Contos

Abraços e santinhos

quarta-feira, 16 de março de 2005 Texto de

Aqui, qua­se to­dos se di­zem ino­cen­tes. Mes­mo quan­do ad­mi­tem o cri­me, ale­gam, den­tro de sua vi­são par­ti­cu­lar dos acon­te­ci­men­tos, cir­cuns­tân­ci­as que, ao fi­nal, são ca­pa­zes de jus­ti­fi­car quais­quer atos pra­ti­ca­dos. O su­jei­to ti­rou a vi­da da mu­lher, mas na ver­da­de não que­ria fa­zê-lo. Ou­tro rou­bou o ban­co e no cor­re-cor­re ma­tou um cli­en­te alheio às su­as in­ten­ções, mas por cul­pa do re­vól­ver, que dis­pa­rou. Co­nhe­ço al­guns que na­da fi­ze­ram de gra­ve pa­ra me­re­cer o cár­ce­re: es­tão cum­prin­do pe­na por en­ga­no. Tam­bém ou­ço in­si­nu­a­ções so­bre tra­mas ma­qui­a­vé­li­cas le­va­das a ca­bo em de­tri­men­to de ino­cen­tes.

Quem sa­be on­de es­tá me­ti­da a ver­da­de em meio a tan­tas bo­cas que a pro­nun­ci­am com in­sis­tên­cia? Quem po­de des­co­brir a men­ti­ra? Um ve­lho co­nhe­ci­do, ad­vo­ga­do, dis­se-me uma vez que por mais que ti­ves­se ten­ta­do du­ran­te to­da sua vi­da co­lo­car-se no lu­gar de um cli­en­te na bus­ca por uma me­lhor com­pre­en­são do ca­so, ja­mais em­pre­en­de­ra êxi­to em tal ini­ci­a­ti­va. E as­sim tam­bém é nu­ma pri­são: quem po­de­rá um dia en­ten­der na ple­ni­tu­de de su­as ações um des­ses ho­mens, se to­mar sua men­te e to­dos os efei­tos de­la nas­ci­dos tor­na-se, mes­mo por um ins­tan­te, al­go im­pos­sí­vel?

De­fi­ni­ções a res­pei­to de um ou de ou­tro, ava­li­a­ções so­bre seus com­por­ta­men­tos, con­clu­sões e tu­do mais só po­de­rão che­gar até a cer­ta al­tu­ra de um in­trin­ca­do tra­je­to, só te­rão gua­ri­da nas con­je­tu­ras va­zi­as e nas hi­pó­te­ses ba­se­a­das em te­o­ri­as das mais di­ver­sas. Nun­ca ha­ve­rá exa­ti­dão, nun­ca se po­de­rá dei­tar a ca­be­ça no tra­ves­sei­ro com a cer­te­za de que ne­nhu­ma in­jus­ti­ça foi co­me­ti­da. En­tre­tan­to, tal é a com­ple­xi­da­de do te­ma que nem mes­mo o con­trá­rio se po­de­rá pen­sar. A cul­pa e a ino­cên­cia são com­pa­nhei­ras mui­to pró­xi­mas, cu­jas mãos não hou­ve ain­da quem as ti­ves­se to­ma­do por pu­ra con­vic­ção. E nem ha­ve­rá.

O cri­me em ques­tão tem por pro­ta­go­nis­ta um cer­to pre­fei­to. Lá com seu pou­co ca­so pa­ra a coi­sa pú­bli­ca, deu de om­bros pa­ra as leis vi­gen­tes e tra­tou de im­por su­as pró­pri­as re­gras na con­du­ção ad­mi­nis­tra­ti­va. – Bu­ro­cra­cia, bu­ro­cra­cia, uma ba­na­na pa­ra a bu­ro­cra­cia – ele cos­tu­ma­va bra­dar pe­los cor­re­do­res do pa­ço. Que ele um dia ti­ves­se se apro­pri­a­do do erá­rio ou fei­to par­te das cor­jas cu­jo prin­ci­pal al­vo são as fa­mi­ge­ra­das co­mis­sões, eu não me ar­ris­co a di­zer. Al­go as­sim fo­ge ao meu co­nhe­ci­men­to. Mas du­ran­te sua ges­tão não fo­ram pou­cas as oca­siões em que des­vi­ou ver­bas de su­as fi­na­li­da­des, apli­can­do os re­cur­sos on­de lhe des­se na te­lha ou nas áre­as em que me­lhor lhe aprou­ves­se elei­to­ral­men­te. Eu tam­pou­co sa­be­ria ex­por com cla­re­za os mo­ti­vos que o li­vra­ram dos maus len­çóis nos qua­se oi­to anos de pre­fei­tu­ra.

