­te cor­re­to” e re­por­tou o que há de mais pe­jo­ra­ti­vo no mo­vi­men­to ho­mos­se­xu­al: pri­vi­le­gi­ou o “exó­ti­co” e ig­no­rou as ma­ni­fes­ta­ções po­lí­ti­cas exis­ten­tes.

A co­ber­tu­ra das TVs, se­gun­do re­la­tos - fe­liz­men­te não vi por­que es­ta­va en­tre os GLBT’s na Ave­ni­da Pau­lis­ta - foi es­ta­pa­fúr­dia. Ao in­vés de pôr de la­do to­da a es­te­re­o­ti­pia ado­ta­da de pra­xe nas co­ber­tu­ras de ma­ni­fes­ta­ções de mo­vi­men­tos mi­no­ri­tá­ri­os rei­vin­di­ca­tó­ri­os, expôs pe­jo­ra­ti­va­men­te drags que­ens co­mo se o mo­vi­men­to ho­mos­se­xu­al se re­su­mis­se ape­nas nos ti­pos tra­ves­ti­dos, ges­ti­cu­la­do­res e bi­zar­ros.

Já que as “drags” aca­ba­ram de ser ci­ta­das, boa par­te de­las, cer­ta­men­te, es­ta­va sen­tin­do-se ver­da­dei­ra­men­te re­pre­sen­tan­te de um mo­vi­men­to com múl­ti­plas fa­ce­tas - in­clu­si­ve, a da ale­gria e do bri­lho -, sem con­tar a co­ra­gem, a li­ber­da­de e a cri­a­ti­vi­da­de de mos­trar-se tal co­mo é: ser no mun­do, na Pau­lis­ta, na con­vi­vên­cia harmô­ni­ca en­tre tan­tos ti­pos de pes­so­as, per­so­na­li­da­des, di­fe­ren­ças...

A mí­dia, se qui­ses­se exer­cer um pa­pel re­al de for­ma­ção só­cio-cul­tu­ral, de­ve­ria, no mí­ni­mo, ter ex­pli­ca­do aos te­les­pec­ta­do­res, ou­vin­tes e lei­to­res o ver­da­dei­ro ob­je­ti­vo da Pa­ra­da do Or­gu­lho GLBT. Mas não o fez. Pre­fe­riu ou­vir his­tó­ri­as ape­nas das ado­rá­veis ca­ri­ca­tas drags que­ens e tra­ves­ti­dos, ge­ne­ra­li­zan­do os ho­mos­se­xu­ais co­mo se to­dos usas­sem fan­ta­si­as pa­ra ocul­tar sua se­xu­a­li­da­de no dia-a-dia in­di­ges­to da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta sel­va­gem.

O pa­pel da im­pren­sa há tem­po de­ve ser re­pa­gi­na­do. O jor­na­lis­ta pre­ci­sa se des­pir do pre­con­cei­to e ir a fun­do no porquê das coi­sas. Nes­te ca­so, pri­mei­ra­men­te, se­ria fun­da­men­tal ex­pli­car o porquê da re­a­li­za­ção das Pa­ra­das.

As Pa­ra­das, em es­pe­ci­al as da ca­pi­tal pau­lis­ta, ocor­rem há oi­to anos. Mas, ape­nas nos úl­ti­mos três anos, é que se tem da­do des­ta­que mai­or na mí­dia por cau­sa dos mi­lhões de pes­so­as que com­pa­re­cem ao even­to. Com ta­ma­nha vi­si­bi­li­da­de, fi­ca im­pos­sí­vel não dar um link du­ran­te a pro­gra­ma­ção do­mi­ni­cal, mas sem agre­dir os la­res cris­tãos sin­to­ni­za­dos.

Cla­ro que ape­sar dos in­te­res­ses mer­ca­do­ló­gi­cos das Pa­ra­das, as quais con­tam com me­ga-pa­tro­ci­na­do­res que vêem no pú­bli­co ho­mos­se­xu­al con­su­mi­dor po­ten­ci­al e no even­to a opor­tu­ni­da­de de ven­der seus pro­du­tos sob a vi­tri­ne de em­pre­sas pre­o­cu­pa­das e sen­si­bi­li­za­das com a cau­sa GLBT - por di­rei­tos ci­vis e pre­vi­den­ciá­ri­os, igual­da­de e fim do pre­con­cei­to -, a Pa­ra­da em si é uma ma­ni­fes­ta­ção de um mo­vi­men­to re­ple­to de rei­vin­di­ca­ções, sim!

Em 1996, com uma sim­ples ma­ni­fes­ta­ção dos ho­mos­se­xu­ais, com a pre­sen­ça de 2 mil pes­so­as em São Pau­lo, foi da­da a lar­ga­da pa­ra o que ve­mos acon­te­cer anu­al­men­te na Pau­lis­ta. O nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes GLBT´s e sim­pa­ti­zan­tes cres­ceu pro­gres­si­va­men­te até atin­gir a ci­fra ofi­ci­al de 1,8 mi­lhão. Mas, que pa­ra mim, cer­ta­men­te ul­tra­pas­sou os 2 mi­lhões. Ga­nhou vi­si­bi­li­da­de e tor­nou-se a mai­or do mun­do, su­pe­ran­do as Pa­ra­das de São Fran­cis­co, No­va Ior­que e To­ron­to.

Mui­to bem. O Bra­sil, aos olhos da mí­dia mun­di­al, no que­si­to or­ga­ni­za­ção de Pa­ra­das GLBT´s es­tá in­do mui­to bem. Mas, afi­nal, o que o mo­vi­men­to GLBT rei­vin­di­ca e o que a so­ci­e­da­de re­al­men­te pen­sa da clas­se? E a im­pren­sa, co­mo se com­por­ta?

