Geral

10 papos com o escritor Lucius de Mello

terça-feira, 12 de junho de 2007 Texto de

1 Co­mo nas­ceu a idéia de es­cre­ver um li­vro so­bre a sa­ga de ju­deus que fu­gi­ram do na­zis­mo no Bra­sil?

Lu­cius - Foi lo­go de­pois que lan­cei a bi­o­gra­fia da Eny. Na épo­ca a edi­to­ra Va­lé­ria Mot­ta – ho­je não mais na Ob­je­ti­va, mas ro­tei­ris­ta da TV Record,(escreveu a no­ve­la Bi­cho do Ma­to), me su­ge­riu co­nhe­cer a his­tó­ria dos re­fu­gi­a­dos ju­deus quan­do per­gun­tei a ela se ti­nha al­gu­ma idéia do que po­de­ria ser o meu pró­xi­mo pro­je­to li­te­rá­rio.

2 E a par­tir daí, vo­cê de­ci­diu to­car o pro­je­to?

Lu­cius - No iní­cio de 2003 fui co­nhe­cer a ci­da­de de Ro­lân­dia, no nor­te do Pa­ra­ná, e fa­zer as pri­mei­ras en­tre­vis­tas. Não deu ou­tra. A sa­ga dos re­fu­gi­a­dos ju­deus me con­quis­tou. E te­nho cer­te­za que vai con­quis­tar os meus lei­to­res tam­bém. Agra­de­ço aos edi­to­res Pe­dro Pau­lo de Se­na Ma­du­rei­ra e Luiz Vas­con­cel­los, da No­vo Sé­cu­lo, que acre­di­ta­ram no pro­je­to.

3 Qual é o prin­ci­pal tem­pe­ro da obra? O que vo­cê po­de adi­an­tar?

Lu­cius – O tí­tu­lo A Tra­ves­sia da Ter­ra Ver­me­lha foi ins­pi­ra­do na Tra­ves­sia do Mar Ver­me­lho. As­sim co­mo os ju­deus que fu­gi­ram do fa­raó no an­ti­go Egi­to, os re­fu­gi­a­dos do meu li­vro tam­bém fu­gi­ram, nes­te ca­so, da per­se­gui­ção na­zis­ta. Co­mo no Pa­ra­ná, a ter­ra tem es­se ape­li­do ca­ri­nho­so de ter­ra ver­me­lha, achei le­gal fa­zer es­se link.
Es­te no­vo li­vro é um ro­man­ce his­tó­ri­co ba­se­a­do nu­ma in­ten­sa e mi­nu­ci­o­sa pes­qui­sa re­a­li­za­da aqui no Bra­sil e na Ale­ma­nha. Co­mo dis­se San­to Agos­ti­nho: “A me­mó­ria é a ca­sa da al­ma”. E acho que ele po­de es­tar cer­to sim. Ao vas­cu­lhar a me­mó­ria dos imi­gran­tes e re­fu­gi­a­dos pro­cu­rei en­trar em con­ta­to com o que es­ta­va além dos fa­tos e das fo­tos; quis co­nhe­cer mais a fun­do as co­res da per­so­na­li­da­de de ca­da um. E des­co­bri ver­da­des que pou­cos co­nhe­ci­am. Se­gre­dos de fa­mí­lia, por exem­plo, que mui­to con­tri­bu­em pa­ra com­pre­en­são dos fa­tos his­tó­ri­cos. Jun­to com o res­ga­te e a re­cons­tru­ção des­se pas­sa­do, fiz tam­bém um re­tra­to psi­co­ló­gi­co des­sas pes­so­as mar­ca­das pa­ra mor­rer na Ale­ma­nha, mas que re­nas­ce­ram na fér­til Ter­ra Ver­me­lha do Pa­ra­ná. O prin­ci­pal tem­pe­ro da obra são as his­tó­ri­as de re­sis­tên­cia das pes­so­as que fi­ze­ram par­te des­sa sa­ga. A li­ção de vi­da. Elas me en­si­na­ram e de­vem en­si­nar aos meus lei­to­res co­mo a vi­da fi­ca me­lhor sem­pre que va­lo­ri­za­mos a es­pe­ran­ça e o oti­mis­mo.