Em mi­nha ca­be­ça, des­fi­lam ape­nas con­je­tu­ras, mas pre­fi­ro guar­dá-las só mes­mo pa­ra mim, em­bo­ra es­sas hi­pó­te­ses de­vam es­tar in­cluí­das nas idéi­as de qual­quer ci­da­dão me­nos de­sin­for­ma­do que se pre­o­cu­pe com os me­an­dros da po­lí­ti­ca. Pos­so di­zer ape­nas que um dia as cir­cuns­tân­ci­as mos­tra­ram-se di­fe­ren­tes. Tal­vez a sor­te o ti­ves­se aban­do­na­do ou su­as ati­tu­des ul­tra­pas­sa­ram li­mi­tes to­le­rá­veis ou ain­da, quem sa­be, cer­tos acor­dos su­cum­bi­ram. A ver­da­de é que o ca­mi­nho al­te­ra­do das ver­bas que de­ve­ri­am ter si­do in­ves­ti­das em saú­de, edu­ca­ção e sa­ne­a­men­to bá­si­co foi des­co­ber­to. As­sim, co­me­ça­ram as in­ves­ti­ga­ções.

É cu­ri­o­sa a con­jun­tu­ra da po­lí­ti­ca. Por uma sim­ples aren­ga mal re­sol­vi­da, um ve­re­a­dor me­teu-se o tra­je em­po­ei­ra­do da re­ti­dão e tas­cou a de­nún­cia em al­to e bom som. Se al­guém fa­zia vis­tas gros­sas pa­ra as ati­tu­des pou­co re­co­men­dá­veis do pre­fei­to, a par­tir do pro­nun­ci­a­men­to do par­la­men­tar, nin­guém mais po­de­ria se man­ter alheio ao as­sun­to. Ló­gi­co que to­dos os im­pro­pé­ri­os di­tos no ga­bi­ne­te pe­lo pa­trão do exe­cu­ti­vo, ain­da ao sa­bor dos ner­vos à flor da pe­le, ti­nham ra­zoá­vel fun­da­men­to. Den­tre to­dos os ve­re­a­do­res, o de­nun­ci­an­te tal­vez fos­se o me­nos in­di­ca­do pa­ra co­brar mo­ra­li­da­de e coi­sas do ti­po. – Pas­sou a vi­da in­tei­ra de­bai­xo de tra­pa­ças – quei­xa­va-se o pre­fei­to.

Sua ira, en­tre­tan­to, não mais po­de­ria sal­vá-lo de um pro­ces­so in­ves­ti­ga­ti­vo nem dos ris­cos de so­frer uma cas­sa­ção e de res­pon­der cri­mi­nal­men­te por seus atos. Cin­co me­ses pas­sa­ram-se em meio às tur­bu­lên­ci­as tí­pi­cas cau­sa­das pe­lo tra­ba­lho de uma co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to. A apro­xi­ma­ção da aná­li­se do pro­ces­so em ple­ná­rio tor­nou in­su­por­tá­vel o ser­vi­ço na área ad­mi­nis­tra­ti­va da pre­fei­tu­ra. Nes­sas oca­siões, as pes­so­as olham-se des­con­fi­a­das, ame­dron­ta­das, co­mo se car­re­gas­sem nos om­bros par­te da cul­pa – e não se­ria is­so mes­mo?

