Crônicas

‘Moça bonita não paga’

sexta-feira, 24 de agosto de 2012 Texto de

Que me des­cul­pem os que mo­ram em ru­as de fei­ra, mas ado­ro ir à fei­ra. Sei que é vi­sí­vel o trans­tor­no que ela traz, não só à mo­vi­men­ta­ção dos mo­ra­do­res e ao ba­ru­lho des­de ce­do, co­mo tam­bém à su­jei­ra que só ter­mi­na de ser re­ti­ra­da à tar­de. Mas pre­fi­ro ir à fei­ra a com­prar cer­tos pro­du­tos em su­per­mer­ca­dos. São sem­pre mais fres­cos e com pre­ços que vão bai­xan­do à me­di­da que a ma­nhã pas­sa. A tal da xe­pa.

O que sem­pre me cha­mou a aten­ção são as fa­las dos fei­ran­tes, ca­da um à sua mo­da, ven­den­do seu pro­du­to com hu­mor e às ve­zes até com ri­ma. Des­de que eu mo­ra­va na La­goa – e lá se vão 20 anos - cos­tu­ma­va ano­tar es­ses fa­la­res e ain­da guar­do al­guns, de di­fe­ren­tes fei­ras da Zo­na Sul ca­ri­o­ca.

Um ven­de­dor de ver­du­ras gri­ta­va: “É só pe­dir li­cen­ça, en­trar no jar­dim e me­xer na hor­ta”. Ou­tro lem­bra­va fi­lo­so­fi­ca­men­te que não se de­ve adi­ar as com­pras: “Não te ben­zo nem te cu­ro, ama­nhã vo­cê tá du­ro!”. Um ven­de­dor de tem­pe­ros se quei­xa­va: “Se­rá pos­sí­vel que nes­sa fei­ra só se com­pra fru­ta-do-con­de?” E ou­tro de­sa­fi­a­va os mo­ra­do­res do bair­ro: “Mo­ra­dor da La­goa só co­me pei­xe??? Olha o aba­ca­xi aqui, pes­so­al.” E ape­la­va, à mo­da de um can­di­da­to a pre­si­den­te da­que­la épo­ca: ”Não me dei­xe só, fre­gue­si­nha, mi­nha bar­ra­ca pre­ci­sa de vo­cê!”

Os mais ma­li­ci­o­sos pro­vo­ca­vam os fre­gue­ses: “Tá pro­cu­ran­do sua mu­lher, fre­guês? Tá aqui, na bar­ra­ca do Chi­cão, pro­van­do a de­li­ci­o­sa me­lan­cia. Po­de vir, tá tu­do aqui!”. Um ven­de­dor de ca­ju, no Jar­dim Bo­tâ­ni­co, se ga­ba­va: “Eu tra­ba­lho por es­por­te, ma­da­me, pos­so dar des­con­to bom!” Co­mo seu co­le­ga de fei­ra: “Sou fa­zen­dei­ro, ri­co e sol­tei­ro. Por is­so meu pro­du­to é ba­ra­to, mi­nha gen­te!”

Ou­tro ven­de­dor de fru­ta se or­gu­lha­va de seu pro­du­to: ”Coi­sa boa ho­je! Aba­ca­xi bom, do­ce e ama­re­li­nho por den­tro. Aba­ca­xi bran­co pas­sa lon­ge da mi­nha bar­ra­ca.” Con­tra re­cla­ma­ções so­bre man­gas fi­a­pen­tas, um ven­de­dor da fei­ra da Pça. Nos­sa Se­nho­ra da Paz, em Ipa­ne­ma, já ofe­re­cia a so­lu­ção: ”Es­sa tem fi­a­po, mas aqui já le­va o fio den­tal de brin­de...”. Da bar­ra­ca de le­gu­mes, na mes­ma fei­ra, ou­via-se a ame­a­ça: “Se não le­var ago­ra, não co­me!”

À per­gun­ta da fre­gue­sa se o ba­na­nei­ro ti­nha ba­na­na-da-ter­ra, veio a res­pos­ta: ”Ora, mi­nha ami­ga, to­das as ba­na­nas vêm da ter­ra. Brin­ca­dei­ri­nha, ho­je não tem, não.” Ou “Pre­ci­sa de tem­pe­ro? O alho eu te­nho aqui. É pe­gar e le­var, só não es­que­ce de pa­gar...”

-Quer li­mão, fre­gue­sa? Tá ver­di­nho! Quan­do ela res­pon­deu que já ti­nha, veio o con­tra-ata­que: -En­tão le­va pra vi­zi­nha!

Or­gu­lho dos pro­du­tos é o que não fal­ta: “Es­sa ate­moia tá uma de­lí­cia, viu só? Ta­va es­pe­ran­do pe­la se­nho­ra!” E seu vi­zi­nho não fi­ca­va atrás: “Olhem só que man­ga lin­da, ca­pa da Ve­ja, fre­gue­sa!” E me di­zia, en­quan­to cor­ta­va um pe­da­ço pa­ra pro­va: ”Pre­pa­ra seu co­ra­ção! Gran­des emo­ções es­tão pra acon­te­cer!...”. O que ven­dia be­rin­je­la in­for­ma­va en­quan­to eu as exa­mi­na­va: “Es­tão per­fei­tas. E sem bi­cho! Com bi­cho é mais ca­ro!...”

E di­an­te do meu co­men­tá­rio de que co­mo pro­fes­so­ra eu não po­dia fre­quen­tar as bar­ra­cas de pre­ços al­tos na La­goa, ou­vi a resposta:”Ah, vo­cê é pro­fes­so­ra? Mi­nha mommy tam­bém!...”

Uma pe­na que a al­ga­zar­ra ator­do­an­te de uma Bol­sa de Va­lo­res não pos­sa ser subs­ti­tuí­da pe­la al­ga­zar­ra poé­ti­ca dos fei­ran­tes do Rio. So­nhar não cus­ta...

Palavras-chave

Compartilhe