Hou­ve um tem­po no Oes­te Pau­lis­ta em que a sim­ples men­ção ao no­me Kitty Ba­li­ei­ro agu­ça­va a cu­ri­o­si­da­de das pes­so­as. Era co­mo um sinô­ni­mo de no­tí­cia. Eu me lem­bro des­se co­me­ço de dé­ca­da, a de 1980. Nas ci­da­des pe­que­nas da am­pla re­gião co­ber­ta pe­la TV Bau­ru (Glo­bo), o acon­te­ci­men­to ga­nha­va con­tor­nos es­pe­ci­ais se a re­pór­ter era Kitty Ba­li­ei­ro. Pa­ra o pú­bli­co des­sas ci­da­des, a Kitty, mui­tas ve­zes, era o que re­al­men­te im­por­ta­va. O fa­to, a no­tí­cia... ora, que is­so se dei­xas­se pra lá.

Ela co­me­çou na te­le­vi­são em 1980, na en­tão TV Bau­ru. Era re­cém-for­ma­da em Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al pe­la Fun­da­ção Edu­ca­ci­o­nal de Bau­ru (ho­je Unesp). Fi­cou na re­gião até o iní­cio de 1983, quan­do foi con­vi­da­da a in­te­grar a equi­pe de es­por­tes da TV Glo­bo de São Pau­lo. Co­mo o cur­so da Fun­da­ção só for­ma­va ba­cha­réis em co­mu­ni­ca­ção, te­ve de vol­tar aos ban­cos es­co­la­res pa­ra ter­mi­nar a fa­cul­da­de de jor­na­lis­mo e con­se­guir di­plo­ma e re­gis­tro de jor­na­lis­ta. “Sor­te que ho­je em dia os cur­sos de jor­na­lis­mo de Bau­ru são ple­nos”, diz Kitty.

Já co­mo jor­na­lis­ta de­vi­da­men­te for­ma­da, atu­ou na TV Glo­bo de São Pau­lo até 1988. De lá, saiu pa­ra tra­ba­lhar com um pro­du­tor in­ter­na­ci­o­nal de es­por­tes, com o qual co­briu os Jo­gos Olím­pi­cos de Seul. Pas­sou de­pois pe­lo SBT, on­de co­or­de­nou em São Pau­lo a co­ber­tu­ra da Co­pa do Mun­do de 1990, foi pa­ra a TV Cul­tu­ra, pa­ra tra­ba­lhar no pro­gra­ma Vi­tri­ne, e tam­bém atu­ou com pro­du­to­ras in­de­pen­den­tes e con­sul­to­ri­as de co­mu­ni­ca­ção.

Em 1992, pa­ra uma pro­du­to­ra in­ter­na­ci­o­nal de es­por­tes, co­briu a Olim­pía­da de Bar­ce­lo­na. Em se­gui­da, vi­a­jou aos Es­ta­dos Uni­dos, on­de pre­ten­dia pas­sar seis me­ses apren­den­do in­glês. Os seis me­ses, en­tre­tan­to, se trans­for­ma­ram em dois anos e meio.

Vol­tou ao Bra­sil, no iní­cio de 1995, co­mo as­ses­so­ra de im­pren­sa do en­tão se­cre­tá­rio es­ta­du­al de Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e De­sen­vol­vi­men­to In­dus­tri­al, Emer­son Ka­paz, ao mes­mo tem­po em que fa­zia “fri­las” co­mo re­pór­ter pa­ra a ESPN Bra­sil, cur­sa­va pós-gra­du­a­ção em Co­mu­ni­ca­ção Em­pre­sa­ri­al na ESPM, e mon­ta­va sua pró­pria em­pre­sa de con­sul­to­ria de co­mu­ni­ca­ção. Co­mo não ti­nha ho­ras dis­po­ní­veis pa­ra tan­ta am­bi­ção - co­mo ela pró­pria de­fi­ne -, fi­cou ape­nas com a pós e com a em­pre­sa. Mas os “fri­las” da ESPN Bra­sil pas­sa­ram a ser ca­da vez mais cons­tan­tes, até que no iní­cio de 1998, foi con­vi­da­da pa­ra co­or­de­nar to­da a re­da­ção em São Pau­lo du­ran­te a Co­pa do Mun­do da Fran­ça.

