Re­ce­bi a opi­nião do jor­na­lis­ta Wil­son Ba­ron­cel­li so­bre meu li­vro. Eis o que ele diz:

Aca­bei de ler o seu li­vro. Sim­ples­men­te fan­tás­ti­co! História(s), es­tru­tu­ra de nar­ra­ção, es­ti­lo, lin­gua­gem. Um pra­zer sa­bo­re­ar ca­da pa­rá­gra­fo. Por is­so tam­bém de­mo­rei pra ter­mi­nar. Meus sin­ce­ros pa­ra­béns.

O pro­ta­go­nis­ta tem o jei­tão de Pon­ci­a­no de Aze­ve­do Fur­ta­do, de “O co­ro­nel e o lo­bi­so­mem”, de Jo­sé Cân­di­do de Car­va­lho, que con­si­de­ro um dos me­lho­res ro­man­ces bra­si­lei­ros de to­dos os tem­pos. Até me mo­ti­vei a ti­rá-lo da es­tan­te pa­ra ler de no­vo. Re­pro­du­zo um tre­chi­nho, que es­co­lhi ale­a­to­ri­a­men­te, pa­ra jus­ti­fi­car es­sa mi­nha per­cep­ção (sem de­mé­ri­to pa­ra vo­cê, ao con­trá­rio):

“Só is­so é que saía da mi­nha ideia, bo­ba­ja­da, to­li­ce de pe­ga­dor de rês. Se fos­se um ca­so de lei, ri­xa na Jus­ti­ça, eu era co­ro­nel de ob­tem­pe­rar a noi­te to­da, sem vez de des­can­so. Mas em ter­re­no de sen­ti­men­to, de ras­gar se­da em con­ver­sa de mo­ça, nun­ca nin­guém po­dia con­tar co­mi­go, a não ser que a pa­ro­la­gem fos­se en­tre­me­a­da de pa­ti­fa­ria e su­ce­di­dos de ca­ma e tra­ves­sei­ro. En­tão, di­go sem alar­de, era eu do mai­or pre­pa­ro. Nem mes­mo Ju­ju Be­zer­ra, mais pra­ti­ca­do que um sul­tão das Ará­bi­as, en­cos­ta­va per­to de mim. Da­dá Mes­qui­ta, do­na de ca­sa-de-por­ta-aber­ta, sem­pre di­zia:
- Pon­ci­a­no é de ser­vi­ço com­ple­to...”

Já vi que tem o “Pa­ra­ba­la” pra ven­der na in­ter­net. Se­rá o pró­xi­mo da fi­la.

Gran­de abra­ço e su­ces­so.

Compartilhe