Vo­cê até po­de ter um bom ano
Di­fí­cil é vi­ver um gran­de dia

É pre­ci­so co­ra­gem pa­ra en­ca­rar os mi­nu­tos
E ad­mi­tir que são pou­co apro­vei­ta­dos, coi­ta­dos!

Pre­fe­ri­mos a abs­tra­ção e a uto­pia
De um ba­lan­ço anu­al con­for­mis­ta

“Até que foi um bom ano”
E de­pois: “Es­se ano se­rá me­lhor”

E de no­vo: “Até que foi um bom ano”
E de no­vo, de­pois: “Es­se ano se­rá me­lhor”

Va­mos lan­çar a cam­pa­nha “Sal­vem os Mi­nu­tos!”

ONGs es­ta­rão por to­da a par­te com su­as ações de im­pac­to
Pre­si­den­tes de na­ções se­rão obri­ga­dos a se po­si­ci­o­nar já!

Ar­tis­tas da­rão as mãos pa­ra can­tar o co­ro gos­pel da sal­va­ção
Pu­bli­ci­tá­ri­os vão fa­tu­rar em no­me da boa cau­sa que não po­de es­pe­rar

Re­li­gi­o­sos lan­ça­rão pre­ces por mi­nu­tos de paz
Ca­sais fal­ta­rão ao tra­ba­lho por mi­nu­tos de amor

Com seus pon­tei­ros ar­re­pen­di­dos, re­ló­gi­os pe­di­rão per­dão às ho­ras
Es­ta­rá ex­tin­to o de­pois. O ago­ra se­rá a bo­la da vez

Até a in­ci­dên­cia de cri­mes vai cair de ma­du­ra
Por­que quem faz o mal não rou­ba­rá mais a aten­ção de nin­guém

To­dos es­ta­rão mui­to ocu­pa­dos sal­van­do seus pró­pri­os mi­nu­tos

A vi­da não pas­sa­rá mais num se­gun­do
E con­tar até dez se­rá es­tres­se do pas­sa­do

Que te­nha­mos, en­fim, mui­tos anos ex­tra­or­di­ná­ri­os
Fei­tos de gran­des di­as por mi­nu­tos me­lho­res.

E-mail: jfeza@bol.com.br

Compartilhe