De lá pa­ra cá, as­su­miu ca­da vez mais res­pon­sa­bi­li­da­des na emis­so­ra. Em 1999, foi en­vi­a­da co­mo re­pór­ter e apre­sen­ta­do­ra a Win­ni­peg (Ca­na­dá), pa­ra a co­ber­tu­ra dos Jo­gos Pan-Ame­ri­ca­nos. Na vol­ta, foi pro­mo­vi­da a edi­to­ra-che­fe de dois no­vos pro­gra­mas: “A Ca­mi­nho de Syd­ney 2000”, que ini­ci­a­va a co­ber­tu­ra da ESPN Bra­sil pa­ra a olim­pía­da se­guin­te, e “Pla­ne­ta Água”, que fa­la­va ape­nas so­bre os es­por­tes aquá­ti­cos olím­pi­cos (na­ta­ção, na­do sin­cro­ni­za­do, pó­lo aquá­ti­co e sal­tos or­na­men­tais). Am­bos fo­ram pi­o­nei­ros na TV bra­si­lei­ra. Pas­sou tam­bém a co­or­de­nar to­do o pla­ne­ja­men­to da co­ber­tu­ra pa­ra os jo­gos de Syd­ney, in­clu­si­ve pu­bli­can­do um Ma­nu­al que ser­ve de con­sul­ta pa­ra a equi­pe até ho­je.

Em ju­nho de 2000, três me­ses an­tes dos Jo­gos, o che­fe de re­da­ção da ESPN Bra­sil, Yves Ta­va­res, mor­reu re­pen­ti­na­men­te de um ata­que no co­ra­ção. Ele foi subs­ti­tuí­do pe­lo en­tão edi­tor exe­cu­ti­vo do ca­nal, e Kitty as­su­miu a edi­to­ra exe­cu­ti­va. Na vol­ta de Syd­ney, o no­vo che­fe de re­da­ção foi de­mi­ti­do, e ela, pro­mo­vi­da ao car­go, fun­ção que exer­ce até ho­je.

Es­te ano, não vi­a­ja pa­ra Ate­nas pa­ra a co­ber­tu­ra dos Jo­gos Olím­pi­cos. Fi­ca na di­re­ção da emis­so­ra no Bra­sil, en­quan­to o di­re­tor de jor­na­lis­mo, Jo­sé Tra­ja­no, em­bar­ca pa­ra a Gré­cia.

A co­ber­tu­ra dos jo­gos pe­la ESPN Bra­sil pre­ten­de, con­for­me ex­pli­ca Kitty, se di­fe­ren­ci­ar pe­lo jor­na­lis­mo, uma vez que o si­nal in­ter­na­ci­o­nal das com­pe­ti­ções é o mes­mo pa­ra to­das as TVs. “Va­mos fa­lar de olim­pía­da 24 ho­ras por dia, mos­trar de­ze­nas de jo­gos e com­pe­ti­ções, pro­du­zir jor­nais diá­ri­os com en­tra­das ao vi­vo de Ate­nas e re­a­li­zar mui­tas en­tre­vis­tas ex­clu­si­vas”, adi­an­ta.

Quan­do não es­tá tra­ba­lhan­do – o que é ra­ro –, Kitty gos­ta de fa­zer ar­te­sa­na­to, prin­ci­pal­men­te com ma­te­ri­ais re­ci­clá­veis. En­tre os co­le­gas de emis­so­ra, é co­nhe­ci­da co­mo “a li­xei­ra”, por­que diz sair ca­tan­do tu­do que acha e que po­de ser re­a­pro­vei­ta­do – cai­xas de fi­ta, pa­pel usa­do, em­ba­la­gens de eti­que­tas, e por aí afo­ra. “Pen­so em mon­tar uma co­o­pe­ra­ti­va al­gum dia, pa­ra con­tri­buir com co­mu­ni­da­des ca­ren­tes que po­dem se be­ne­fi­ci­ar des­ta ati­vi­da­de”, diz ela. Faz tam­bém cur­so de fran­cês, yo­ga e o que mais apa­re­cer de in­te­res­san­te...

