O con­to sin­te­ti­za os pro­ble­mas cul­tu­rais e so­ci­ais de Cu­ba na Di­ta­du­ra de Fi­del Cas­tro e que­bra pa­ra­dig­mas. Mos­tra co­mo o ho­mem con­tem­po­râ­neo e a re­a­li­da­de cu­ba­na são con­tra­di­tó­ri­os e frag­men­ta­dos. A his­tó­ria nar­ra o en­con­tro con­fli­tu­o­so e de ami­za­de en­tre Di­e­go, ho­mos­se­xu­al e in­te­lec­tu­al Cu­ba­no, e Da­vid, mem­bro do par­ti­do co­mu­nis­ta cu­ba­no. O nar­ra­dor es­tá em pri­mei­ra pes­soa e quem con­ta os acon­te­ci­men­tos é Da­vid.

O ho­mos­se­xu­al Di­e­go mos­tra um no­vo olhar ao nar­ra­dor, o mun­do não é de
um ma­ni­queís­mo sim­plis­ta Ca­pi­ta­lis­mo X Co­mu­nis­mo. A par­tir de­le, Da­vid
apre­cia o fru­to proi­bi­do que são os li­vros re­ne­ga­dos pe­la Re­vo­lu­ção Cu­ba­na, o sor­ve­te de mo­ran­go e os pra­ze­res de uma sa­bo­ro­sa co­mi­da, que
são con­se­gui­das na mai­o­ria das ve­zes ile­gal­men­te.

Quer mos­trar o co­nhe­ci­men­to a ele e dar di­cas pa­ra que o par­ti­dá­rio do par­ti­do co­mu­nis­ta e as­pi­ran­te a es­cri­tor me­lho­re o seu tex­to, e que te­nha uma ri­ca car­ga de lei­tu­ra tam­bém (prin­ci­pal­men­te de au­to­res de van­guar­das e pen­sa­do­res com­ple­xos), pa­ra ter uma for­ma­ção cul­tu­ral am­pla e que o aju­de a de­sen­vol­ver as idéi­as me­lhor, tor­nan­do-o um es­cri­tor con­sis­ten­te.

No pon­to de vis­ta da re­vo­lu­ção cu­ba­na, Di­e­go per­ten­ce ao ve­lho e de­ca­den­te seg­men­to da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta e o no­vo ho­mem são os
fi­lhos da re­vo­lu­ção. Con­tu­do, es­ta idéia é rom­pi­da na his­tó­ria: o ver­da­dei­ro ho­mem no­vo é aque­le que não se­gue dog­mas re­li­gi­o­sos e po­lí­ti­cos, vi­ve li­vre e sem pre­con­cei­tos.

Na mi­nha opi­nião, o con­to tem as­pec­tos em co­mum com Um ar­tis­ta Apren­diz (Au­tran Dou­ra­do, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção à dis­cus­são so­bre
ar­te). Nes­te ro­man­ce bra­si­lei­ro há nas pri­mei­ras fo­lhas uma ci­ta­ção de
Go­ethe (Os anos de apren­di­za­gem de Wi­lhelm Meis­ter): “Ca­da um tem sua
fe­li­ci­da­de nas mãos co­mo o ar­tis­ta a ma­té­ria bru­ta à qual ele quer dar for­ma. Na ar­te, só a ca­pa­ci­da­de é ina­ta: é pre­ci­so apren­di­za­do e acu­ra­do exer­cí­cio”.

O es­cri­tor Au­tran Dou­ra­do con­tex­tu­a­li­zou em seu ro­man­ce vá­ri­as ques­tões atem­po­rais so­bre ar­te e li­te­ra­tu­ra. Pa­ra o per­so­na­gem prin­ci­pal João, a ar­te faz re­fle­tir, nun­ca de­ve ser usa­da pa­ra exer­cer do­mi­na­ção, cau­san­do um em­po­bre­ci­men­to in­te­lec­tu­al. A li­te­ra­tu­ra que ele pre­ten­de fa­zer so­bre­põe qual­quer ide­o­lo­gia do­mi­nan­te. É a sua ex­pres­são mais ver­da­dei­ra.

Se­nel Paz tra­ba­lha bas­tan­te com in­ter­tex­tu­a­li­da­de com ou­tros au­to­res,
apon­tan­do no­vos ca­mi­nhos pa­ra a li­te­ra­tu­ra do país. O au­tor nas­ceu em
San­ti Spi­ri­tu, in­te­ri­or de Cu­ba, em 1950. Per­ten­ce à pri­mei­ra ge­ra­ção de cu­ba­nos for­ma­da pe­la re­vo­lu­ção. Ele é tes­te­mu­nha dos mo­men­tos mais
re­pres­so­res da Re­vo­lu­ção.

“Os mei­os ar­tís­ti­cos não es­ca­pam a um cer­to de­sen­can­to, em­bo­ra a
ex­plo­são cul­tu­ral da dé­ca­da de 90 - li­te­ra­tu­ra, mú­si­ca, pin­tu­ra e ci­ne­ma­to­gra­fia, sob a égi­de do Ins­ti­tu­to Cu­ba­no das Ar­tes e In­dús­tri­as
Ci­ne­ma­to­grá­fi­cas (ICAIC) - te­nha pro­pi­ci­a­do uma gran­de aber­tu­ra por par­te da União Na­ci­o­nal de Es­cri­to­res e Ar­tis­tas (UNEAC). Nas­ceu uma no­va e ta­len­to­sa ge­ra­ção li­te­rá­ria - Le­o­nar­do Pa­du­ra, Se­nel Paz, Ena Lu­cia Por­te­la, Abi­lio Es­té­vez. A acu­mu­la­ção, em­bo­ra ain­da li­mi­ta­da, se de­sen­vol­veu, fa­ci­li­ta­da pe­la pe­nú­ria, pe­la du­a­li­da­de mo­ne­tá­ria e, prin­ci­pal­men­te, pe­la au­to­no­mia das em­pre­sas de tu­ris­mo Pa­ra Es­té­vez, es­sa ge­ra­ção di­ri­ge seu olhar pa­ra a so­ci­e­da­de, mas ‘é um olhar cheio de amar­gu­ra, cheio de ce­ti­cis­mo’”.

Evo­can­do a sau­da­de do pas­sa­do em sua obra, ele ex­pli­ca que is­so se apli­ca à Re­vo­lu­ção e ao ca­to­li­cis­mo, “que sa­cri­fi­ca o pre­sen­te em no­me do Céu, do Pa­raí­so, en­quan­to a Re­vo­lu­ção sa­cri­fi­ca o pre­sen­te em no­me do fu­tu­ro, que não me in­te­res­sa. O que me in­te­res­sa é co­mo vi­vo ho­je”. **

A li­te­ra­tu­ra cu­ba­na tem uma ga­ma li­te­rá­ria di­ver­sa, que ex­pres­sa ri­que­za e com­ple­xi­da­de do ho­mem e do mun­do. O tí­tu­lo se re­me­te a uma fá­bu­la que re­su­me mui­to bem a his­tó­ria.

Re­fe­rên­ci­as
PAZ, Se­nel. O lo­bo, o bos­que e o ho­mem no­vo. Rio de Ja­nei­ro: Fran­cis­co
Al­vez, 1994.

***http://diplo.uol.com.br/2004-06,a935

O con­to te­ve uma ver­são ci­ne­ma­to­grá­fi­ca: Mo­ran­go e Cho­co­la­te.

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe