Deu na Ma­rie Clai­re de abril: ga­ro­tas bem-nas­ci­das de 7 a 10 anos são as no­vas ha­bi­tuées dos sa­lões de be­le­za mais ba­da­la­dos de São Pau­lo. In­cen­ti­va­das pe­las mães, elas mar­cam ho­ra pa­ra fa­zer ma­qui­a­gem, de­pi­lar o bu­ço, pin­tar as unhas e ali­sar os ca­be­los com cha­pi­nha. A no­va ma­nia é agen­dar fes­tas pré-te­ens nes­ses sa­lões, quan­do os ser­vi­ços são li­be­ra­dos pa­ra a me­ni­na­da. Um dos itens do car­dá­pio, que sai por R$ 300 por con­vi­da­da, é des­can­sar num ofurô com pé­ta­las de ro­sa e lei­te. Tu­do pa­ra se li­vrar do es­tres­se. Não é fá­cil a vi­da des­ses pro­je­tos de Cin­de­re­la.

Há quem ache gra­ça de tan­ta pre­co­ci­da­de e con­si­de­re até dra­má­ti­co de­di­car al­gu­mas li­nhas ao as­sun­to. Eu, não. As “bo­ne­qui­nhas de lu­xo” do ano 2000, co­mo clas­si­fi­ca a re­vis­ta, es­tão an­te­ci­pan­do a ado­les­cên­cia num ca­mi­nho sem vol­ta. Nes­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, não vai ser fá­cil re­cu­pe­rar a in­fân­cia e vi­ver as ex­pe­ri­ên­ci­as pro­por­ci­o­na­das por es­sa fa­se de­li­ci­o­sa­men­te ir­res­pon­sá­vel da vi­da. Por um mo­ti­vo bem sim­ples: as bo­ne­qui­nhas ju­ram que já ama­du­re­ce­ram seus con­cei­tos por for­ça dos no­vos há­bi­tos. Elas não to­mam sor­ve­te nem brin­cam de ca­si­nha. Pre­fe­rem co­mer gre­lha­dos com le­gu­mes co­zi­dos no al­mo­ço e freqüen­tar a aca­de­mia qua­tro ve­zes por se­ma­na – tu­do pa­ra man­ter a boa for­ma. Co­mo as mães, fa­zem ques­tão de rou­pas e cos­mé­ti­cos de gri­fe, e não dis­pen­sam uma se­ve­ra ro­ti­na de ati­vi­da­des ex­tras, que in­clui na­ta­ção, gi­nás­ti­ca, vô­lei e até yô­ga e me­di­ta­ção!

Na re­por­ta­gem, a psi­có­lo­ga en­tre­vis­ta­da faz o aler­ta: vai­da­de em ex­ces­so nu­ma ida­de tão ten­ra de­sen­ca­deia, com freqüên­cia, dis­túr­bi­os ali­men­ta­res co­mo bu­li­mia e ano­re­xia. Pa­ra es­sas me­ni­nas com per­so­na­li­da­de em for­ma­ção, su­bir na ba­lan­ça po­de sig­ni­fi­car um cal­vá­rio. Um qui­lo a mais, o su­pre­mo cas­ti­go. O que os pais de­las não en­ten­dem é que a au­to-es­ti­ma não se con­quis­ta em sa­lão. Pa­ra in­cen­ti­var uma cri­an­ça a se va­lo­ri­zar, é fun­da­men­tal uma for­ma­ção co­e­ren­te, pau­ta­da por va­lo­res mais du­rá­veis do que al­gu­mas lu­zes nos ca­be­los.

Que fi­que bem cla­ro: não sou con­tra os cui­da­dos com a be­le­za e, pa­ra mui­tos, pos­so ser con­si­de­ra­da até um pou­co vai­do­sa. Mas tu­do tem seu tem­po. Aos 10 anos, eu brin­ca­va de quei­ma na rua, su­bia em ár­vo­res e roía as unhas. Vi­via com o jo­e­lho ra­la­do e só usa­va rou­pas ba­ca­nas em oca­siões es­pe­ci­ais – e sem­pre sob a ori­en­ta­ção da mãe.

Em fes­tas de ani­ver­sá­rio, não me lem­bro de re­cu­sar ca­chor­ro-quen­te, bri­ga­dei­ro ou gua­ra­ná. Em vez de re­la­xar no ofurô, eu as­sis­tia de­se­nhos na te­vê, lia li­vros de aven­tu­ras e in­ven­ta­va um mi­lhão de brin­ca­dei­ras com as mi­nhas ami­gas, um pro­gra­ma bem mais ex­ci­tan­te do que pe­da­lar nu­ma bi­ci­cle­ta er­go­mé­tri­ca ou ar­ran­car os pê­los da per­na com ce­ra quen­te.

É cla­ro que as bo­ne­qui­nhas de lu­xo não po­dem ser res­pon­sa­bi­li­za­das por es­sas in­sa­ni­da­des. Na­da dis­so se­ria no­tí­cia se elas não fos­sem fi­nan­ci­a­das pe­los pais bons de gra­na, pa­ra os quais a fe­li­ci­da­de é sinô­ni­mo de au­to-ima­gem ir­re­to­cá­vel. Eles, sim, são os gran­des cul­pa­dos. Na ân­sia de mo­de­lar po­ten­ci­ais Cin­de­re­las, rou­bam das fi­lhas aque­les pou­cos anos em que é pos­sí­vel cur­tir a vi­da sem agen­da a cum­prir, sem ten­dên­cia de mo­da a se­guir, sem ma­te­má­ti­cas ca­ló­ri­cas a cal­cu­lar. Po­bres prin­ce­sas en­can­ta­das que ador­me­ce­ram an­tes do tem­po. Quem vai sal­vá-las nos seus cas­te­los de areia?

Compartilhe