Com uma ba­ga­gem des­sas nas cos­tas é que Kitty con­ce­deu, por e-mail, a en­tre­vis­ta a se­guir.

O que a le­vou a tra­ba­lhar na área es­por­ti­va? Vo­cê pla­ne­jou ou foi cir­cuns­tan­ci­al?

Foi cir­cuns­tan­ci­al. Quan­do tra­ba­lha­va em Bau­ru, ge­ral­men­te era uma das úni­cas que gos­ta­va de fa­zer as pou­cas ma­té­ri­as de es­por­te que apa­re­ci­am na nos­sa pau­ta. Is­so por­que já gos­ta­va do am­bi­en­te e co­nhe­cia al­gu­mas pes­so­as, já que ha­via jo­ga­do bas­que­te até a ca­te­go­ria ju­ve­nil no Se­si e BTC, com o Bar­bo­sa (An­to­nio Car­los, téc­ni­co da Se­le­ção Bra­si­lei­ra de bas­que­te fe­mi­ni­no). Du­ran­te a co­ber­tu­ra da Glo­bo das elei­ções mu­ni­ci­pais de 1982, vim tra­ba­lhar em São Pau­lo, pa­ra re­for­çar a equi­pe, e co­nhe­ci o pes­so­al do de­par­ta­men­to de es­por­tes. Quan­do vol­tei pa­ra Bau­ru, re­ce­bi o con­vi­te pa­ra vir tra­ba­lhar com es­por­tes. Fi­quei sur­pre­en­di­da, mas achei que se­ria mui­to le­gal tam­bém, co­mo re­al­men­te foi.

Até há pou­co tem­po, o jor­na­lis­mo es­por­ti­vo era um seg­men­to qua­se ex­clu­si­vo dos ho­mens. As mu­lhe­res ain­da en­fren­tam pre­con­cei­tos na atu­a­ção pro­fis­si­o­nal?

Acho que não. Quan­do co­me­cei, era a úni­ca mu­lher no de­par­ta­men­to de es­por­tes da TV Glo­bo. Em São Pau­lo, ape­nas a Re­gi­a­ne Rit­ter, que tra­ba­lha­va na TV Ga­ze­ta, tam­bém co­bria fu­te­bol. No Rio, a Isa­be­la Sca­la­bri­ni tam­bém fa­zia es­por­te, mas não co­bria fu­te­bol. Um ano, mais ou me­nos, de­pois da mi­nha che­ga­da, to­das as emis­so­ras de São Pau­lo já pos­suíam mu­lhe­res co­brin­do fu­te­bol. Ho­je elas es­tão por to­da a par­te, e não ape­nas na re­por­ta­gem. Na pró­pria ESPN Bra­sil, a So­ni­nha Fran­ci­ne é um dos gran­des exem­plos de que mu­lher po­de jo­gar na gran­de área de igual pa­ra igual.

Em li­nhas ge­rais, co­mo vo­cê ana­li­sa a qua­li­da­de do jor­na­lis­mo es­por­ti­vo bra­si­lei­ro?

