Impressões

Jornalismo e eleições

sexta-feira, 30 de julho de 2010 Texto de


Ca­pa do NY Ti­mes com Oba­ma elei­to: jor­nal de­cla­rou apoio

É co­mum nos Es­ta­dos Uni­dos jor­nais apoi­a­rem um cer­to can­di­da­to, por exem­plo, à pre­si­dên­cia. O New York Ti­mes, jor­nal mais fa­mo­so e in­flu­en­te do mun­do, deu apoio a Oba­ma. O apoio é de­cla­ra­do. O lei­tor é in­for­ma­do cla­ra­men­te pe­lo veí­cu­lo so­bre os mo­ti­vos da op­ção. A co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca, en­tre­tan­to, pro­cu­ra ser isen­ta. O no­ti­ciá­rio, ao me­nos em te­se, não fa­vo­re­ce o can­di­da­to es­co­lhi­do. Se­ria uma boa no Bra­sil?

Sem­pre que es­sa dis­cus­são é le­va­da à me­sa por es­tra­te­gis­tas e di­re­to­res de em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção, uma das prin­ci­pais con­si­de­ra­ções é que o bra­si­lei­ro não tem ideia do que se­ja es­se ti­po de pos­tu­ra. A his­tó­ria da im­pren­sa no Bra­sil apon­ta pa­ra ou­tra di­re­ção. As­sim, o pú­bli­co le­va­ria tal­vez mui­to tem­po pa­ra con­fi­ar num veí­cu­lo que se pro­pu­ses­se a dar apoio a es­te ou àque­le can­di­da­to.

Ou se­ja, o veí­cu­lo te­ria uma gran­de ame­a­ça em seu ca­mi­nho, a mais ter­rí­vel de to­das: a pos­sí­vel per­da de sua even­tu­al cre­di­bi­li­da­de, con­quis­ta­da mui­tas ve­zes em dé­ca­das ou sé­cu­lo.

O fa­to é que os jor­nais, as emis­so­ras de TV ou qual­quer ou­tro veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção têm por trás de su­as pá­gi­nas, de su­as ima­gens, de seus sons, en­fim, de seus me­ca­nis­mos, ho­mens com pre­fe­rên­ci­as, com pai­xões, com idei­as, com opi­niões.

Na ho­ra da co­ber­tu­ra jor­na­lís­ti­ca, é cla­ro, há aci­ma de­les uma li­nha edi­to­ri­al – que de­pen­de da se­ri­e­da­de de ca­da veí­cu­lo – ca­paz de fa­zer com que as pre­fe­rên­ci­as, as pai­xões, as idei­as e as opi­niões de­em lu­gar à in­ces­san­te bus­ca por al­go que no jor­na­lis­mo re­pre­sen­ta uma es­pé­cie de elo per­di­do: a ob­je­ti­vi­da­de.

Não se­ria, en­tão, mais ade­qua­do e ho­nes­to que os veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção dis­ses­sem ao seu pú­bli­co “apoi­a­mos fu­la­no, mas ja­mais dei­xa­re­mos de la­do nos­so com­pro­mis­so com vo­cê, cu­ja pre­fe­rên­cia po­de ser di­fe­ren­te da nos­sa”?

Não se­ria me­lhor pa­ra o pró­prio pú­bli­co?

Não sei.

Num país on­de a im­pren­sa é sem­pre ti­da co­mo uma das ins­ti­tui­ções mais con­fiá­veis, sen­do que par­te des­sa con­fi­an­ça tal­vez se de­va exa­ta­men­te ao mo­de­lo que ado­ta­mos, não se­rá fá­cil pa­ra nin­guém se de­ci­dir a que­brar es­se pa­ra­dig­ma.

Tam­bém aqui pa­re­ce va­ler pa­ra a so­ci­e­da­de o ve­lho di­to po­pu­lar: o que os olhos não ve­em o co­ra­ção não sen­te.

Compartilhe