Colaboradores

La Vorágine - Texto de Dudu Oliva

sexta-feira, 13 de julho de 2007 Texto de

O li­vro nar­ra as des­ven­tu­ras de Ar­tu­ro Co­va, que vi­a­ja à sel­va amazô­ni­ca pa­ra re­a­li­zar so­nhos de gló­ri­as da ju­ven­tu­de. O li­vro co­me­ça com frag­men­to de uma car­ta do pro­ta­go­nis­ta, que re­ve­la o pro­ces­so de de­sen­can­to que Ar­tu­ro so­freu ao lon­go da tra­ves­sia nas en­tra­nhas da sel­va.

De­pois vem um pró­lo­go de Jo­sé Eus­ta­sio Ri­ve­ra (Colôm­bia, 1924), que in­tro­duz o pro­ble­ma da es­cra­vi­dão e a vi­o­lên­cia que mui­tos so­frem, prin­ci­pal­men­te os se­rin­guei­ros. A flo­res­ta tam­bém é uma gran­de ini­mi­ga, mui­tos são con­su­mi­dos por do­en­ças ou pi­ca­das de in­se­tos e são de­vo­ra­dos por bes­tas fa­min­tas.

O au­tor dá uma óti­ca ver­da­dei­ra e do­cu­men­tal na es­tru­tu­ra da his­tó­ria, prin­ci­pal­men­te no pró­lo­go: “Em es­sas pá­gi­nas res­pei­tei o es­ti­lo e as in­cor­re­ções do in­for­tu­na­do es­cri­tor...” . Co­va es­cre­ve sua “ odis­séia” ou “in­fer­no dan­tes­co” num li­vro de con­tas e dá voz pa­ra ou­tros per­so­na­gens, os quais con­tam su­as res­pec­ti­vas his­tó­ri­as e an­gús­ti­as.

Es­te re­la­to che­gou às mãos de Ri­ve­ra, um co­lom­bi­a­no, es­cri­tor, po­e­ta, que exer­ceu o car­go de se­cre­tá­rio e fez vá­ri­as mis­sões di­plo­má­ti­cas em al­gu­mas na­ções ame­ri­ca­nas. Fic­ção e re­a­li­da­de se mis­tu­ram, mos­tran­do pro­ble­mas di­a­lé­ti­cos que ocor­rem até ho­je na Amé­ri­ca La­ti­na: Ho­mem x A Flo­res­ta Vo­raz e Iden­ti­da­de na­ci­o­nal x in­jus­ti­ça so­ci­al. A no­ve­la é uma das mais re­pre­sen­ta­ti­vas da li­te­ra­tu­ra his­pa­no-ame­ri­ca­na.

La Vo­rá­gi­ne é uma sín­te­se de vá­ri­os es­ti­los li­te­rá­ri­os: ro­man­tis­mo, na­tu­ra­lis­mo e mo­der­nis­mo His­pa­no-ame­ri­ca­no*. Jo­sé Eus­ta­sio Ri­ve­ra foi po­e­ta e sem­pre compôs ima­gens in­ten­sas e for­tes em re­la­ção à sel­va.

No li­vro há pas­sa­gens que vão do li­ris­mo ao gro­tes­co. Al­guns crí­ti­cos de­fi­ni­ram que a no­ve­la co­lom­bi­a­na é con­ta­gi­a­da por vá­ri­as vo­zes. A sua nar­ra­ti­va não é fe­cha­da e sim­ples, mas frag­men­ta­da.

Ar­tur Co­va re­la­ta­va os acon­te­ci­men­tos no ca­lor das emo­ções, de­lí­ri­os e in­flu­en­ci­a­do pe­lo cli­ma hos­til da flo­res­ta amazô­ni­ca. Lo­go, mui­tos te­rão a lei­tu­ra que a Sel­va é a ver­da­dei­ra per­so­na­gem prin­ci­pal.

* O Mo­der­nis­mo His­pâ­ni­co (XIX-XX) se as­se­me­lha mais com o sim­bo­lis­mo, já o mo­der­nis­mo bra­si­lei­ro (sé­cu­lo XX) com as van­guar­das eu­ro­péi­as. “O ter­mo mo­der­nis­mo, bas­tan­te con­tro­ver­ti­do, usa­do na crí­ti­ca an­glo-ame­ri­ca­na pa­ra re­fe­rir-se a tes­tos an­ti­i­mi­ta­ti­vos e an­ti-re­a­lis­tas, nas li­te­ra­tu­ras his­pâ­ni­cas de­sig­na um de­ter­mi­na­do mo­vi­men­to li­te­rá­rio. Pri­mei­ro mo­vi­men­to es­té­ti­co ori­gi­na­do na Amé­ri­ca, co­mo sig­no de seu de­sen­rai­za­men­to es­pi­ri­tu­al, sur­giu co­mo uma ori­en­ta­ção ge­ral dos es­pí­ri­tos, uma ten­dên­cia in­te­lec­tu­al e cul­tu­ral. É a for­ma li­te­rá­ria de um mon­do em trans­for­ma­ção, sín­te­se das in­qui­e­ta­ções e idéi­as de uma clas­se que atin­giu seu apo­geu no sé­cu­lo XIX e co­me­ça a de­cli­nar no sé­cu­lo XX. Se­gun­do a tra­di­ção sin­cré­ti­ca da li­te­ra­tu­ra his­pa­no-ame­ri­ca­na, com­bi­nou o mun­do an­ti­go ao mo­der­no, cons­ti­tuin­do, no do­mí­nio das ar­tes, a re­per­cus­são de um es­ta­do de es­pí­ri­to pe­cu­li­ar a uma épo­ca, co­mo to­ma­da cons­ci­ên­cia de seu tem­po.” ( Pág.119). Se al­guém qui­ser sa­ber mais des­te as­sun­to, tem o li­vro da Bel­la Jo­zef: HISTÓRIA DA LITERATURA HISPANO-AMERICANA EDITORA: edi­to­ra, Fran­ci­so Al­ves.
Ou­tras Di­cas:
LITERATURA E SUB­DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO-An­to­nio Can­di­do: (http://www.ufrgs.br/cdrom/candido/index01.html) http://www.letelier.org/actas/catastro/ensayos/article_15.shtml

E-mail: dudu.oliva@uol.com.br

Compartilhe