Contos

Atrás da parede

terça-feira, 27 de abril de 2004 Texto de

O olhar de de­sa­pro­va­ção da mãe aus­te­ra fu­zi­lou-o por um ins­tan­te, re­pe­lin­do seu ím­pe­to de lan­çar-se so­bre o so­fá pa­ra al­can­çar a vi­dra­ça, de on­de fi­nal­men­te di­vi­sa­ria a rua lá fo­ra. Re­sig­na­do, vol­tou-se ao ma­nu­seio do vi­de­o­ga­me, aban­do­nan­do, ao me­nos por um tem­po, a idéia que o per­se­guia e pre­en­chia to­do o seu ser de um ex­tem­po­râ­neo pra­zer.

Há pou­co, al­guém fric­ci­o­na­ra, en­quan­to ca­mi­nha­va di­an­te da ca­sa, um ti­po de me­tal con­tra os fer­ros da gra­de al­ta, cheia de ex­tre­mi­da­des pon­ti­a­gu­das, que se­pa­ra­va a va­ran­da de pi­so co­lo­ri­do da cal­ça­da de la­dri­lhos ju­di­a­dos. O ruí­do é que o ha­via des­per­ta­do. Mo­ra­va num bair­ro de ra­zoá­vel es­tru­tu­ra, em­bo­ra ape­nas pe­ri­fé­ri­co. Os car­ros pas­sa­vam com cer­ta freqüên­cia, mas ro­da­vam len­tos, atra­ves­san­do os pa­ra­le­le­pí­pe­dos ir­re­gu­la­res e dei­xan­do atrás de si um ruí­do sur­do e o chei­ro de com­bus­tí­vel. Os cães vi­ra-la­tas tam­bém exer­ci­am seu sa­gra­do di­rei­to de ir e vir, iden­ti­fi­can­do-se in­va­ri­a­vel­men­te com la­ti­dos pre­gui­ço­sos e, qua­se sem­pre, sem mui­to sen­ti­do. Cin­co mi­nu­tos cor­re­ram des­de a ten­ta­ti­va frus­tra­da, e a mãe, en­tão, vol­tou pa­ra es­piá-lo. Ele con­ti­nu­a­va lá. A mu­lher cer­ti­fi­ca­ra-se de que es­ta­va tu­do em or­dem.

Al­go, en­tre­tan­to, in­co­mo­da­va-o. Tra­ta­va-se, en­fim, de uma es­tra­nha sau­da­de. Es­tra­nha por­que ja­mais po­de­ria ex­pli­cá-la se o cha­mas­sem a es­sa ta­re­fa. Co­mo se po­de ter sau­da­de do que nun­ca se vi­veu? Eis que, de al­gu­ma for­ma, a per­gun­ta que lhe sur­giu à men­te, tal­vez por um es­for­ço si­len­ci­o­so do sub­cons­ci­en­te, res­ga­tou-o da ta­ci­tur­ni­da­de. Sen­ta­do so­bre o ta­pe­te de fel­pas com­ba­li­das, jo­gou de la­do o con­tro­le-re­mo­to, des­can­sou o pes­co­ço so­bre o es­to­fa­do e pôs-se a ima­gi­nar. Ima­gi­nou o som das bi­ci­cle­tas ran­gen­do su­as cor­ren­tes, pas­sos lé­pi­dos de mo­le­ques cor­ren­do atrás da bo­la de cou­ro, um pa­la­vrão de cri­an­ça si­bi­lan­do en­tre os mu­ros, as ro­das dos ska­tes cho­can­do-se ás­pe­ras con­tra o ci­men­to, o ru­mor de pais cau­te­lo­sos re­pri­min­do ex­ces­sos pu­e­ris. Ab­sor­to em seus agra­dá­veis de­va­nei­os, não se aper­ce­beu da fu­gaz pre­sen­ça ma­ter­na: mais uma es­pi­a­da na se­gu­ran­ça do fi­lho, de no­vo sa­tis­fei­ta por cons­ta­tar que tu­do ia mui­to bem.

Sem he­si­tar, ou­sou um pou­co mais no uni­ver­so da­que­les so­nhos go­za­dos. En­fi­ou-se a jo­gar bo­la, ro­do­pi­ou du­as ou três ve­zes com a bi­ci­cle­ta, di­ver­tiu-se ou­vin­do os ber­ros da mãe con­tra­ri­a­da com a al­ga­zar­ra da rua, ra­lou o co­to­ve­lo ao des­pen­car do ska­te. Nis­so, re­tor­nan­do à cons­ci­ên­cia, deu-se con­ta de que se caís­se de ver­da­de, ga­nha­ria o pri­mei­ro cu­ra­ti­vo de sua pe­le vir­gem, o pri­mei­ro san­gue li­ber­ta­do de sua apá­ti­ca so­li­dão. Abra­çou a si mes­mo, son­dan­do com as mãos os co­to­ve­los, en­quan­to um in­con­tro­lá­vel de­se­jo va­ra­va-lhe as en­tra­nhas, ace­le­ran­do-lhe bru­tal­men­te as ba­ti­das do co­ra­ção e ins­ti­gan­do-o a aten­der à sua pre­ci­são vo­raz. De­ci­di­do, er­gueu-se e, in­di­fe­ren­te às ame­a­ças da mãe cui­da­do­sa, afun­dou os pés des­cal­ços no so­fá, agar­rou-se ao gra­dil da ja­ne­la en­tre­a­ber­ta e, en­tre­gan­do-se a uma in­ten­sa fe­li­ci­da­de, ena­mo­rou-se do dia ra­di­an­te lá fo­ra e da bri­sa mor­na da­que­le co­me­ço de ve­rão. Pô­de mes­mo ima­gi­nar o lar­go ho­ri­zon­te que se es­con­de atrás de ca­da pa­re­de dis­pos­ta à nos­sa fren­te. Ma­tou as­sim sua es­tra­nha sau­da­de e, em­bo­ra a rua es­ti­ves­se va­zia - sem cri­an­ças, sem bo­la ou bi­ci­cle­tas -, seu pei­to en­cheu-se de um ar no­vo.

Compartilhe