O IBGE aca­ba de di­vul­gar uma pes­qui­sa que apon­ta um au­men­to em in­ves­ti­men­tos nas áre­as pú­bli­cas mu­ni­ci­pais de saú­de e edu­ca­ção. Es­se ti­po de da­do de­ve­ria vir à to­na to­dos os anos, eis a ver­da­de. Num país co­mo o Bra­sil, cu­jos ín­di­ces de al­fa­be­ti­za­ção são pés­si­mos e cu­jo res­pal­do à saú­de da po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te nas fai­xas de me­nor po­der aqui­si­ti­vo, é de­fi­ci­en­te, as ne­ces­si­da­des pas­sam pri­o­ri­ta­ri­a­men­te por es­ses se­to­res da vi­da na­ci­o­nal.

O cu­ri­o­so é que o Bra­sil é um dos paí­ses com mai­or car­ga tri­bu­tá­ria no mun­do, e mui­tos des­ses im­pos­tos têm, ao me­nos te­o­ri­ca­men­te, um des­ti­no cer­to: gas­tos com saú­de e edu­ca­ção. O di­a­bo é que o di­nhei­ro nun­ca é su­fi­ci­en­te. Por quê? Se­ri­am ne­ces­sá­ri­os mais im­pos­tos e ou­tras con­tri­bui­ções co­mo a tal da CPMF pa­ra com­por um mon­tan­te mais apro­pri­a­do de re­cur­sos? É fa­to que a ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos no Bra­sil es­tá cres­cen­do e que, além dis­so, o que se re­co­lhe já é de ra­zoá­vel ta­ma­nho.

Nos­so gran­de pro­ble­ma ain­da é a uti­li­za­ção mal fei­ta dos re­cur­sos pú­bli­cos. O di­nhei­ro do con­tri­buin­te che­ga aos co­fres pú­bli­cos e a par­tir daí é que são elas. O ca­mi­nho tor­tu­o­so per­cor­ri­do pe­los in­ves­ti­men­tos, se­ja por ine­fi­ci­ên­cia, cor­rup­ção, des­vi­os pa­ra ou­tras áre­as com fi­na­li­da­des po­lí­ti­cas e coi­sas as­sim, é um de­ser­to de areia mo­ve­di­ça que de eta­pa em eta­pa vai con­su­min­do aos pou­cos o di­nhei­ro su­a­do da po­pu­la­ção, cu­ja mai­or par­te se­gue mão úni­ca: vai, mas não vol­ta.

Uma das pro­vas mais re­cen­tes é a far­ra com o di­nhei­ro de pro­gra­mas so­ci­ais do go­ver­no fe­de­ral, co­mo o bol­sa-fa­mí­lia, uti­li­za­do des­ca­ra­da­men­te por pes­so­as bem de vi­da, ao con­trá­rio de seu pro­pó­si­to. Quan­do os go­ver­nos fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal ti­ve­rem dis­po­si­ção pa­ra mo­ra­li­zar a ro­ta per­cor­ri­da pe­lo di­nhei­ro pú­bli­co em seu re­tor­no à po­pu­la­ção, cer­ta­men­te ha­ve­rá me­lho­res re­sul­ta­dos pa­ra to­dos.

Um de­ta­lhe: a pes­qui­sa di­vul­ga­da ago­ra pe­lo IBGE foi fei­ta com ba­se em nú­me­ros le­van­ta­dos en­tre 1998 e 2000, ou se­ja, já faz qua­tro anos. Quem sa­be o que po­de ter ocor­ri­do de lá pa­ra cá num país em que as es­tru­tu­ras ad­mi­nis­tra­ti­vas e mo­rais do po­der pú­bli­co são tão frá­geis e ins­tá­veis?

Compartilhe