Geral

Na cama

domingo, 9 de junho de 2013 Texto de

Fico me per­gun­tando por que você não me avi­sou
Se por acaso não con­se­guiu ver lá na frente
Aquela es­trada que um dia iría­mos ven­cer
Se você sou­besse como isso in­co­moda mi­nha mente

Eu se­guro tão firme sua mão, aperto tanto
Mas sua mão não está mais gru­dada em mim
Eu não en­tendo por que há tan­tos fan­tas­mas
Que eu sei vão fi­car co­migo até o fim

Sua mão, seu suor, sua pele e sua voz
Tudo de uma só vez atra­ves­sando o ar
Nos­sos pas­sos de par em par na rua
E to­das as ve­zes que não en­tra­mos no mar

Eu puxo a co­berta so­bre meu corpo frio
O vento é só um grito que não me al­cança
No meio da noite eu acordo e le­vanto
E na cama, so­zi­nho, choro feito cri­ança

Palavras-chave

Compartilhe