A imagem, o juiz e o pênalti | Márcio ABC

Geral

A imagem, o juiz e o pênalti

quinta-feira, 26 de abril de 2012 Texto de

Na dé­ca­da de 1990, o juiz de fu­te­bol ama­dor To­ni­nho San­ches mar­ca pê­nal­ti e é per­se­gui­do por jo­ga­do­res (Fo­to de Ota­vio Val­le)

Eu sem­pre gos­tei de va­lo­ri­zar a ima­gem por on­de pas­sei pro­fis­si­o­nal­men­te. Uma das mi­nhas ta­re­fas mais fre­quen­tes foi fa­zer ca­pa de jor­nal. Sem­pre gos­tei de co­me­çar pe­la fo­to­gra­fia. Sem es­se re­cur­so, a in­for­ma­ção em­po­bre­ce. O pa­pel em­pa­li­de­ce. O jor­na­lis­mo pa­de­ce.

Cu­ri­o­sa­men­te, sou pés­si­mo fo­tó­gra­fo. Aliás, es­se é um mal que me per­se­gue. Sou ruim em coi­sas que gos­ta­ria de fa­zer bem. Fo­to­gra­far é uma de­las (can­tar é ou­tra). Me lem­bro que em 1999 fiz uma vi­a­gem a Ou­ro Pre­to e lá, com mi­nha ex-mu­lher, a jor­na­lis­ta Fer­nan­da Vil­las Bôas, fi­ze­mos mui­tas fo­tos.

Na vol­ta – am­bos tra­ba­lhá­va­mos no Diá­rio de Bau­ru –, en­tre­ga­mos ao Ota­vio Val­le, en­tão edi­tor de fo­to­gra­fia do jor­nal, nos­so tra­ba­lho ama­dor. As ima­gens se­ri­am uti­li­za­das nu­ma ma­té­ria de tu­ris­mo que a Fer­nan­da es­cre­ve­ria. Sem sa­ber quem ti­nha ti­ra­do qual fo­to, o Ta­tau es­co­lheu, en­tre vá­ri­as da Fer­nan­da, uma ou du­as mi­nhas. Me sen­ti or­gu­lho­so pe­lo meu fei­to.

Des­se mes­mo Ta­tau, re­ce­bi uma fo­to­gra­fia que ele fez por vol­ta de 1997 e que eu gos­tei mui­to. Foi num jo­go de fu­te­bol ama­dor. O juiz, após api­tar um pê­nal­ti, é per­se­gui­do pe­los atle­tas em cam­po. Eu guar­dei es­ta fo­to com ca­ri­nho, en­tre mui­tas ou­tras.

Os fo­tó­gra­fos que tra­ba­lha­ram co­mi­go, aliás, sem­pre me pre­sen­te­a­vam com uma ou ou­tra ima­gem, al­gu­mas de­las mi­nhas mes­mo, da mi­nha fi­lha, de coi­sas que eles sa­bi­am que eu gos­ta­va. Vol­ta e meia, che­ga­va um de­les à mi­nha me­sa com uma fo­to­gra­fia.

O pri­mei­ro com quem tra­ba­lhei foi o Pau­lo Ro­ber­to Go­mes, de Ca­fe­lân­dia. Eu e o jor­na­lis­ta Sér­gio Ben­to tí­nha­mos O Fo­lhe­to, jor­nal que ro­dá­va­mos nu­ma má­qui­na gran­de de Xe­rox. O Pau­lo ti­ra­va as fo­tos.

Fo­ram mui­tos os fo­tó­gra­fos (ou fo­to­jor­na­lis­tas ou re­pór­te­res fo­to­grá­fi­cos) com quem tra­ba­lhei: Car­los Tor­ren­te, Acei­tu­no Jr., Éder Aze­ve­do, Luiz Tei­xei­ra, Qui­oshi Go­to, An­ge­lo Pe­ro­sa, Er­nes­to Ro­dri­gues, Su Statho­pou­los, Ru­bens Car­dia, Ota­vio Val­le, Sér­gio dos Reis, Jor­ge Al­ber­to Ar­ru­da, Eli­san­dro As­ca­ri, Joy­ce Gua­dag­nuc­ci, Eri­ca Junghans, João Cor­reia Fi­lho, Ma­ri­nho San­tos, De­ni­se Gui­ma­rães, Luís Car­do­so, Billy Mao, Cris­ti­a­no Za­nar­di, Ju­li­a­na Lo­ba­to e por aí vai (te­nho cer­te­za de que es­tou es­que­cen­do al­gum ou al­guns e já pe­ço des­cul­pas an­te­ci­pa­da­men­te). Nem vou ci­tar os que tra­ba­lha­ram co­mi­go en­quan­to fui di­re­tor de re­da­ção do Bom Dia. É mui­ta gen­te (bri­lhan­te!) pa­ra mi­nha po­bre me­mó­ria.