Acho que fal­ta co­nhe­ci­men­to, cul­tu­ra es­por­ti­va. Na ver­da­de, até mes­mo no fu­te­bol, on­de to­do mun­do sa­be ou acre­di­ta que sa­be tu­do. É mui­to co­mum os re­pór­te­res es­por­ti­vos se aco­mo­da­rem na­que­la vi­di­nha de re­da­ção-clu­be-re­da­ção, en­tre­vis­ti­nhas, bri­gas, etc. É uma co­ber­tu­ra sem con­teú­do, sem his­tó­ria, sem subs­tân­cia, cal­ca­da me­ra­men­te no “aqui e ago­ra”. Na mi­nha opi­nião, não exis­te pro­fis­são me­lhor que a de co­men­ta­ris­ta de fu­te­bol. Ho­je vo­cê diz que o ti­me “x” é o fa­vo­ri­to, e que de­ve go­le­ar. Ama­nhã, de­pois da go­le­a­da so­fri­da pe­lo ti­me “x”, vo­cê diz que a der­ro­ta foi sur­pre­en­den­te, mas que o ti­me “y” te­ve to­dos os mé­ri­tos, se ar­mou bem, etc, etc. Nin­guém se “con­tra­diz” , ape­nas “com­ple­men­ta opi­niões”. Acho meio cha­to. Acho que fal­ta mais co­nhe­ci­men­to, fal­ta exer­ci­tar a cu­ri­o­si­da­de e en­ca­rar os de­mais es­por­tes co­mo coi­sa tam­bém mui­to im­por­tan­te. Cla­ro que exis­tem ex­ce­ções, com gen­te mui­to boa por aí, co­mo Ju­ca Kfou­ri, Ar­man­do No­guei­ra e o pró­prio Jo­sé Tra­ja­no. Por ou­tro la­do, ve­jo com pe­sar au­men­tar o nú­me­ro de pro­fis­si­o­nais mais in­te­res­sa­dos em fa­tu­rar que em in­for­mar.

Vo­cê tra­ba­lhou um bom tem­po di­an­te das câ­me­ras. Não sen­te fal­ta do ví­deo?

Sin­to e, de vez em quan­do, eu mes­ma me es­ca­lo pa­ra fa­zer al­gu­mas co­ber­tu­ras. Re­cen­te­men­te, es­ti­ve em Cu­ri­ti­ba e no Rio de Ja­nei­ro, co­brin­do com­pe­ti­ções se­le­ti­vas pa­ra a olim­pía­da de Ate­nas. An­tes, es­ti­ve aí mes­mo em Bau­ru, fa­zen­do uma ma­té­ria pa­ra o So­ci­al Clu­be. E as­sim vai. Sem­pre que pos­so, vol­to pa­ra a rua.

Aliás, quan­do se fa­la em tra­ba­lhar em TV, a pri­mei­ra coi­sa que vem à ca­be­ça das pes­so­as, mes­mo jor­na­lis­tas e es­tu­dan­tes, é o ví­deo. Mas atrás das câ­me­ras há tam­bém um vas­to ter­ri­tó­rio a ser ex­plo­ra­do, vo­cê não acha?

Vas­tís­si­mo e, mui­tas ve­zes, mui­to mais im­por­tan­te. Edi­to­res de tex­to, che­fes de re­por­ta­gem, pro­du­to­res de pau­ta, edi­to­res-che­fes, são ape­nas al­gu­mas das fun­ções exer­ci­das por aque­les for­ma­dos em jor­na­lis­mo. Os que têm re­gis­tro de ra­di­a­lis­ta tam­bém exer­cem fun­ções mui­to im­por­tan­tes nu­ma TV, des­de pro­du­to­res in­ter­nos ou ex­ter­nos, até edi­to­res de ima­gem, ope­ra­do­res téc­ni­cos, etc. O que mui­ta gen­te não sa­be é que, mui­tas ve­zes, são es­tes pro­fis­si­o­nais que “sal­vam” o ma­te­ri­al que o re­pór­ter traz da rua. Num ní­vel hi­e­rár­qui­co um pou­co mais ele­va­do, são os che­fes de re­da­ção e os di­re­to­res de jor­na­lis­mo que pen­sam, di­re­ci­o­nam e cri­am as no­vas atra­ções de um ca­nal. E é fun­ção des­tes pro­fis­si­o­nais tam­bém, que ge­ral­men­te têm uma am­pla ex­pe­ri­ên­cia an­te­ri­or, en­xer­gar a emis­so­ra no mer­ca­do e en­ten­der a con­cor­rên­cia, en­tre ou­tras fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas.