4 Seu pri­mei­ro li­vro é de con­tos. O se­gun­do e ago­ra o ter­cei­ro tri­lham ou­tros ru­mos, de pes­qui­sa jor­na­lís­ti­ca in­clu­si­ve. Vo­cê vai por es­sa es­tra­da ou gos­ta de en­cru­zi­lha­das?

Lu­cius – Pre­fi­ro cha­mar es­sa “en­cru­zi­lha­da”, co­mo vo­cê diz, de es­pa­ço fas­ci­nan­te, pa­ra pou­cos e ra­ros e sím­bo­lo da atu­al pós-mo­der­ni­da­de ou re­a­li­da­de lí­qui­da co­mo diz o fi­ló­so­fo po­lo­nês Zyg­munt Bau­man. Es­pa­ço que os aca­dê­mi­cos cos­tu­mam cha­mar de mis­te­ri­o­sa fron­tei­ra en­tre a re­a­li­da­de e a fic­ção.

Fron­tei­ra tão freqüen­ta­da por no­mes con­sa­gra­dos da li­te­ra­tu­ra co­mo Um­ber­to Eco, por exem­plo. Cla­ro que não é de ho­je que es­se es­pa­ço ins­ti­ga es­cri­to­res e jor­na­lis­tas. No co­me­ço da dé­ca­da de 60, Tom Wol­fe, Tru­man Ca­po­te e Ta­le­se, tam­bém re­pór­te­res, na­da­ram em águas pa­re­ci­das, as águas do New Jour­na­lism. Há tam­bém a me­ta-fic­ção que vi­bra em freqüên­cia mui­to se­me­lhan­te.

Jo­sé Sa­ra­ma­go tam­bém mer­gu­lha nes­sas águas. E vi­ve di­zen­do: In­gê­nu­os são os que acre­di­tam que vi­ve­mos num “mun­do re­al”. Me­dío­cres os que se li­mi­tam a vi­ver ten­tan­do man­ter o pa­drão ul­tra­pas­sa­do que in­sis­te em se­pa­rar a re­a­li­da­de da fic­ção ou vi­ce-ver­sa. Deus é uma re­a­li­da­de? O Di­a­bo é re­al? Quem ga­ran­te que lá no al­to, em ci­ma das nos­sas ca­be­ças não exis­te, li­te­ral­men­te, um céu de fic­ção? A de­mo­cra­cia é uma re­a­li­da­de? Há quem di­ga, in­clu­si­ve, que no atu­al mun­do em que vi­ve­mos, on­de qua­se to­dos e qua­se tu­do são re­féns do po­der econô­mi­co, o fic­ci­o­nis­ta é mais fi­el à re­a­li­da­de do que o jor­na­lis­ta. “Os fa­tos têm o pés­si­mo há­bi­to de ocul­tar a ver­da­de aos nos­sos olhos”, diz Amós Oz, o mai­or au­tor is­ra­e­len­se vi­vo. Mais do que nun­ca, os pa­ra­dig­mas es­tão aí pa­ra se­rem que­bra­dos. Re­cons­truí­dos. Re­pen­sa­dos.

O mun­do que os co­mer­ci­ais de te­le­vi­são mos­tram pa­ra con­ven­cer o te­les­pec­ta­dor a com­prar re­ve­la o re­al? O car­tão de cré­di­to, por exem­plo... Ele é a mai­or pro­va de que mui­tos de nós vi­ve­mos num mun­do que es­tá lon­ge de ser o mun­do re­al que de­ve­ría­mos viver...O mun­do do con­su­mo é o rei­no da fic­ção. Os shop­pings cen­ters, en­tão... são cas­te­los de con­tos de fa­das... Não é por aca­so que o fi­ló­so­fo po­lo­nês Zig­munt Bau­man pre­fe­re cha­mar a nos­sa re­a­li­da­de de “re­a­li­da­de lí­qui­da”, ou se­ja, aque­la que mu­da de for­ma com a mes­ma agi­li­da­de da água.

