Impressões

A guerra e a poesia

sexta-feira, 3 de setembro de 2010 Texto de


In­ces­san­te­men­te, inin­ter­rup­ta­men­te, a água tom­ba­va so­bre as ca­sas, so­bre o Lar­go de­ser­to. Um ou ou­tro uru­bu que fi­ca­va em ri­ba da cu­me­ei­ra ou al­guns bem-te-vis que da­vam seus mer­gu­lhos, pe­gan­do as ma­ri­po­sas vo­e­jan­tes so­bre os cu­pins. Nem al­mas-de-ga­to pi­a­vam. A er­va cres­cia com vi­ço ex­tra­or­di­ná­rio. Há pou­cos di­as, qua­se não se no­ta­va o ma­to que che­ga­va ago­ra a es­con­der um boi. O ca­ru­ru-de-por­co, o fe­de­go­so bra­bo, a er­va-de-san­ta-ma­ria cres­ci­am com uma pu­jan­ça de fei­ti­ço. Ha­via no ar um chei­ro de ver­de, de coi­sa apo­dre­ci­da, de se­men­te ger­mi­nan­do.
(Tre­cho de ”O Tron­co”, li­vro de Ber­nar­do Élis, Jo­sé Olym­pio Edi­to­ra, edi­ção de 2003)

Ber­nar­do Élis, ro­man­cis­ta de es­cri­ta ím­par, mui­tas ve­zes com­pa­ra­do a Gui­ma­rães Ro­sa em seu es­ti­lo cru e re­gi­o­na­lis­ta, es­cre­veu um dos li­vros que eu mais gos­to. “O Tron­co”, cu­jo en­re­do cha­fur­da no vi­o­len­to am­bi­en­te dos co­ro­néis do cen­tro do Bra­sil, é uma in­crí­vel odis­seia que nos le­va, pa­ra­do­xal­men­te e si­mul­ta­ne­a­men­te, à guer­ra e à po­e­sia.

Eu re­co­men­do pa­ra quem gos­ta de li­vros am­bi­en­ta­dos nos con­fins do Bra­sil e, quem sa­be, nos con­fins do tem­po. E mais que is­so: nos con­fins de nos­sas al­mas.

Compartilhe