Mui­tas ve­zes, além das fo­to­gra­fi­as, as char­ges tam­bém en­tra­vam na dis­pu­ta pa­ra fe­char as ca­pas dos jor­nais. Me lem­bro que no Diá­rio de Bau­ru, on­de lan­ça­mos os ge­ni­ais Ju­nião e Gu­ga, fi­ze­mos al­gu­mas ca­pas com char­ges. E no Bom Dia tam­bém, com o tra­ba­lho do Pe­li­ca­no.

A ca­da ca­pa fei­ta a par­tir de uma ima­gem gran­de ou mes­mo com a ima­gem to­man­do com­ple­ta­men­te a ca­pa, eu sem­pre vi­brei mui­to. Por­que uma ima­gem que sus­ten­ta a ca­pa de um jor­nal é uma ima­gem e tan­to. É uma ima­gem que exis­tiu, tu­do bem, mas que um gran­de fo­tó­gra­fo ou um pu­ta char­gis­ta ou ilus­tra­dor ou sei lá quem con­se­guiu cap­tar de mo­do con­vin­cen­te.

Es­cre­vi ou­tro dia no Fa­ce­bo­ok que ti­ve mui­ta sor­te por ter sem­pre en­con­tra­do óti­mos fo­tó­gra­fos no meu ca­mi­nho pro­fis­si­o­nal (e óti­mos char­gis­tas ou car­tu­nis­tas ou al­guém des­sa gen­te ma­lu­ca que in­ven­ta obras sen­sa­ci­o­nais). Além da cri­a­ti­vi­da­de e da mar­ca pró­pria que ca­da um de­les cra­va­va em su­as obras, eles cap­ta­vam o que eu que­ria pa­ra fa­zer a ca­pa.

Pa­ra uma ca­pa ou pa­ra acom­pa­nhar uma re­por­ta­gem, mui­tas ve­zes não bas­ta pro­du­zir uma be­la fo­to. Es­sa be­la fo­to pre­ci­sa es­tar co­nec­ta­da com o cli­ma do jor­na­lis­mo, com o cli­ma do dia, com o cli­ma do te­ma. No jor­na­lis­mo, o fo­tó­gra­fo não faz uma fo­to pa­ra guar­dar num ál­bum e mos­trar aos ami­gos. Ele faz uma fo­to pa­ra o mun­do, pa­ra a his­tó­ria, pa­ra sem­pre.

Se­rá que é por is­so que guar­da­mos as fo­tos? Nós as guar­da­mos por­que elas são pa­ra sem­pre? Tal­vez por­que elas car­re­guem con­si­go aqui­lo que o Wan­do (sim, aque­le!) can­tou em “Mo­ça” (sim, aque­la!): as do­bras do tem­po. Olhar pa­ra uma fo­to é uma ati­tu­de das mais sé­ri­as. Ain­da pa­ra­fra­se­an­do o Wan­do em “Mo­ça”: po­de até ma­chu­car.

Mas por que al­gu­mas fo­tos se­guem com a gen­te e um dia aca­bam se ex­pli­can­do? A fo­to­gra­fia do juiz de fu­te­bol sen­do per­se­gui­do pe­los atle­tas me foi da­da por um ami­go, é ver­da­de. Mas po­de­ria es­tar per­di­da de­pois de apro­xi­ma­da­men­te quin­ze anos. Não es­tá num ar­qui­vo di­gi­tal. É um pe­da­ço de pa­pel que em sua es­sên­cia, na ima­gem, não tem qual­quer re­la­ção co­mi­go. Um pe­da­ço de pa­pel que fi­cou guar­da­do nu­ma pas­ta, que so­bre­vi­veu aos anos, a uma se­pa­ra­ção (on­de umas coi­sas vão, ou­tras fi­cam), às tra­ças, à de­sor­ga­ni­za­ção, às ga­ve­tas etc etc etc.

Um dia des­ses, no edi­fí­cio on­de es­tou mo­ran­do, en­con­trei no sa­guão de en­tra­da um su­jei­to de ca­be­los bem gri­sa­lhos, mui­to co­mu­ni­ca­ti­vo, ba­ten­do pa­po com os por­tei­ros, sor­rin­do en­tre uma his­tó­ria e ou­tra. Pen­sei: co­nhe­ço es­se ca­ra de al­gum lu­gar. É o juiz da fo­to! Fu­cei nas mi­nhas pas­tas e a en­con­trei. Man­dei re­pro­du­zir. On­tem, eu a en­tre­guei a ele.

“Já te con­tei a his­tó­ria des­sa fo­to?”, ele me per­gun­tou. Sim, já ha­via me con­ta­do. A his­tó­ria do pê­nal­ti. Olhan­do pa­ra a fo­to, sor­ri­so es­tam­pa­do na fa­ce, as lem­bran­ças cer­ta­men­te sa­cu­di­ram sua me­mó­ria. En­ca­rou-me, con­vic­to e or­gu­lho­so:

“Mas que o pê­nal­ti foi ba­ti­do, foi!”

Palavras-chave

Compartilhe