Impressões

Vozeirão

quinta-feira, 11 de Março de 2010 Texto de

Mor­reu Mo­acyr Ama­ral! Ab­sur­da­men­te, eu não sou­be. Foi em agos­to do ano pas­sa­do. Se­te me­ses atrás! É qua­se ina­cre­di­tá­vel que pes­so­as com as quais vo­cê tra­ba­lhou e con­vi­veu du­ran­te cer­to pe­río­do mor­ram e vo­cê não to­me co­nhe­ci­men­to.

Na Lins Rá­dio Clu­be, co­me­ço dos anos de 1990, Mo­acyr era o di­re­tor da emis­so­ra. Eu che­fi­a­va o jor­na­lis­mo. O vo­zei­rão do Mo­acyr era uma de su­as mar­cas re­gis­tra­das. Ao abir o jor­nal às 12 ho­ras, ele cra­va­va “Me­e­e­e­e­ei­i­i­i­i­i­o­o­o­o­o­o­o­o­o­o­di­i­i­a­a­a­a­a­a­a­a­aá”. Era sen­sa­ci­o­nal. Ti­nha gen­te que nem se in­te­res­sa­va pe­las no­tí­ci­as, mas ou­via pe­lo me­nos a aber­tu­ra do no­ti­ci­o­so só pa­ra cur­tir as in­ven­ções do Mo­acyr.

Mas ele não era ape­nas voz. Tam­bém era co­ra­ção. Tra­ba­lha­va pra va­ler. Acre­di­ta­va no que fa­zia. Não ti­nha me­do de ca­ra feia. Fa­zia su­as crí­ti­cas, mas es­ta­va sem­pre aber­to ao diá­lo­go. Pa­re­cia ser, mas não era o do­no da ver­da­de. Era ape­nas um ga­rim­pa­dor da ver­da­de.

Nos úl­ti­mos anos, ele man­ti­nha, com o ra­di­a­lis­ta Ed­son Car­los Sec­co, o jor­nal “De­ba­te”, na mes­ma Lins on­de ele mar­cou épo­ca. Uma épo­ca ro­mân­ti­ca que já vai se es­go­tan­do com o fim da­que­les que sou­be­ram man­tê-la gra­ci­o­sa e atra­en­te.

His­tó­ria de rá­dio

Nes­sa mes­ma Lins Rá­dio Clu­be, ha­via um apre­sen­ta­dor de pro­gra­ma ser­ta­ne­jo cha­ma­do Jo­ta Mar­ques. Era um su­jei­to bai­xi­nho, bi­go­du­do, de ca­be­los pre­tos li­sos que ele man­ti­nha ra­zo­a­vel­men­te com­pri­dos e pen­te­a­dos co­mo um ator de no­ve­la me­xi­ca­na. Sim­pá­ti­co e boa pra­ça.
To­do fim de tar­de ele ia ao ar pa­ra aten­der aos pe­di­dos de ou­vin­tes.

Num cer­to pe­río­do, cri­ei um ou­vin­te fic­tí­cio. Cha­ma­va-se Ele­nil­do Ma­dei­ra e to­do san­to dia li­ga­va (da pró­pria re­da­ção da rá­dio) pa­ra o Jo­ta com his­tó­ri­as ma­lu­cas que acon­te­ci­am com ele. Uma pes­ca­ria on­de um ja­ca­ré mor­de­ra-lhe a bun­da e coi­sas do ti­po. Tam­bém cos­tu­ma­va fa­lar de re­cei­tas mi­ra­bo­lan­tes que ele in­ven­ta­va, ti­po uma fri­ta­da de ovos que le­va­va ca­cha­ça.

O cu­ri­o­so é que o apre­sen­ta­dor foi se afei­ço­an­do ao Ele­nil­do Ma­dei­ra, ou­vin­te que ele jul­ga­va re­al­men­te exis­tir. Ha­via di­as em que, de pro­pó­si­to, eu não fa­zia a li­ga­ção só pa­ra ver a re­a­ção do Jo­ta. E nes­sas oca­siões, ele sem­pre co­men­ta­va em tom de la­men­to a au­sên­cia do ami­go Ele­nil­do. O pa­po en­tre os dois pas­sou a fa­zer par­te do pro­gra­ma. A fic­ção foi se es­pa­lhan­do en­tre o pes­so­al da rá­dio. Vi­rou atra­ção. To­do mun­do pa­ra­va pa­ra ou­vir a con­ver­sa que ia ao ar. Só o Jo­ta não sa­bia. E nun­ca sou­be. O Jo­ta já mor­reu. O Ele­nil­do Ma­dei­ra tam­bém.

Compartilhe