Crônicas

Cruz

segunda-feira, 19 de abril de 2004 Texto de

Nos di­as em que Tan­cre­do Ne­ves ago­ni­za­va no In­cor, em São Pau­lo, uma fi­lei­ra de po­pu­la­res pos­ta­va-se di­an­te da en­tra­da do hos­pi­tal pa­ra acom­pa­nhar as no­tí­ci­as fres­cas e o tra­ba­lho dos jor­na­lis­tas, es­pe­ci­al­men­te o dos re­pór­te­res de te­le­vi­são. Pro­fis­si­o­nais que es­ti­ve­ram lá con­tam que as pes­so­as aguar­da­vam as en­tra­das ao vi­vo das emis­so­ras pa­ra de­sa­bar em pran­tos. Acho que não fa­zi­am al­go as­sim vo­lun­ta­ri­a­men­te. A te­le­vi­são cos­tu­ma, nes­sas ho­ras, fa­zer de­sa­bro­char nos mais du­ros a flor ma­cia da sen­si­bi­li­da­de.

Lem­brei-me des­se as­sun­to no úl­ti­mo sá­ba­do, quan­do fui ver o fa­mo­so fil­me de Mel Gib­son. “A Pai­xão de Cris­to”, den­tro de mi­nha ru­de (in)formação na ar­te ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, é um fil­me cu­ja via cru­cis vai do ra­zoá­vel ao bom. Acho exa­ge­ra­das as con­si­de­ra­ções a res­pei­to das con­seqüên­ci­as do pos­sí­vel ca­rá­ter an­ti-se­mi­ta. Mes­mo que o fil­me lan­ce so­bre os ju­deus a de­ci­são pe­la cru­ci­fi­ca­ção de Cris­to, e ao mes­mo tem­po mos­tre um Pi­la­tos pra lá de po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, li­vran­do os ro­ma­nos de qual­quer cul­pa, não con­si­de­ro sen­sa­to con­cluir que is­so po­de acir­rar ou acen­der qual­quer ti­po de ódio con­tra os ju­deus.

As re­li­giões e seus sa­cer­do­tes de­sen­ca­de­a­ram, atra­vés da his­tó­ria, as mais ab­sur­das e san­gren­tas opres­sões às quais já foi sub­me­ti­do o ser hu­ma­no. Tal­vez to­das as re­li­giões te­nham su­as pá­gi­nas ver­me­lhas de san­gue. Tal­vez to­das te­nham su­as mar­cas de gra­ves equí­vo­cos. Mas di­fi­cil­men­te em al­gu­ma des­sas oca­siões a gran­de mas­sa de fiéis dei­xou de ser ma­no­bra­da por meia dú­zia de man­da­tá­ri­os que sem­pre se lo­cu­ple­tam, em to­dos os sen­ti­dos, com o que su­gam de seus gran­des re­ba­nhos.

Daí mi­nha con­clu­são de que é exa­ge­ro te­mer qual­quer on­da de ódio, an­ti­pa­tia ou coi­sas do ti­po con­tra os ju­deus. Se re­al­men­te aque­les ga­tos pin­ga­dos que o fil­me de Mel Gib­son su­ge­re co­mo res­pon­sá­veis pe­la mor­te de Cris­to as­sim o fo­rem, não se­rá pos­sí­vel afir­mar que eles re­pre­sen­ta­vam o pen­sa­men­to e o de­se­jo de seus se­gui­do­res. As­sim, acre­di­to, tam­bém o de­ve ter si­do na épo­ca da In­qui­si­ção, a pá­gi­na en­la­me­a­da dos ca­tó­li­cos.

Da mes­ma for­ma, dis­cor­do da tal “sa­ta­ni­za­ção” da mu­lher, que no fil­me en­car­na o di­a­bo. Co­mo bem me lem­brou nos­sa co­lu­nis­ta Fer­nan­da Vil­las Bôas, o di­a­bo de Mel Gib­son es­tá mais pa­ra uma fi­gu­ra an­dró­gi­na do que pa­ra uma Eva.

Pa­re­ce-me que, mui­to mais do que con­cluir so­bre cul­pas, es­sas po­lê­mi­cas im­por­tam pe­lo seu ca­rá­ter re­tó­ri­co. Re­féns de uma mo­der­ni­da­de que nos faz con­ver­sar mui­to mais com en­ge­nho­cas (co­mo se re­fe­re o Gil­mar Di­as em sua co­lu­na nes­te si­te) do que com pes­so­as, e tam­bém re­féns do freqüen­te iso­la­men­to que nos exi­ge a de­tes­tá­vel lu­ta pe­la so­bre­vi­vên­cia, en­con­tra­mos al­go ra­ro na opor­tu­ni­da­de de dis­cu­tir so­bre as­sun­tos que pos­sam nos ar­re­ba­tar ver­da­dei­ra­men­te. Quan­do sur­ge es­sa opor­tu­ni­da­de, in­de­pen­den­te­men­te de su­as ver­sões e di­fe­ren­tes con­clu­sões, nós te­mos a chan­ce de no­vos des­co­bri­men­tos.

Os po­pu­la­res que cho­ra­vam quan­do as câ­me­ras de te­le­vi­são as fo­ca­li­za­vam di­an­te do In­cor, na épo­ca de Tan­cre­do Ne­ves, de­cer­to fo­ram ma­ni­pu­la­dos pe­la in­crí­vel for­ça da co­mu­ni­ca­ção. Eles iam pa­ra a fren­te do hos­pi­tal pre­pa­ra­dos pa­ra cho­rar. Em seu cho­ro, ro­la­vam ou­tras tris­te­zas, co­mo as frus­tra­ções do co­ti­di­a­no. Boa par­te dos que vão ao ci­ne­ma ver o fil­me so­bre Cris­to tam­bém já vão dis­pos­tos a cho­rar. Vêem no es­cu­ri­nho do ci­ne­ma a pos­si­bi­li­da­de de ex­tra­va­sar as emo­ções da vi­da que pas­sam qua­se sem­pre en­clau­su­ra­das. Vêem a pos­si­bi­li­da­de de ame­ni­zar o pe­so da cruz.

Compartilhe