Geral

Fernando BH entrevista Milton Leite e Ubiratan Brasil

sexta-feira, 23 de abril de 2004 Texto de

Fer­nan­do BH

Se jo­gar uma Co­pa do Mun­do é o gran­de so­nho de mui­tos me­ni­nos que cres­cem chu­tan­do uma bo­la, a von­ta­de de par­ti­ci­par de­la não é me­nor pa­ra os jor­na­lis­tas que amam o es­por­te – en­tre eles, os atle­tas frus­tra­dos. As Olim­pía­das, en­tão, que en­glo­bam vá­ri­os es­por­tes, são ou­tra opor­tu­ni­da­de fan­tás­ti­ca de ver de per­to al­go que en­can­ta o pla­ne­ta in­tei­ro pe­la te­vê e de in­te­ra­gir com o even­to ali, ao vi­vo. O jor­na­lis­ta Ubi­ra­tan Bra­sil, que ho­je es­cre­ve no Ca­der­no 2 do jor­nal “O Es­ta­do de S. Pau­lo”, mas tem quin­ze anos de ex­pe­ri­ên­cia nas re­da­ções de es­por­te, e o jor­na­lis­ta e lo­cu­tor Mil­ton Lei­te (fo­to), da ESPN Bra­sil – tam­bém fa­mo­so por em­pres­tar a sua voz à ver­são bra­si­lei­ra dos fa­mo­sos jo­gos de vi­de­o­ga­me da sé­rie “Fi­fa” –, ti­ve­ram es­sa opor­tu­ni­da­de e re­la­ta­ram um pou­co do que vi­ve­ram. Ubi­ra­tan foi às Co­pas de 94, nos Es­ta­dos Uni­dos, e 98, na Fran­ça, e às Olim­pía­das de 96, em Atlan­ta.. Mil­ton vi­a­jou a Sid­ney, em 2000, além de tam­bém ter ido à Fran­ça. En­tre tan­tas his­tó­ri­as, não po­de­ria fal­tar o ca­so da con­vul­são de Ro­nal­do, já exaus­ti­va­men­te dis­cu­ti­do na mí­dia, mas aqui con­ta­do pe­lo ân­gu­lo de quem co­briu o fa­to, não o dos pro­ta­go­nis­tas.

Per­gun­ta: De­pois de fa­zer uma gran­de co­ber­tu­ra, co­mo Olim­pía­da ou Co­pa do Mun­do, além da ex­pe­ri­ên­cia, da ba­ga­gem que se ad­qui­re, abrem-se no­vas por­tas, vo­cês fi­cam mais vi­sa­dos no mer­ca­do?

Mil­ton Lei­te: Vo­cê se va­lo­ri­za, cla­ro. É uma ex­pe­ri­ên­cia ini­gua­lá­vel. Vo­cê cres­ce em uma Olim­pía­da o que não cres­ce em qua­tro anos de tra­ba­lho.

Ubi­ra­tan Bra­sil: Su­po­nha­mos que vai ha­ver um cam­pe­o­na­to mun­di­al de um de­ter­mi­na­do es­por­te. Se vo­cê es­tá num ou­tro país, não bas­ta co­nhe­cer es­se es­por­te. É uma ou­tra ci­da­de, ou­tra lín­gua, vo­cê es­tá so­zi­nho. Se já co­briu uma Olim­pía­da, fi­ca mais fá­cil. Em Atlan­ta, por exem­plo, fui o pri­mei­ro da mi­nha equi­pe a ir pa­ra lá. Che­guei dez di­as an­tes, não co­nhe­cia na­da e ti­nha que des­co­brir to­dos os ca­mi­nhos, de co­mo en­con­trar as pes­so­as cer­tas até me cre­den­ci­ar. En­tão, já se pe­ga uma ba­ga­gem aí. E é mui­to mais fá­cil pe­gar pa­ra uma ou­tra com­pe­ti­ção do mes­mo ní­vel uma pes­soa que já fez is­so do que uma que não sa­be­rá o que fa­zer.

Mil­ton Lei­te: Há vá­ri­as coi­sas, nu­ma co­ber­tu­ra, que só se apren­de fa­zen­do. O que po­de, o que não po­de, a re­la­ção com o Bra­sil pa­ra en­vi­ar ma­té­ri­as... En­fim, pe­ga-se uma ex­pe­ri­ên­cia que quan­do se vai pe­la se­gun­da vez, já não é mis­té­rio. Is­so va­lo­ri­za, cla­ro.

Per­gun­ta: Di­an­te de tan­tas coi­sas que acon­te­cem em um gran­de even­to, co­mo se de­ve or­ga­ni­zar e se­le­ci­o­nar o que co­brir, prin­ci­pal­men­te nu­ma Olim­pía­da?

Mil­ton Lei­te: Vo­cê vai lá pa­ra co­brir per­so­na­gens, não pa­ra dar re­sul­ta­dos, que ho­je es­tão dis­po­ní­veis na in­ter­net. Não pre­ci­sa se pre­o­cu­par com as in­for­ma­ções de vi­tó­ri­as, re­cor­des, re­sul­ta­dos de do­ping que sa­em a to­do mo­men­to e, de uma for­ma ou de ou­tra, vo­cê vai fi­car sa­ben­do. O que faz a di­fe­ren­ça é a sua pre­sen­ça no even­to, a sua per­gun­ta que só vo­cê vai fa­zer. Tem que ter cri­a­ti­vi­da­de pa­ra des­co­brir um ân­gu­lo di­fe­ren­te pa­ra a ma­té­ria, ser cu­ri­o­so, des­co­brir os per­so­na­gens.

