Impressões

Linha

quarta-feira, 17 de Março de 2010 Texto de

Ho­je, es­tou usan­do sa­pa­to, uma cal­ça di­ga­mos meio so­ci­al e ca­mi­sa de man­gas lon­gas. Ge­ral­men­te, uso tê­nis (ou o tal do “sa­pa­tê­nis”), cal­ça je­ans e ca­mi­sa de man­ga lon­ga. Ho­je en­fi­ei a ca­mi­sa por den­tro. Ge­ral­men­te, uso por fo­ra. Uma ami­ga me dis­se que ho­je es­tou “chi­que”. E me per­gun­tou se ago­ra vou se­guir “es­sa no­va li­nha”. Ah! Ah! Ah! Ah!

Ou­tro dia, vi par­te da re­pri­se de uma en­tre­vis­ta do fan­tás­ti­co Pau­li­nho da Vi­o­la. Se não me en­ga­no, foi pa­ra o “Ro­da Vi­va” (TV Cul­tu­ra). Ele con­ta que quan­do gra­vou “Si­nal fe­cha­do” (acho que em 1969), per­gun­ta­ram a ele se aque­la se­ria sua “no­va li­nha”. En­tão, sur­pre­so, res­pon­de ele com ou­tra per­gun­ta: “mas que li­nha?”

“Si­nal fe­cha­do” é aque­la com­po­si­ção lin­da (co­me­ça as­sim: “Olá, co­mo vai? Eu vou in­do e vo­cê, tu­do bem?”) que o Pau­li­nho man­da de um jei­to di­fe­ren­tão, nu­ma to­a­da se­re­na, qua­se in­ti­mis­ta e que traz o diá­lo­go de dois ami­gos que se en­con­tram no si­nal ver­me­lho e tro­cam al­gu­mas pa­la­vras, evi­den­ci­an­do cer­to dis­tan­ci­a­men­to por cau­sa da agi­ta­ção da vi­da ur­ba­na. Pro­fé­ti­co, não? De to­do mo­do, per­gun­tou o Pau­li­nho: “mas que li­nha?”.

É cu­ri­o­sa es­sa “co­bran­ça” em cer­tos ca­sos. O ca­ra tem que se­guir de­ter­mi­na­da li­nha. Que li­nha é es­sa que pre­ci­sa­mos se­guir, afi­nal? Ora es­sa, e se a li­nha do ca­ra for a fal­ta de li­nha? Ah! Ah! Ah! Ah! Não es­tou me re­fe­rin­do ao de­sa­li­nho, mas ape­nas à ine­xis­tên­cia de uma li­nha a se­guir. Ho­je, pos­so usar tê­nis, ama­nhã, sa­pa­to, e sá­ba­do, san­dá­lia.

Se­guir a mes­ma li­nha é mui­to cha­to!

Não dá

Nun­ca fui mui­to che­ga­do nas pi­a­di­nhas a res­pei­to do Lu­la. Acho qua­se to­das pre­con­cei­tu­o­sas e de mau gos­to. Mas cá en­tre nós, ver o Lu­la po­sar de con­ci­li­a­dor no con­fli­to an­te-pré-di­lu­vi­a­no en­tre ju­deus e pa­les­ti­nos só po­de ser pi­a­da. Quem é o Lu­la pa­ra eles? O que re­pre­sen­ta o Lu­la pa­ra as con­vic­ções his­tó­ri­cas e re­li­gi­o­sas dos dois po­vos? Emi­tir uma opi­nião que se ali­nhe aos dis­cur­sos de paz, vá lá. Mas ten­tar mar­car sua vi­si­ta co­mo o ca­ra que co­la­bo­rou pa­ra es­sa paz dis­tan­te? Não dá. Re­al­men­te, não dá. Pra mim, não dá.

Compartilhe