Eli­a­ne Ca­lix­to
Es­pe­ci­al pa­ra o blog

Por que Cu­ba? Des­de que de­ci­di vi­a­jar pa­ra aque­le país nas mi­nhas fé­ri­as, es­sa foi a per­gun­ta que mais me fi­ze­ram. Al­guns ami­gos fa­la­vam: “Cu­ba é um país mi­se­rá­vel, sem es­tru­tu­ra pra re­ce­ber tu­ris­ta e, se bo­be­ar, vo­cê vai ter que le­var até pa­pel hi­gi­ê­ni­co na ma­la”. De uma cer­ta ma­nei­ra, eles ti­nham ra­zão...

Lem­bro-me de ter ido a al­guns ba­res e res­tau­ran­tes de Ha­va­na, on­de não en­con­trei nem pa­pel nem sa­bo­ne­te nos ba­nhei­ros. Mas pra mim, is­so não pas­sou de um pe­que­no de­ta­lhe que, de­fi­ni­ti­va­men­te, me in­co­mo­dou mui­to pou­co. E so­bre a mi­sé­ria, re­al­men­te en­con­trei, em ple­na ca­pi­tal, mui­tas cons­tru­ções em ruí­nas que, ao in­vés de se­rem de­mo­li­das, es­tão ser­vin­do de ha­bi­ta­ção pa­ra a mai­o­ria dos cu­ba­nos.

Fi­quei im­pres­si­o­na­da com a quan­ti­da­de de na­ti­vos abor­dan­do os tu­ris­tas atrás de itens bá­si­cos co­mo sa­bão, sa­bo­ne­te... E as cri­an­ças que­ren­do ca­ra­me­los. E não era só nas ru­as que is­so acon­te­cia...

No ho­tel on­de fi­quei hos­pe­da­da, o Tri­tón (um 4 es­tre­las), as ca­ma­rei­ras sem­pre en­con­tra­vam um jei­ti­nho de abor­dar os es­tran­gei­ros. Elo­gi­a­vam nos­sas rou­pas, sa­pa­tos, ca­be­lo e per­gun­ta­vam se não tí­nha­mos al­go pa­ra dar. Tu­do pa­re­cia no­vo e fas­ci­nan­te pa­ra aque­las mu­lhe­res que têm tão pou­co aces­so às no­vi­da­des e in­for­ma­ções que o mun­do po­de ofe­re­cer. Li­te­ral­men­te “ilha­das”, é o que me pa­re­ceu, mas se­den­tas por coi­sas di­fe­ren­tes tra­zi­das pe­los tu­ris­tas.

Umas das fun­ci­o­ná­ri­as do ho­tel, uma se­nho­ra mui­to sim­pá­ti­ca com quem me en­con­tra­va to­dos os di­as, vi­via me per­gun­tan­do so­bre os pro­du­tos que eu pas­sa­va pa­ra co­lo­rir os meus ca­be­los, so­bre a mo­da no Bra­sil, que­ria sa­ber se eu não ti­nha tra­zi­do na ma­la al­gu­ma re­vis­ta fe­mi­ni­na. In­fe­liz­men­te, não ha­via le­va­do mui­tas pu­bli­ca­ções do gê­ne­ro na mi­nha ba­ga­gem.

Mas além de pe­di­rem coi­sas, os cu­ba­nos de­sen­vol­ve­ram ou­tra for­ma de ga­nhar uma gra­na ex­tra e au­men­tar o or­ça­men­to do­més­ti­co (sem fa­lar na pros­ti­tui­ção: é mui­to co­mum en­con­trar, prin­ci­pal­men­te na noi­te, ho­mens e mu­lhe­res cu­ba­nos “acom­pa­nhan­do” tu­ris­tas). Eles se ves­tem com tra­jes tí­pi­cos da cul­tu­ra cu­ba­na – mui­tas co­res, es­tam­pas e flo­res – e po­sam pa­ra as câ­me­ras fo­to­grá­fi­cas de mi­lha­res de es­tran­gei­ros que vi­si­tam Ha­va­na ao lon­go de to­do ano. E co­bram 1 dó­lar por is­so. E é mui­to en­gra­ça­do, pois pra on­de eu apon­ta­va a mi­nha câ­me­ra, ti­nha um cu­ba­no fa­zen­do um ges­to com o de­do in­di­can­do 1 dó­lar.