Sha­kes­pe­a­re es­cre­veu Ro­meu e Ju­li­e­ta, ba­se­a­do num ca­so ve­rí­di­co. Mar­cel Proust cri­ou sua obra mai­or Em Bus­ca do Tem­po Per­di­do con­tan­to a sua pró­pria vi­da e a vi­da dos seus ami­gos e pa­ren­tes, mas tro­can­do os no­mes das pes­so­as. Gran­de par­te da li­te­ra­tu­ra uni­ver­sal be­be no “mun­do re­al”.
Pa­ra es­cre­ver es­se meu no­vo li­vro eu be­bi na fon­te da Me­mó­ria e, com ba­se em de­ze­nas de de­poi­men­tos, do­cu­men­tos, car­tas, diá­ri­os, re­cons­truí o pas­sa­do de mãos da­das com jor­na­lis­mo e a li­te­ra­tu­ra.

Nun­ca dis­se que es­cre­vo li­vros re­por­ta­gens. Não é es­se o meu pro­pó­si­to. E não acho, co­mo al­gu­mas pes­so­as pen­sam, que um es­ti­lo se­ja me­lhor que o ou­tro ou que a li­te­ra­tu­ra se­ja uma fer­ra­men­ta me­nor que en­fra­que­ça pro­je­tos des­te gê­ne­ro. Sin­ce­ra­men­te acho que quem pen­sa as­sim não tem re­per­tó­rio in­te­lec­tu­al pa­ra en­ten­der a pro­pos­ta.

Con­si­de­ro a li­te­ra­tu­ra um sa­cer­dó­cio. Quan­do es­cre­vo bus­co cons­truir uma obra de ar­te. E mui­to sé­ria. Tan­to no ca­so da Eny (bi­o­gra­fia ro­man­ce­a­da) co­mo ago­ra com meu no­vo li­vro. E acho que o pú­bli­co em ge­ral e até o mais in­te­lec­tu­a­li­za­do e crí­ti­co têm en­ten­di­do o meu pro­pó­si­to. Tan­to que Eny che­gou à fi­nal do Prê­mio Ja­bu­ti. E A Tra­ves­sia da Ter­ra Ver­me­lha ain­da nem saiu e já me va­leu o con­vi­te da pro­fes­so­ra dou­to­ra Ma­ria Lui­za Tuc­ci Car­nei­ro, pa­ra in­te­grar a equi­pe de pes­qui­sa­do­res do LEER – La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos so­bre Et­ni­ci­da­de, Ra­cis­mo e Dis­cri­mi­na­ção da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo. O qual já acei­tei. Tam­bém fui con­vi­da­do pa­ra lan­çar meu no­vo li­vro na OFF-FLIP des­te ano em Pa­raty e no se­gun­do se­mes­tre vou apre­sen­tar meu no­vo pro­je­to em dois con­gres­sos aca­dê­mi­cos: um na USP e ou­tro em Bu­e­nos Ai­res, na Ar­gen­ti­na.

5 Quem, aí den­tro do Lu­cius, ven­ce o du­e­lo: o jor­na­lis­ta ou o es­cri­tor?

Lu­cius - Sem­pre quis ser es­cri­tor des­de me­ni­no. Aos 11 anos co­me­cei a es­cre­ver meu pri­mei­ro ro­man­ce: a his­tó­ria de uma es­cra­va que es­tá ina­ca­ba­do até ho­je. Quan­do fiz ves­ti­bu­lar, es­co­lhi jor­na­lis­mo por­que era a pro­fis­são mais pa­re­ci­da com a de es­cri­tor. Acho que o es­cri­tor ven­ce es­se du­e­lo. Mas nem por is­so se­ria ca­paz de ma­tar o jor­na­lis­ta. O es­cri­tor pre­ci­sa de­le pa­ra tra­ba­lhar. O jor­na­lis­ta aju­da mui­to o es­cri­tor no ofí­cio de es­cre­ver e vi­ce-ver­sa.