Pa­ra os es­tu­dan­tes que pen­sam em tra­ba­lhar em TV, quais as di­cas que vo­cê po­de pas­sar?

Ler. Sem pre­gui­ça, sem te­mas es­pe­cí­fi­cos e sem pre­con­cei­tos. Ler, co­nhe­cer, au­men­tar o co­nhe­ci­men­to ge­ral. É im­pres­si­o­nan­te o nú­me­ro de re­cém-for­ma­dos que me pro­cu­ram ou en­vi­am cur­rí­cu­los on­de abun­dam er­ros gra­ma­ti­cais, de con­cor­dân­cia, etc. Du­ran­te en­tre­vis­tas, é co­mum os can­di­da­tos não sa­be­rem con­du­zir uma con­ver­sa por mais de cin­co mi­nu­tos. É tris­te, mas é a re­a­li­da­de.

O ti­me da ESPN Bra­sil, do qual vo­cê faz par­te, é re­al­men­te um ti­ma­ço. Co­mo é con­vi­ver com tan­tos pro­fis­si­o­nais que na mai­o­ria das ve­zes têm opi­niões for­tes e po­lê­mi­cas? Há al­gum acon­te­ci­men­to cu­ri­o­so atra­vés do qual vo­cê pos­sa re­tra­tar es­se co­ti­di­a­no?

A con­vi­vên­cia é tranqüi­la, com as ex­plo­sões es­pe­ra­das num am­bi­en­te co­mo es­se. Mas é um am­bi­en­te al­ta­men­te cri­a­ti­vo, sem­pre de mui­ta con­ver­sa, dis­cus­são, in­ven­ção de no­vos pro­gra­mas, no­vos for­ma­tos, etc. É um am­bi­en­te de­mo­crá­ti­co, éti­co, ge­ne­ro­so e so­li­dá­rio no ge­ral. Na ex­ce­ção, às ve­zes acon­te­cem al­guns con­fron­tos, co­mo é de se es­pe­rar que acon­te­ça em qual­quer lu­gar on­de con­vi­vam mais que um ser hu­ma­no.

Sua vi­da é mui­to cor­ri­da? Co­mo vo­cê li­da com as pres­sões do dia-a-dia jor­na­lís­ti­co nu­ma ci­da­de que tam­bém é na­tu­ral­men­te ner­vo­sa?

Mi­nha vi­da é cor­ri­da, mas ho­je te­nho sor­te de po­der fu­gir pe­lo me­nos do mai­or cau­sa­dor de es­tress aqui em São Pau­lo, que é o trân­si­to. Ho­je pos­so tra­ba­lhar em ho­rá­ri­os on­de não pe­go aque­les in­ter­mi­ná­veis con­ges­ti­o­na­men­tos, e só is­so já é um gran­de alí­vio. Mas o ner­vo­sis­mo, a in­qui­e­ta­ção, a an­si­e­da­de da me­tró­po­le, são al­ta­men­te con­ta­gi­o­sos. A saí­da é bus­car op­ções mais re­la­xan­tes. Fa­ço me­di­ta­ção e yo­ga, tra­ba­lho com as mãos, com meu ar­te­sa­na­ti­nho, es­cre­vo umas bo­ba­gens, e sem­pre to­mo uns cho­pi­nhos, por­que, afi­nal, é mui­to im­por­tan­te man­ter a hi­dra­ta­ção cor­po­ral...

Vo­cê tem sau­da­des de sua épo­ca de te­le­vi­são do in­te­ri­or, quan­do seu no­me era sinô­ni­mo de no­tí­cia no oes­te pau­lis­ta? Há al­gum fa­to mar­can­te da­que­la épo­ca?