Mas a vi­da de­les não é tão ruim. Afi­nal, o sis­te­ma so­ci­a­lis­ta lhes pro­por­ci­o­na mo­ra­dia, saú­de e edu­ca­ção de gra­ça. Pa­re­ce óti­mo, mas uma guia de tu­ris­mo lo­cal me dis­se: “Mas com os 7 dó­la­res que ga­nha­mos em mé­dia, por se­ma­na, mal con­se­gui­mos pa­gar a co­mi­da, trans­por­te, água e luz. To­dos em ca­sa tra­ba­lha­mos pa­ra so­bre­vi­ver!”.

Quan­to ao tu­ris­mo, acho que os cu­ba­nos ain­da vão pre­ci­sar de al­guns anos a mais pa­ra apren­de­ram a li­dar com is­so. Em al­guns ba­res po­pu­la­res, em Ha­va­na Vi­e­ja, che­guei a es­pe­rar qua­se 1 ho­ra pe­lo meu pe­di­do e mais meia ho­ra pe­lo ca­fe­zi­nho e ou­tra meia ho­ra a mais pe­la con­ta. Mas a co­mi­da é boa! À ba­se de car­ne de por­co, ar­roz e fei­jão pre­to.

Fi­quei sur­pre­sa ao cons­ta­tar que exis­te uma Cu­ba pa­ra os cu­ba­nos e ou­tra pa­ra os es­tran­gei­ros. En­quan­to a gen­te se di­ver­te, eles tra­ba­lham. Vi­si­tei al­gu­mas fá­bri­cas de fu­mo (não di­ga cha­ru­to, pois lá is­so po­de sig­ni­fi­car ma­co­nha. Eles cha­mam de ha­va­no ou pu­ro) e des­co­bri, pe­los pró­pri­os tra­ba­lha­do­res da­li, o quan­to a ro­ti­na é des­gas­tan­te: na­da de fe­ri­a­dos nem fi­nal de se­ma­na. Na pa­re­de, fra­ses de Fi­del: “Ser po­bre é ser ho­nes­to. Nun­ca traia sua pá­tria e Fi­del nun­ca te trai­rá”. A fa­mo­sa fra­se de Che Gue­va­ra: “Has­ta la vi­tó­ria, si­em­pre! (Até a vi­tó­ria, sem­pre!) tam­bém era es­tam­pa­da em mui­tos lu­ga­res.

Cu­ba­nos só tra­ba­lhan­do? Nos ca­ba­rés e ca­sas no­tur­nas que fui, só da­va tu­ris­ta e olha que nem es­co­lhi aque­les lu­ga­res mais fa­mo­sos pra freqüen­tar: fui ao Ha­va­na Li­bre, por exem­plo, uma dis­co­te­ca ti­da co­mo po­pu­lar, mas só en­con­trei cu­ba­nos ser­vin­do be­bi­das no bar, tra­ba­lhan­do co­mo se­gu­ran­ça e can­tan­do e dan­çan­do, mas no pal­co... Na pis­ta, grin­gos pra tu­do quan­to é la­do.

É ló­gi­co que o po­vo cu­ba­no de­ve ter seus lu­ga­res pre­di­le­tos pa­ra dan­çar e se di­ver­tir e, tal­vez, os lo­cais que eu te­nha es­co­lhi­do pa­ra ir es­te­jam fo­ra do po­der aqui­si­ti­vo de­les. Afi­nal, pa­gar 4 dó­la­res pa­ra se be­ber um mo­ji­to (be­bi­da tí­pi­ca cu­ba­na fei­ta à ba­se de rum, li­mão e fo­lhas de hor­te­lã), só tu­ris­ta mes­mo pra ban­car.

Mas fa­lan­do em dan­ça, nos­sa! Co­mo os cu­ba­nos dan­çam, hein? Sal­sa, me­ren­gue, rum­ba, bo­le­ro... Era de ti­rar o fô­le­go! A or­ques­tra era sem­pre for­ma­da de ma­ra­cas, vi­o­lão e bongôs. No vo­cal, ho­mens e mu­lhe­res se di­vi­di­am na apre­sen­ta­ção, dan­do um show de afi­na­ção e en­tu­si­as­mo! Era im­pos­sí­vel fi­car de fo­ra da­que­le cli­ma ale­gre e fes­ti­vo.

Ah, Cu­ba! Be­las prai­as (não dei­xe de vi­si­tar Va­ra­de­ro pra ver o mar do Ca­ri­be), uma cul­tu­ra ri­ca, um po­vo hos­pi­ta­lei­ro... Mes­mo di­an­te da mi­sé­ria, tan­ta ri­que­za hu­ma­na... Por es­sas e ou­tras que­ro vol­tar um dia a Cu­ba. Mas gos­ta­ria de en­con­trar uma si­tu­a­ção de vi­da mais dig­na pros cu­ba­nos, coi­sa que aqui no Bra­sil tam­bém so­nho ver um dia!

Compartilhe