6 Afi­nal, Eny vai pa­ra a te­li­nha?

Lu­cius – Tu­do ca­mi­nha pa­ra is­so. Não es­tou au­to­ri­za­do a fa­lar so­bre o as­sun­to, mas o que sei é que o pro­je­to ain­da es­tá em fa­se de cap­ta­ção de re­cur­sos.

7 O bor­del é um gran­de su­ces­so. Em que is­so fa­ci­li­ta sua vi­da de
es­cri­tor?

Lu­cius – Acho que a bi­o­gra­fia da Eny me lan­çou no mer­ca­do na­ci­o­nal co­mo es­cri­tor. Me le­vou à fi­nal do Prê­mio Ja­bu­ti. Vi­a­jei qua­se to­do o Bra­sil. Con­quis­tei lei­to­res, is­so é mui­to im­por­tan­te. Até ago­ra o li­vro já ven­deu qua­se 40 mi­le­xem­pla­res. Lo­go de­ve ser tra­du­zi­do na Polô­nia. Es­pe­ro que o meu no­vo li­vro agra­de aos meus lei­to­res tan­to quan­to Eny.

8 Quem vi­ve na sua ca­be­cei­ra?

Lu­cius - Proust, Joy­ce, John Ban­vil­le, Sa­ra­ma­go, Ma­cha­do de As­sis, Bor­ges, Gar­cia Már­quez, Cor­tá­zar, Go­ethe, Ril­ke, Cla­ri­ce Lis­pec­tor e Tho­mas Mann.

9 Pa­ra o jor­na­lis­ta: com o au­men­to dos ca­nais no­ti­ci­o­sos, in­cluí­dos os da in­ter­net, o jor­na­lis­mo es­tá me­lhor?

Lu­cius - Acho que me­lho­rou sim den­tro do pos­sí­vel, mas ain­da não ven­ceu seu mai­or de­fei­to: con­ti­nua exa­ge­ra­da­men­te re­fém do po­der econô­mi­co. As­sim co­mo to­do o PODER no Bra­sil. E co­mo as ví­ti­mas da Sín­dro­me de Es­to­col­mo, se­gue fe­liz nos bra­ços dos seus seqües­tra­do­res.

10 Pa­ra o es­cri­tor: a pro­du­ção li­te­rá­ria no Bra­sil é mui­to far­ta pa­ra o pú­bli­co in­te­res­sa­do ou quan­to mais tí­tu­los me­lhor pa­ra o há­bi­to da lei­tu­ra?

Lu­cius – O Bra­sil ain­da pre­ci­sa des­co­brir o li­vro. O Pe­dro Al­va­rez Ca­bral da lei­tu­ra ain­da não che­gou por aqui, in­fe­liz­men­te. E as te­le­vi­sões aber­tas que po­de­ri­am fa­zer o pa­pel das ca­ra­ve­las e das ven­ta­ni­as, nun­ca co­la­bo­ra­ram de for­ma re­al­men­te efi­caz e até ho­je não co­la­bo­ram.

Lu­cius de Mel­lo é es­cri­tor e jor­na­lis­ta, foi fi­na­lis­ta do Prê­mio Ja­bu­ti 2003 na ca­te­go­ria reportagem/biografia com o li­vro Eny e o Gran­de Bor­del Bra­si­lei­ro – edi­to­ra Ob­je­ti­va. Pes­qui­sa­dor do LEER - La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos so­bre Et­ni­ci­da­de, Ra­cis­mo e Dis­cri­mi­na­ção - do De­par­ta­men­to de His­tó­ria da USP, lan­ça em ju­nho A TRAVESSIA DA TERRA VERMELHA - ro­man­ce his­tó­ri­co que con­ta a sa­ga dos ju­deus ale­mães que se re­fu­gi­a­ram no nor­te do Pa­ra­ná pa­ra es­ca­par do na­zis­mo.

Compartilhe