Na cama | Márcio ABC

Geral

Na cama

domingo, 9 de junho de 2013 Texto de

Fi­co me per­gun­tan­do por que vo­cê não me avi­sou
Se por aca­so não con­se­guiu ver lá na fren­te
Aque­la es­tra­da que um dia iría­mos ven­cer
Se vo­cê sou­bes­se co­mo is­so in­co­mo­da mi­nha men­te

Eu se­gu­ro tão fir­me sua mão, aper­to tan­to
Mas sua mão não es­tá mais gru­da­da em mim
Eu não en­ten­do por que há tan­tos fan­tas­mas
Que eu sei vão fi­car co­mi­go até o fim

Sua mão, seu su­or, sua pe­le e sua voz
Tu­do de uma só vez atra­ves­san­do o ar
Nos­sos pas­sos de par em par na rua
E to­das as ve­zes que não en­tra­mos no mar

Eu pu­xo a co­ber­ta so­bre meu cor­po frio
O ven­to é só um gri­to que não me al­can­ça
No meio da noi­te eu acor­do e le­van­to
E na ca­ma, so­zi­nho, cho­ro fei­to cri­an­ça

Palavras-chave

Compartilhe