Até que che­gou o dia da ses­são. Eco­a­ram na tri­bu­na da câ­ma­ra mu­ni­ci­pal os pro­nun­ci­a­men­tos in­dig­na­dos de ve­re­a­do­res. Os mes­mos par­la­men­ta­res que ha­via tem­pos as­sis­ti­am ao so­fri­men­to de pa­ci­en­tes nas fi­las dos nú­cle­os de saú­de, a de­te­ri­o­ra­ção do en­si­no pú­bli­co mu­ni­ci­pal e as do­en­ças que se alas­tra­vam por cau­sa dos cór­re­gos de es­go­to que cor­ri­am a céu aber­to, es­ses mes­mos re­pre­sen­tan­tes do po­vo, que já sa­bi­am de tu­do nos bas­ti­do­res su­jos de uma po­lí­ti­ca tor­pe, ago­ra in­fla­ma­vam-se di­an­te de um mi­cro­fo­ne e das ga­le­ri­as lo­ta­das de mu­ní­ci­pes cla­man­do por jus­ti­ça. Num ta­pa, o pre­fei­to te­ve seus di­rei­tos po­lí­ti­cos cas­sa­dos e o no­me le­va­do à jus­ti­ça cri­mi­nal.

Mais al­gum tem­po e a de­ci­são ju­di­ci­al in­cri­mi­nou o pre­fei­to e di­ver­sos de seus as­ses­so­res di­re­tos, en­tre os quais fui in­cluí­do. Pa­ra re­su­mir a su­jei­ra to­da, es­tou cum­prin­do pe­na em re­gi­me fe­cha­do. As no­tí­ci­as que me che­ga­ram nes­tes dois anos e pou­co são de que ou­tros co­le­gas tam­bém fo­ram pre­sos, mas já con­se­gui­ram a li­ber­da­de. Es­tou, sem dú­vi­da, na pi­or si­tu­a­ção de to­das. Mi­nha as­si­na­tu­ra en­fei­tou mui­tos da­que­les pa­péis le­va­dos à jus­ti­ça. De mi­nha par­te, re­fe­ren­do cons­ci­en­te­men­te es­ta cul­pa. Sim, não sou ino­cen­te. Me­re­ço pa­gar pe­lo meu cri­me. Quem co­la­bo­ra ou sim­ples­men­te to­ma co­nhe­ci­men­to de um cri­me tam­bém tor­na-se cri­mi­no­so se não o de­nun­ci­ar, eis uma ter­rí­vel ver­da­de que des­co­bri tar­de de­mais, não por­que a des­co­ber­ta pu­des­se evi­tar mi­nha pri­são, mas mui­to mais pe­lo fa­to de que, cons­ci­en­te des­se er­ro fa­tal, uma nó­doa de po­dri­dão que ago­ra se ins­ta­la pa­ra sem­pre em mi­nha cons­ci­ên­cia po­de­ria ser evi­ta­da.

De­cer­to que mui­to mais gen­te de­ve­ria es­tar en­fi­a­da a fer­ros por si­tu­a­ções se­me­lhan­tes, mas não me ca­be re­cri­mi­nar a jus­ti­ça, a po­lí­cia ou ou­tra ins­ti­tui­ção. Co­mo é cos­tu­me di­zer dos ou­tros, re­fi­ro-me a mim mes­mo: que mo­ral eu te­nho pa­ra um pro­ce­di­men­to des­se ti­po? Ou­ço à noi­te os trin­cos cor­ren­do nas por­tas das ce­las e is­so me faz pa­re­cer tão imun­do que não te­nho for­ças pa­ra me quei­xar des­te so­fri­men­to. Mi­nha quei­xa só atin­ge a mim, ao meu com­por­ta­men­to, ao ca­mi­nho que es­co­lhi.

Em pou­cos me­ses, es­ta­rei fo­ra, mas mi­nha vi­da já se trans­for­mou. Quan­tas ve­zes não la­men­ta­mos por ape­nas uma ho­ra per­di­da no trân­si­to a ca­mi­nho de um fim-de-se­ma­na na praia? Eu não per­di ho­ras. Fo­ram anos. Pa­go aqui, co­mo tan­tos ou­tros de­ve­ri­am pa­gar do mes­mo mo­do, o al­to pre­ço da omis­são. En­quan­to is­so, lá fo­ra, cer­ca­do de no­vos as­ses­so­res e mes­mo de uns pou­cos ve­re­a­do­res que há al­guns anos o de­san­ca­ram e cas­sa­ram seu man­da­to, o pre­fei­to ca­mi­nha em meio à mul­ti­dão, dis­tri­buin­do sor­ri­sos, abra­ços e san­ti­nhos.

Compartilhe