Dou au­la de jor­na­lis­mo pa­ra cin­co tur­mas, na Unesp-Bau­ru e no IMES-FAFICA, em Ca­tan­du­va. São cen­to e pou­cos es­tu­dan­tes de pri­mei­ro, ter­cei­ro e quar­to anos. Na­tu­ral­men­te, há in­ten­sas di­fe­ren­ças en­tre eles: fai­xa-etá­ria, es­tá­gio de gra­du­a­ção, ori­gem ge­o­grá­fi­ca, ori­gem so­ci­al, ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas, for­ma­ção cul­tu­ral e por aí afo­ra. Mas há al­go cu­ri­o­so que os reú­ne em tor­no de uma qua­se una­ni­mi­da­de: des­de já, an­tes mes­mo de pi­sa­rem no de­se­ja­do e te­mi­do mer­ca­do de tra­ba­lho, eles acre­di­tam re­li­gi­o­sa­men­te que se­rão par­te de um sis­te­ma em que o jor­na­lis­ta di­fi­cil­men­te es­ca­pa das ma­no­bras do po­der: o po­der econô­mi­co, o po­der po­lí­ti­co, o po­der lo­ca­li­za­do de quem con­tro­la o veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção. Se­rá que eles têm ra­zão?

Re­cen­te­men­te, em meio a uma au­la ex­po­si­ti­va so­bre téc­ni­cas re­da­ci­o­nais pa­ra o pri­mei­ro ano, uni­ver­so em que ge­ral­men­te mal se sa­be ain­da es­cre­ver um tex­to jor­na­lís­ti­co, um dos alu­nos per­gun­tou-me o se­guin­te: “mas aí não en­tra tam­bém o in­te­res­se do veí­cu­lo?”. Es­tá cer­to que pa­ra o apren­di­za­do do jor­na­lis­mo é ne­ces­sá­rio um ele­va­do grau de cons­ci­ên­cia a res­pei­to do meio, mas es­sa pre­o­cu­pa­ção não se­ria pre­co­ce? Per­gun­to ain­da: aos es­tu­dan­tes em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos do cur­so, que vi­vem de cer­ta for­ma re­sig­na­dos di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de se tor­na­rem re­féns de uma di­ta­du­ra do mer­ca­do, não se­ria ne­ces­sá­rio acre­di­tar que há ma­nei­ras de so­bre­vi­ver, com éti­ca e pro­fis­si­o­na­lis­mo, às ma­ze­las da pro­fis­são?

Ou­tro dia, re­ce­bi um e-mail do ami­go e co­le­ga De­nil­son Mô­na­co que tra­zia uma men­sa­gem su­ges­ti­va, al­go as­sim: “ele não sa­bia que era im­pos­sí­vel, por is­so foi lá e fez”. Se­rá que de tan­to ima­gi­nar e dar por cer­ta a opres­são pro­fis­si­o­nal, o es­tu­dan­te não co­la­bo­ra pa­ra sua con­cre­ti­za­ção? Cla­ro, não sou in­gê­nuo. Es­cu­sos ou le­gí­ti­mos, elei­to­rais ou ide­o­ló­gi­cos, econô­mi­cos ou pes­so­ais, os in­te­res­ses dos veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção, mes­mo que se­jam ape­nas pa­ra ga­ran­tir sua so­bre­vi­vên­cia no mer­ca­do, exis­tem. Mas não se po­de ad­mi­tir es­se fa­to co­mo en­tra­ve a uma atu­a­ção jor­na­lís­ti­ca que pro­cu­re sus­ten­ta­ção no pa­pel so­ci­al pa­ra o qual foi in­ven­ta­do o jor­na­lis­mo. Es­tou cer­to? Não sei. Tal­vez me cha­mem de ro­mân­ti­co por is­so. Se as­sim o for, adi­an­to já: is­to mes­mo é o que sou!

Te­nho vin­te e pou­cos anos de es­tra­da. En­fren­tei e ain­da en­fren­to per­cal­ços ine­ren­tes ao meio. Já so­fri ame­a­ças fí­si­cas e de mor­te, al­go co­mum pa­ra os jor­na­lis­tas. En­tre­tan­to, con­fes­so, os epi­só­di­os que mais me mar­ca­ram fo­ram os que en­vol­ve­ram mi­nha re­la­ção com al­guns veí­cu­los por on­de pas­sei. Cer­ta vez, de­pois de uma dis­cus­são ás­pe­ra, um po­lí­ti­co pe­diu mi­nha ca­be­ça à di­re­ção da em­pre­sa. Não me de­mi­ti­ram, mas tam­bém não me apoi­a­ram. Re­sul­ta­do: caí fo­ra por con­ta pró­pria. Em ou­tra oca­sião, ques­ti­o­na­ram a qua­li­da­de de meu tra­ba­lho por­que, na fun­ção de che­fia, não aten­di a um in­te­res­se es­pe­cí­fi­co de um dos pro­pri­e­tá­ri­os do veí­cu­lo. Pois bem: até lo­go, se­nho­res. Tam­bém me lem­bro de al­go en­gra­ça­do: a Edi­to­ra Abril, no co­me­ço dos anos 1990, não que­ria gra­far Már­cio ABC nas ma­té­ri­as as­si­na­das por mim. Que­ria es­pe­ci­fi­car meu so­bre­no­me. Es­cu­ta aqui, Edi­to­ra Abril, meu no­me de guer­ra é es­se! Ou é as­sim ou não é de jei­to ne­nhum! Ti­ve tam­bém óti­mos am­bi­en­tes de tra­ba­lho, in­cluin­do a re­la­ção, que sem­pre é de­li­ca­da, com a di­re­ção des­sas em­pre­sas. Mui­tos fo­ram os em­ba­tes, al­guns com re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, ou­tros não. En­fim, é a vi­da, não é mes­mo?

Per­ce­ber em boa par­te dos es­tu­dan­tes de jor­na­lis­mo uma apa­ren­te re­sig­na­ção me cau­sa pre­o­cu­pa­ção. Se­rão eles os res­pon­sá­veis pe­las in­for­ma­ções que nos che­ga­rão da­qui a pou­co. Que­ro ima­gi­nar que den­tro das re­da­ções, on­de even­tu­al­men­te ocor­ra o que va­mos cha­mar de di­ta­du­ra de in­te­res­ses, pos­sa sem­pre ha­ver pro­fis­si­o­nais com­pe­ne­tra­dos em com­ba­tê-la. Que­ro ima­gi­nar que, em meio à po­bre­za éti­ca que atu­al­men­te fe­re nos­sa so­ci­e­da­de, in­cluin­do nos­sa pró­pria pro­fis­são, ha­ja jor­na­lis­tas ca­pa­zes de sa­car a ar­ma mais po­de­ro­sa que um ho­mem já pô­de so­nhar: sua mo­ral, que na­da mais é do que a pró­pria éti­ca, tão es­cas­sa, co­mo eu já dis­se. Es­se que­si­to, mes­mo co­mo atri­bu­to úni­co, é ca­paz de com­por nos­so mais ri­co pa­trimô­nio. E de­le não de­ve­mos nos es­qui­var ja­mais. Mas, ca­ros es­tu­dan­tes e co­le­gas, só po­de­mos usar es­sa ar­ma se ne­la acre­di­tar­mos. Vo­cês con­cor­dam?

Compartilhe