Eu es­tou na­que­la fa­se da vi­da em que sem­pre pen­so: se eu sou­bes­se o que sei ho­je na­que­le tem­po... Mas é uma con­tra­di­ção, é cla­ro, por­que a vi­da é as­sim mes­mo, um apren­di­za­do con­tí­nuo. A ca­da ex­pe­ri­ên­cia, a gen­te apren­de no­vas li­ções. Acho que te­nho sor­te, por­que to­das as li­ções que apren­di fo­ram de for­ma fá­cil, sem so­fri­men­to mai­or que o ne­ces­sá­rio na opor­tu­ni­da­de. Eu não sin­to sau­da­des do meu tem­po na TV do in­te­ri­or, mas me lem­bro mui­to co­mo eram aque­les tem­pos, de cons­tan­te des­co­ber­ta. Ho­je, com tan­to tem­po de es­tra­da, os pro­ble­mas ou as so­lu­ções são qua­se sem­pre pre­vi­sí­veis. E se im­pre­vis­tos acon­te­cem, eles já não pro­vo­cam tan­ta ar­rit­mia co­mo an­ti­ga­men­te, por­que eu sei que, de uma for­ma ou de ou­tra, a so­lu­ção se­rá en­con­tra­da. Dos meus tem­pos em Bau­ru, me lem­bro mui­to bem, pri­mei­ro, do meu es­pan­to ao me ver re­co­nhe­ci­da em to­dos os lu­ga­res que ia. Me lem­bro tam­bém de ter fei­to al­gu­mas ma­té­ri­as bem in­te­res­san­tes, co­mo uma en­tre­vis­ta com o en­tão pre­si­den­te Fi­guei­re­do, quan­do fu­rei a se­gu­ran­ça e bo­tei o mi­cro­fo­ne na fren­te do ca­ra, e de uma ou­tra en­tre­vis­ta mui­to le­gal com uma mu­lher de Bo­tu­ca­tu. Era o Ano In­ter­na­ci­o­nal da Pes­soa De­fi­ci­en­te, e es­ta mu­lher não ti­nha nem os bra­ços nem as per­nas. Ain­da as­sim era pro­fes­so­ra, ti­nha mui­tos ami­gos, um in­crí­vel apoio da fa­mí­lia e uma enor­me ale­gria de vi­ver. A ma­té­ria en­trou no Jor­nal Na­ci­o­nal, e foi cer­ta­men­te uma das mais mar­can­tes da mi­nha car­rei­ra aí no in­te­ri­or.

Ain­da fa­lan­do em fa­tos mar­can­tes, nes­ses anos to­dos de pro­fis­são quais fo­ram os gran­des mo­men­tos de sua vi­da pro­fis­si­o­nal? Quer ci­tar tam­bém um de­cep­ci­o­nan­te?

Os mo­men­tos mais mar­can­tes fo­ram cer­ta­men­te a co­ber­tu­ras das qua­tro olim­pía­das: 1984, em Los An­ge­les, 1988, em Seul, 1992, em Bar­ce­lo­na, e 2000, em Syd­ney. Os Jo­gos Olím­pi­cos são, pa­ra mim, a mai­or e me­lhor com­pe­ti­ção do mun­do. Em Los An­ge­les, acon­te­ceu um fa­to ines­que­cí­vel. Era mi­nha pri­mei­ra olim­pía­da, mas eu vi­nha acom­pa­nhan­do os atle­tas bra­si­lei­ros há al­gum tem­po. Lá foi a pri­mei­ra vez que se usou al­go pa­re­ci­do com e-mail co­le­ti­vo. A IBM ha­via im­plan­ta­do um sis­te­ma on­de era pos­sí­vel to­das as pes­so­as cre­den­ci­a­das man­da­rem men­sa­gens umas pa­ra as ou­tras. Jo­a­quim Cruz ha­via ga­nho a me­da­lha de ou­ro nos 800 me­tros, e ha­via pas­sa­do sem pro­ble­mas pe­las eli­mi­na­tó­ri­as dos 1500m. A fi­nal dos 1.500 es­ta­va mar­ca­da pa­ra aque­la tar­de. A TV Glo­bo iria trans­mi­tir ao vi­vo, com Os­mar (San­tos, lo­cu­tor es­por­ti­vo) .... Eu já es­ta­va in­do pa­ra o ho­tel, de­pois de ter tra­ba­lha­do de ma­nhã, quan­do re­sol­vi che­car mi­nhas men­sa­gens. E qual não foi mi­nha sur­pre­sa quan­do en­con­trei uma men­sa­gem do pró­prio Jo­a­quim Cruz, me avi­san­do e pe­din­do pa­ra avi­sar aos ou­tros que ele não dis­pu­ta­ria a fi­nal por­que es­ta­va com uma for­te gri­pe. Foi in­crí­vel, por­que nin­guém sa­bia até en­tão. E ou­tro mo­men­to mui­to le­gal foi a me­da­lha de ou­ro do vô­lei mas­cu­li­no em Bar­ce­lo­na. E mais um mon­te... tan­tos que eu gas­ta­ria pá­gi­nas e pá­gi­nas pa­ra con­tar.

