Colaboradores

Osmose

quinta-feira, 10 de julho de 2008 Texto de

En­trou um in­se­to no meu ou­vi­do di­rei­to. Não que fa­ça mui­ta di­fe­ren­ça ter si­do no di­rei­to ou no es­quer­do, mas es­tou sen­do fi­el aos fa­tos. Ele en­trou no ou­vi­do di­rei­to, e lá se en­con­tra até ho­je. Tem mais de du­as se­ma­nas que is­so acon­te­ceu e a es­sas ho­ras ele já de­ve es­tar mor­to. Por­que se ain­da es­ti­ves­se vi­vo, pe­lo me­nos da­ria pa­ra ou­vir seu zum­bi­do de de­ses­pe­ro ou seu mo­vi­men­to, có­ce­gas, en­fim, vi­da. E não sin­to na­da.

Eu es­ta­va qua­se dor­min­do, com o la­do es­quer­do do ros­to en­cos­ta­do no tra­ves­sei­ro - por­tan­to com o di­rei­to a des­co­ber­to - quan­do ou­vi um zum­bi­do mui­to pró­xi­mo. Ins­tin­ti­va­men­te fiz o ges­to na­tu­ral de es­pan­tar o in­se­to com a mão di­rei­ta, e o zum­bi­do tor­nou-se mais for­te, pro­va­vel­men­te por­que ele se apro­xi­mou da ore­lha di­rei­ta pa­ra fu­gir do meu ta­pa. E foi aí que eu sen­ti, con­cre­ta­men­te, que ele es­ta­va na mi­nha ore­lha. Es­pan­tei-o ou­tra vez e deu no que deu. Ele en­trou di­re­to. Nes­sas al­tu­ras o so­no já ti­nha ido pra cu­cuia, se­ja lá o que is­so quei­ra di­zer. Le­van­tei-me com có­ce­gas na ore­lha e cor­ri pa­ra pro­vi­den­ci­ar ál­co­ol, pen­san­do que com o chei­ro for­te o mos­qui­to sai­ria ton­to, mas sai­ria. En­ga­no meu. No que es­pre­mi o al­go­dão en­char­ca­do de ál­co­ol den­tro do ou­vi­do sen­ti uma li­gei­ra có­ce­ga e só. De­pois dis­so, mais ne­nhum si­nal de vi­da no lo­cal.

Mar­quei ho­ra no otor­ri­no pa­ra que ele exa­mi­ne o lo­cal mais de­ta­lha­da­men­te. Não pos­so di­zer que sin­to dor ou al­go pa­re­ci­do. Nem incô­mo­do che­ga a ser. Mas mi­nha au­di­ção do la­do di­rei­to es­tá sem dú­vi­da obum­bra­da, meio opa­ca. Sin­to des­se la­do um pe­so di­fe­ren­te do nor­mal. E não me re­fi­ro ao pe­so do mos­qui­to, is­so não. O pe­so é ge­ral, lo­ca­li­za­do no meu la­do di­rei­to da per­cep­ção de sons. Po­de não ser o cor­po de­le, que já de­ve ter se des­ma­te­ri­a­li­za­do den­tro do meu ou­vi­do ou do meu cé­re­bro, mas a es­tra­nha sen­sa­ção de uma com­pa­nhia diu­tur­na cer­ta­men­te é con­seqüên­cia de sua per­ma­nên­cia den­tro de mim du­ran­te to­do es­se tem­po.

Só te­nho me­do que ele se­ja ela, que es­ti­ves­se pre­nha na ho­ra do aci­den­te e meio des­nor­te­a­da em con­seqüên­cia de seu es­ta­do. Vai que mor­reu, os fi­lho­tes nas­ce­ram du­ran­te sua ago­nia etí­li­ca, se adap­ta­ram ao no­vo am­bi­en­te e se en­ca­mi­nha­ram pa­ra meu cé­re­bro, on­de es­tão se re­pro­du­zin­do. Pre­ci­so avi­sar ao mé­di­co que tam­bém exa­mi­ne o es­tra­nho som que às ve­zes emi­to quan­do fa­lo. Não pos­so afir­mar, mas o som ar­ra­nha­do e mui­to agu­do pou­co se as­se­me­lha à ma­nei­ra co­mo eu fa­la­va an­tes da che­ga­da de meu hós­pe­de.

E-mail: anaflores.rj@terra.com.br « vol­tar

Compartilhe