Pa­ra Wil­son Sil­va, co­le­ga mi­li­tan­te GLBT, ape­sar do su­ces­so, a Pa­ra­da, mais uma vez, foi mar­ca­da por pro­ble­mas. A co­me­çar pe­lo te­ma se­le­ci­o­na­do pe­la As­so­ci­a­ção do Or­gu­lho GLBT: ‘Te­mos fa­mí­lia e or­gu­lho’. Pa­ra um se­tor do mo­vi­men­to, o te­ma ti­nha a ver com a ne­ces­si­da­de do re­co­nhe­ci­men­to le­gal das re­la­ções en­tre ca­sais GLBT (com a re­gu­la­ri­za­ção das par­ce­ri­as ci­vis que trans­fi­ram pa­ra os ho­mos­se­xu­ais os mes­mos di­rei­tos exis­ten­tes pa­ra os ca­sais he­te­ros­se­xu­ais, co­mo os di­rei­tos pre­vi­den­ciá­ri­os e, no meu en­ten­der, o di­rei­to à ado­ção de cri­an­ças). Na­da mais jus­to.

Ou­tros re­la­ci­o­na­ram o te­ma às mui­tas di­fi­cul­da­des que GLBT’s têm em su­as fa­mí­li­as: dis­cri­mi­na­ção e pre­con­cei­to po­dem se trans­for­mar em ati­tu­des co­mo a ex­pul­são da ca­sa ou o em­pre­go da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. Al­go tam­bém im­por­tan­te.

Con­tu­do, pe­lo tom da­do pe­la pró­pria As­so­ci­a­ção, tan­to a co­ber­tu­ra da mí­dia co­mo os even­tos pa­ra­le­los à Pa­ra­da fo­ram mar­ca­dos por uma abor­da­gem con­ser­va­do­ra: a de­fe­sa do pa­drão tra­di­ci­o­nal de fa­mí­lia.

Exem­plar da la­men­tá­vel ló­gi­ca que per­meia a mai­o­ria do mo­vi­men­to, que de­fen­de a “in­te­gra­ção” dos ho­mos­se­xu­ais ao sis­te­ma tal co­mo é. A de­fe­sa do ca­sa­men­to e da fa­mí­lia tra­di­ci­o­nais é pri­ma-ir­mã da pos­tu­ra que vê co­mo con­quis­ta o sur­gi­men­to de um mer­ca­do vol­ta­do pa­ra os ho­mos­se­xu­ais. Uma enor­me bo­ba­gem que só pri­vi­le­gia se­to­res de clas­se mé­dia.

Além des­se pro­ble­ma, re­pe­ti­ram-se ou­tros já co­nhe­ci­dos: a aber­tu­ra da Pa­ra­da foi fei­ta pe­la pre­fei­ta pe­tis­ta sem que qual­quer um pu­des­se ques­ti­o­ná-la (não só por sua pés­si­ma ad­mi­nis­tra­ção, co­mo tam­bém por não ter fei­to na­da pe­los GLBT’s); du­ran­te to­do o per­cur­so hou­ve mui­ta mú­si­ca, car­ta­zes e fai­xas pe­din­do o fim da vi­o­lên­cia, da dis­cri­mi­na­ção e rei­vin­di­can­do di­rei­tos bá­si­cos, mas, evi­den­te­men­te, a co­ber­tu­ra da im­pren­sa pri­vi­le­gi­ou o “exó­ti­co”, ig­no­ran­do as ma­ni­fes­ta­ções po­lí­ti­cas exis­ten­tes.

O que a im­pren­sa não in­for­ma: cen­so GLBT

O GLS Pla­net em par­ce­ria com o Gru­po Ar­co-Íris vai lan­çar em bre­ve o Cen­so GLS, o pri­mei­ro le­van­ta­men­to mais am­plo da po­pu­la­ção GLS no Bra­sil. Pa­ra tor­nar os da­dos con­fiá­veis, os ide­a­li­za­do­res pre­ten­dem le­van­tar da­dos fi­de­dig­nos so­bre a co­mu­ni­da­de GLBT no Bra­sil, tan­to em ter­mos de per­fil só­cio-econô­mi­co co­mo tam­bém da­dos que se­jam do in­te­res­se das ONG´s ati­vis­tas e en­ti­da­des de pes­qui­sa. A pes­qui­sa vai ser fei­ta via in­ter­net, atra­vés do do­mí­nio e si­te ex­clu­si­vo da pes­qui­sa www.censogls.com.br, que es­tá em cons­tru­ção, no mo­men­to.

Du­ran­te a co­le­ti­va con­ce­di­da à im­pren­sa no dia da Pa­ra­da do Or­gu­lho GLBT de São Pau­lo, Sô­nia Al­ves, di­re­to­ra do GLS Pla­net, in­for­mou so­bre a re­a­li­za­ção do cen­so e pe­diu aos jor­na­lis­tas a “gen­ti­le­za” de di­vul­gar o fa­to. Não vi qual­quer veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção re­por­tar o te­ma.

Pre­con­cei­to, má von­ta­de dos jor­na­lis­tas, fal­ta de uma for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria de qua­li­da­de des­ses pro­fis­si­o­nais pa­ra dis­cer­nir o que é im­por­tan­te ou pres­são dos do­nos da mí­dia pa­ra ocul­tar a ver­da­de que mui­tos não que­rem ver?

A ver­da­de, doa a quem do­er, é que os ho­mos­se­xu­ais exis­tem e es­tão nu­ma lu­ta jus­ta, dig­na e per­ma­nen­te pa­ra ter os mes­mos di­rei­tos dos he­te­ros!

Isa­bel Car­va­lho é jor­na­lis­ta

Compartilhe