Quais as prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre o dia-a-dia do tra­ba­lho na TV aber­ta e na TV pa­ga?

Na TV aber­ta, o es­por­te é um de­par­ta­men­to, uma edi­to­ria do jor­na­lis­mo. Na TV pa­ga, o es­por­te é a al­ma do ca­nal. Nos­so re­la­ci­o­na­men­to in­ter­no tam­bém é mais light, por­que as pres­sões com ibo­pe, au­di­ên­cia, são mui­to me­no­res. Nos­sa con­cor­rên­cia é me­nor, mas ain­da as­sim exis­te. A gen­te sem­pre fa­la aqui tam­bém que às ve­zes pa­re­ce que vi­ve­mos num ou­tro mun­do, mais ba­ca­na, por­que nun­ca te­mos de mos­trar re­por­ta­gens so­bre ti­ro­tei­os, ba­las per­di­das, seqües­tros, guer­ras, etc. Nos­sa TV é de es­por­tes, e pon­to. Só que is­so não nos ti­ra a pers­pec­ti­va de mun­do, e co­lo­ca­mos o es­por­te num con­tex­to bem mai­or que o das qua­tro li­nhas. Já fi­ze­mos do­cu­men­tá­ri­os so­bre Fu­te­bol & Mú­si­ca, Fu­te­bol & Li­te­ra­tu­ra, Es­pe­ci­ais com Chi­co Bu­ar­que, etc, além do pró­prio pro­gra­ma So­ci­al Clu­be, que mos­tra ini­ci­a­ti­vas que me­lho­ram a vi­da das pes­so­as atra­vés de pro­je­tos es­por­ti­vos.

E o Bar Im­pren­sa, em Bau­ru, qual é a sua par­ti­ci­pa­ção. Há no­vos pla­nos pa­ra ele?

Sou só­cia do bar, jun­to com mi­nha ir­mã Ana e meu cu­nha­do Pau­lo. Mas eles é que to­cam de ver­da­de, tra­ba­lham o dia-a-dia e de­ci­dem o que de­ve ser fei­to. Eu aju­do sem­pre que pos­so. E es­ta­mos sem­pre pen­san­do em no­vas atra­ções pa­ra o pes­so­al que vai lá. Mês que vem, ju­nho, se­rá to­do de­di­ca­do a Chi­co Bu­ar­que, que vai com­ple­tar 60 anos no dia 19. Vai ter mú­si­ca to­das as se­ma­nas, sor­tei­os de DVDs, li­vros, etc. Gos­tei mui­to da idéia da bi­bli­o­te­ca. Tem um ar­má­rio lá cheio de li­vros, que o pes­so­al po­de le­var em­pres­ta­do e de­pois de­vol­ver. Va­mos tam­bém inau­gu­rar uma pe­que­na se­ção de pre­sen­tes. Vem no­vi­da­de por aí...

Compartilhe