Colaboradores

Socorro! Estão STARTANDO um projeto

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 Texto de

Le­vei um sus­to quan­do ou­vi. Em ple­na ho­ra de al­mo­ço, du­as mu­lhe­res con­ver­san­do so­bre tra­ba­lho na me­sa ao la­do. Im­pos­sí­vel não ou­vir a con­ver­sa de vi­zi­nhos, que tam­bém nos ou­vem, já que a pro­xi­mi­da­de das me­sas em 99% dos res­tau­ran­tes do Cen­tro é pa­ra al­can­çar o má­xi­mo da ca­pa­ci­da­de de ocu­pa­ção e, em con­seqüên­cia, o sal­do ban­cá­rio do do­no do res­tau­ran­te. E a pri­va­ci­da­de que des­ça ra­lo abai­xo. Tam­bém, quem man­dou es­pe­rar pri­va­ci­da­de num res­tau­ran­te no Cen­tro do Rio, na ho­ra do al­mo­ço? Daí a con­ver­sa ter en­tra­do pe­los meus ou­vi­dos, pa­la­vras es­par­sas mas ni­ti­da­men­te do uni­ver­so em­pre­sa­ri­al.

E en­tão eu ou­vi. Foi al­go co­mo “...até se­tem­bro já po­de­mos star­tar o pro­je­to...”. Ca­cil­da!!! Ju­ro que ou­vi. Es­tão star­tan­do um pro­je­to em al­gum lu­gar aqui no Rio, mais pre­ci­sa­men­te no Cen­tro! E pa­ra da­qui a pou­co,
em se­tem­bro! Mais um de­sas­tre que os ca­ri­o­cas vão ter que en­go­lir sem mas­ti­gar, exa­ta­men­te o que eu fiz com o pei­xe que eu es­ta­va de­gus­tan­do na­que­la ho­ra, as­sim que ou­vi a bom­ba. Que pro­je­to é es­se que se­rá star­ta­do em se­tem­bro? Um boi­co­te ao PAC? Apa­gão no Su­des­te? O lan­ça­men­to do BBB-8?

Qua­se per­gun­tei à vi­zi­nha em­pre­sá­ria um es­cla­re­ci­men­to as­sim por al­to, mas eu es­ta­ria con­fir­man­do mi­nha abe­lhu­di­ce, con­fes­san­do que ou­vi o se­gre­do de­las e elas tal­vez ti­ves­sem que me eli­mi­nar em se­gui­da. Fi­quei na mi­nha, e o pi­or, nin­guém mais na me­sa on­de eu es­ta­va pa­re­cia ter ou­vi­do ou, se ou­viu, não deu a me­nor bo­la, por­que os três con­ti­nu­a­ram a al­mo­çar e a con­ver­sar co­mo se na­da es­ti­ves­se pres­tes a mu­dar na vi­da da ci­da­de. Pe­lo sim, pe­lo não, fiz o mes­mo e con­ti­nu­ei no pa­po.

Po­bre de nós, ci­da­dãos, que nem na ho­ra do al­mo­ço es­ta­mos li­vres de cons­pi­ra­ções, com­plôs e in­tri­gas cor­po­ra­ti­vas (é me­lhor en­trar na dan­ça e tro­car em­pre­sa­ri­ais por cor­po­ra­ti­vas, é mais “mu­der­no”), e qua­se ser­mos en­vol­vi­dos ne­las sem que­rer. E só por es­tar­mos cal­ma­men­te al­mo­çan­do. O ne­gó­cio, ago­ra, é es­co­lher mui­to bem o lo­cal da re­fei­ção, exa­mi­nar a ca­ra dos vi­zi­nhos de me­sa e, ao me­nor si­nal de con­ver­sas de tra­ba­lho, star­tar uma re­ti­ra­da es­tra­té­gi­ca e mu­dar de pon­to. Se­gu­ro mor­reu de ve­lho, uai.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br

Compartilhe