Crônicas

Coveiros de jornais

quarta-feira, 7 de novembro de 2012 Texto de

Fla­gran­te de jor­nal após a pas­sa­gem de cer­tos con­sul­to­res

Há uma es­pé­cie no meio im­pres­so que às ve­zes pas­sa des­per­ce­bi­da, prin­ci­pal­men­te nes­tes tem­pos de in­cer­te­zas e rá­pi­das trans­for­ma­ções de­sen­ca­de­a­das pe­las no­vas pla­ta­for­mas tec­no­ló­gi­cas. São os con­sul­to­res es­per­tos, aque­les que se apro­vei­tam dos maus mo­men­tos alhei­os pa­ra ga­nhar a vi­da. Cla­ro que há bons pro­fis­si­o­nais nas con­sul­to­ri­as, mas aqui eu me re­fi­ro aos ou­tros.

Fei­to um ban­do de uru­bus, pou­sam so­bre a car­ni­ça e ali per­ma­ne­cem até es­go­tá-la. De­pois, ba­tem as asas e vão pro­cu­rar no­vas ví­ti­mas.

É in­te­res­san­te no­tar seus há­bi­tos. Ge­ral­men­te, car­re­gam sob sua em­pá­fia o mes­mo re­per­tó­rio pi­sa­do e re­pi­sa­do, o mes­mo dis­cur­so va­ga­bun­do e pre­pa­ra­do pa­ra ou­vi­dos an­si­o­sos por bo­as no­vas.

Eles já fi­ze­ram de tu­do por aí afo­ra. Res­sus­ci­ta­ram jor­nais que es­ta­vam na bo­ca de fa­lir. Re­vi­go­ra­ram jor­nais que es­ta­vam na UTI. Sal­va­ram jor­nais que não ti­nham mais es­pe­ran­ças. E por aí vai. Qua­se sem­pre são ex­pe­ri­ên­ci­as dis­tan­tes, di­fí­ceis de che­car em sua es­sên­cia. Na Es­pa­nha, tor­na­ram um tí­tu­lo lí­der de mer­ca­do do dia pa­ra a noi­te. Na Fran­ça, co­mo num to­que de Mi­das, ele­va­ram a ti­ra­gem de 2 exem­pla­res pa­ra 1 mi­lhão em uma se­ma­na.

As reu­niões, ge­ral­men­te ob­ser­va­das por em­pre­sá­ri­os e exe­cu­ti­vos aten­tos e se­den­tos pe­la so­lu­ção que até on­tem lhes pa­re­cia ser im­pos­sí­vel, re­ser­vam mo­men­tos ina­cre­di­tá­veis que po­de­ri­am ser di­ver­ti­dos ca­so fi­zes­sem par­te de um des­ses se­ri­a­dos de co­mé­dia. Se der cor­da, eles re­ve­lam que na Fran­ça, en­quan­to im­plan­ta­vam o tal pro­je­to sal­va­dor, ti­ve­ram um en­con­tro se­cre­to com Nos­sa Se­nho­ra de Lour­des. E ali per­ti­nho de­sen­vol­ve­ram um pla­no pa­ra unir os po­vos da Es­pa­nha.

O mais ri­sí­vel é que eles pa­re­cem mes­mo acre­di­tar no que di­zem. Pa­re­cem mes­mo acre­di­tar que são bons. Não pes­qui­sam o pú­bli­co lei­tor das re­giões on­de vão atu­ar, des­pre­zam as opi­niões de quem co­nhe­ce os mer­ca­dos lo­cais, to­mam de­ci­sões ba­se­a­das em sua lar­ga ex­pe­ri­ên­cia na Eu­ro­pa, nos Es­ta­dos Uni­dos, na Gré­cia An­ti­ga.

Com seus no­mes pom­po­sos de reis, há mo­men­tos em que ca­em na pró­pria ar­ma­di­lha. Num ato de con­des­cen­dên­cia di­an­te dos po­bres mor­tais, des­cem de seu fal­so Olim­po e re­sol­vem to­car o pro­je­to pes­so­al­men­te. Afi­nal, pa­ra sair bem fei­to é pre­ci­so que vo­cê mes­mo fa­ça. Gran­de ilu­são! Fi­as­co to­tal. Na­da dá cer­to. Mas tu­do é per­fei­ta­men­te pre­vi­sí­vel. A in­com­pe­tên­cia apa­re­ce quan­do eles dei­xam o dis­cur­so e se en­tre­gam à prá­ti­ca. Não sa­bem na­da. São va­zi­os. De­sa­gre­gam. De­ce­pam equi­pes. Des­va­lo­ri­zam o pro­du­to. Me­tem, en­fim, os pés pe­las mãos.

En­tão, quan­do já brin­ca­ram de des­tro­çar his­tó­ri­as cons­truí­das com o di­nhei­ro dos em­pre­sá­ri­os e o su­or dos tra­ba­lha­do­res, in­ven­tam uma des­cul­pa es­far­ra­pa­da qual­quer, pe­gam o bo­né e vão ti­rar fé­ri­as no ex­te­ri­or, on­de tor­ram a gra­na fá­cil re­ce­bi­da du­ran­te me­ses e me­ses pe­los dois di­as de tra­ba­lho se­ma­nais. Sim, por­que eles che­gam na ter­ça e vão em­bo­ra na quin­ta. Dois di­as cu­jas ho­ras são des­per­di­ça­das com co­men­tá­ri­os in­fan­tis e ten­ta­ti­vas de mos­trar que fo­ram eles que des­co­bri­ram a Amé­ri­ca.

No fim das con­tas, a cul­pa não é de­les. Por­que co­vei­ros ape­nas fa­zem seu tra­ba­lho: en­ter­ram.

Palavras-chave

Compartilhe