Meu hino pobre- Texto de Fernanda Villas Bôas | Márcio ABC

Eu pos­so re­pre­sen­tar uma ex­ce­ção, mas meu hi­no pre­fe­ri­do é o da Ban­dei­ra, o pri­mo po­bre dos hi­nos bra­si­lei­ros. Sim, pri­mo po­bre, que não se com­pa­ra com a sun­tu­o­si­da­de do Na­ci­o­nal nem pro­vo­ca a co­mo­ção pá­tria do da In­de­pen­dên­cia, aque­le do “bra­va gen­te bra­si­lei­ra”.

Meu hi­no é mais sim­ples, me­nos eloqüen­te. Cha­ma a ban­dei­ra de “pen­dão da es­pe­ran­ça” e con­fia no sen­ti­men­to do ci­da­dão ao “que­ri­do sím­bo­lo da ter­ra”. Tal­vez, se­ja a sin­ge­le­za da mú­si­ca que me atraia. Ou a efi­ci­ên­cia dos ver­sos – aliás, ver­sos de gri­fe, as­si­na­dos por Ola­vo Bi­lac.

Quer sa­ber? Eu não me im­por­to com o fa­to de o meu hi­no ser eclip­sa­do pe­los ti­tãs daí de ci­ma. Por­que o Hi­no da Ban­dei­ra car­re­ga uma van­ta­gem em re­la­ção aos seus ti­os-avôs: ele co­mu­ni­ca me­lhor seu con­teú­do. Quem não en­ten­de is­so?

Em teu seio for­mo­so re­tra­tas
Es­te céu de pu­rís­si­mo azul,
A ver­du­ra sem par des­tas ma­tas,
E o es­plen­dor do Cru­zei­ro do Sul.

Tu­do bem que a or­dem in­di­re­ta da pri­mei­ra es­tro­fe não se­ja um exem­plo de ob­je­ti­vi­da­de:

Tua no­bre pre­sen­ça à lem­bran­ça
A gran­de­za da Pá­tria nos traz.

Mas na­da que um pe­que­no re­po­si­ci­o­na­men­to sin­tá­ti­co não re­sol­va: “A gran­de­za da Pá­tria nos traz à lem­bran­ça tua no­bre pre­sen­ça”. Viu? Cla­rís­si­mo. O mes­mo não se po­de di­zer des­se tre­cho do Hi­no da In­de­pen­dên­cia:

Os gri­lhões que nos for­ja­vam
Da per­fí­dia as­tu­to ar­dil...

Hã? E O Na­ci­o­nal não fi­ca atrás no que­si­to obs­cu­ri­da­de. Na mi­nha in­fân­cia, por exem­plo, sem­pre ima­gi­nei rin­cões bra­si­lei­ros for­ra­dos de sor­ri­den­tes mar­ga­ri­das – era o que eu en­ten­dia quan­do ou­via es­se tre­cho:

Do que a ter­ra, mais gar­ri­da,
Teus ri­so­nhos, lin­dos cam­pos têm mais flo­res

Foi len­do Sér­gio Au­gus­to em As Pe­nas do Ofí­cio (Agir) que fiz um up­gra­de no meu re­per­tó­rio “hi­no­ló­gi­co”. Des­co­bri, por exem­plo, que na Co­pa de 2002 o jor­nal in­glês The Guar­di­an clas­si­fi­cou o Na­ci­o­nal Bra­si­lei­ro co­mo o mais bo­ni­to de to­dos hi­nos exe­cu­ta­dos nos es­tá­di­os. Ele foi cha­ma­do de “o mais ale­gre, o mais ani­ma­do, o mais me­lo­di­o­so e o mais en­can­ta­dor do pla­ne­ta”, des­ban­can­do até mes­mo a su­pos­ta so­be­ra­nia da Mar­se­lhe­sa. Po­de ser que o The Guar­di­an te­nha elo­gi­a­do o Na­ci­o­nal (ou Vi­run­dum na in­ti­mi­da­de) pa­ra es­pe­tar os fran­ce­ses, de­sa­fe­tos his­tó­ri­cos dos in­gle­ses. O fa­to é que nin­guém con­tes­tou a ras­ga­ção de se­da, e saí­mos do Ja­pão com dois tí­tu­los: um hi­no acla­ma­do e o Pen­ta!

Sér­gio Au­gus­to, um dos no­mes mais fe­li­zes do jor­na­lis­mo cul­tu­ral, tam­bém men­ci­o­na ou­tra cu­ri­o­si­da­de: o Na­ci­o­nal foi re­vi­sa­do e qua­se re­com­pos­to an­tes de fin­car raí­zes no nos­so ima­gi­ná­rio. Pi­ta­cos, co­lhe­ra­das, in­ter­ven­ções – de na­da dis­so, o hi­no se li­vrou. Ve­ja co­mo ele fi­ca­ria se as su­ges­tões ou pri­mei­ras ver­sões ti­ves­sem si­do aca­ta­das:

Ou­vi­ram do Ipi­ran­ga as mar­gens plá­ci­das
Da In­de­pen­dên­cia o gri­to re­tum­ban­te (...)
Fa­da­do pe­la mão da na­tu­re­za
És be­lo, és for­te, im­pá­vi­do gi­gan­te.

Con­cor­do: es­tra­nhís­si­mo. O fa­to é que, até ho­je, mui­ta gen­te acha os hi­nos um pan­fle­to men­ti­ro­so, ufa­nis­ta e des­ne­ces­sá­rio, ca­paz de ocul­tar as con­tra­di­ções so­ci­ais sob a égi­de do ber­ço es­plên­di­do, dos rai­os fúl­gi­dos e da pá­tria ama­da, sal­ve, sal­ve. Eu, não. Ado­ro os hi­nos. So­zi­nhos, eles não res­ga­tam a iden­ti­da­de de um po­vo, mas po­dem aju­dá-lo a re­de­se­nhar o con­tor­no des­sa iden­ti­da­de por meio da po­e­sia. Sin­ce­ra­men­te, acre­di­to que a ban­dei­ra bra­si­lei­ra de­va, sim, re­ce­ber o afe­to que se en­cer­ra no meu pei­to ju­ve­nil (ok, não tão ju­ve­nil as­sim...). O que não dá pa­ra con­ce­ber é que es­sa mes­ma ban­dei­ra se­ja tam­bém o sím­bo­lo au­gus­to da pá­tria da po­li­ti­ca­gem ca­na­lha que faz a fes­ta há dé­ca­das no po­der. É pa­ra es­sa gen­te que ser­ve aque­le pe­da­ço re­den­tor e, quem sa­be, pro­fé­ti­co do Na­ci­o­nal:

Se o pe­nhor des­sa igual­da­de
Con­se­gui­mos con­quis­tar com bra­ço for­te

Não con­quis­ta­mos ain­da a igual­da­de, mas nun­ca é tar­de pa­ra lem­brar que nos­so bra­ço é for­te.

Compartilhe