Ubi­ra­tan Bra­sil: Nu­ma Olim­pía­da, o ide­al é des­co­brir ou­tras coi­sas, al­gum de­ta­lhe que o fa­ça se so­bres­sair do res­tan­te. Não bas­ta ter as in­for­ma­ções, os re­sul­ta­dos e fa­zer o tri­vi­al. É pre­ci­so ca­çar his­tó­ri­as. Em Atlan­ta, des­co­bri que um ame­ri­ca­no que com­pe­tia no cai­a­que era a gran­de sen­sa­ção por­que, seis me­ses an­tes da Olim­pía­da, ha­via si­do atin­gi­do por um raio e qua­se mor­reu. Ele te­ve que fa­zer uma su­per pre­pa­ra­ção e ga­nhou uma me­da­lha. Mes­mo sen­do um atle­ta que nin­guém co­nhe­cia no Bra­sil, que dis­pu­ta­va um es­por­te sem ex­pres­são aqui, era uma his­tó­ria que in­te­res­sa­va.

Per­gun­ta: É fá­cil en­trar em con­ta­to com os atle­tas e iden­ti­fi­car es­ses per­so­na­gens?

Ubi­ra­tan Bra­sil: Não, a vi­la olím­pi­ca é co­mo uma cai­xa for­te, a pre­o­cu­pa­ção com a se­gu­ran­ça é mui­to gran­de e se­rá mai­or em Ate­nas.

Mil­ton Lei­te: A vi­la olím­pi­ca é só de atle­tas.

Ubi­ra­tan Bra­sil: Ti­nha que pe­dir e mar­car um dia e ho­ra pa­ra a se­gu­ran­ça. O má­xi­mo on­de se con­se­guia che­gar era num es­pa­ço res­tri­to pró­xi­mo ao re­fei­tó­rio, no dia em que ga­nha­va es­se pas­se. Se des­se sor­te de en­con­trar al­guém e es­se atle­ta me aten­der, óti­mo... Mas de­pois do aten­ta­do a bom­ba em 96, fi­cou mais di­fí­cil.

Mil­ton Lei­te: Era mais fá­cil mar­car com o atle­ta pa­ra ele ir ao cen­tro de im­pren­sa e dar a en­tre­vis­ta.

Per­gun­ta: E co­mo é se de­pa­rar com atle­tas de pon­ta, trans­mi­tir com­pe­ti­ções que en­vol­vem o país? Dá pa­ra se­gu­rar o la­do fã, o la­do tor­ce­dor?

Mil­ton Lei­te: A mi­nha re­la­ção de amor com o es­por­te ter­mi­na quan­do en­tro pa­ra trans­mi­tir. Quan­do es­tou ali, que­ro que se da­ne se o meu ti­me es­tá ga­nhan­do ou per­den­do, que­ro eu ga­nhar, fa­zer bem o meu tra­ba­lho. Na fi­nal da Co­pa de 98, eu es­ta­va mui­to mais em­pol­ga­do com o fa­to de es­tar trans­mi­tin­do aque­le jo­go do que com a pos­si­bi­li­da­de de o Bra­sil ga­nhar ou não.

Per­gun­ta: Qual mo­men­to ca­da um de vo­cês des­ta­ca co­mo mar­can­te em su­as vi­das du­ran­te uma co­ber­tu­ra?

Ubi­ra­tan Bra­sil: Gos­tei de co­brir a his­tó­ria da bom­ba na Olim­pía­da de 96. Não ti­nha na­da a ver com es­por­te e nos pe­gou des­pre­ve­ni­dos. Nu­ma sex­ta-fei­ra à noi­te, éra­mos pou­cas pes­so­as no cen­tro de im­pren­sa, pois, por cau­sa do fu­so ho­rá­rio, a mai­o­ria dos jor­na­lis­tas não es­ta­va lá, e quan­do aca­bá­va­mos de sair, ou­vi­mos a ex­plo­são. De re­pen­te, vo­cê achan­do que seu dia ti­nha aca­ba­do e es­ta­va ape­nas co­me­çan­do... Eu ha­via pla­ne­ja­do uma fol­ga no sá­ba­do pa­ra pas­se­ar por Atlan­ta e lo­go às oi­to da ma­nhã es­ta­va na co­le­ti­va do FBI. Foi le­gal acom­pa­nhar is­so. Uma coi­sa que sur­giu do na­da e não tí­nha­mos a me­nor idéia do que se tra­ta­va.

Mil­ton Lei­te: Era um so­nho des­de cri­an­ça par­ti­ci­par de uma Co­pa, aque­la era a mi­nha Co­pa e me pre­pa­rei mui­to pa­ra ela. Di­fi­cil­men­te ha­ve­rá ou­tra chan­ce tão fan­tás­ti­ca, pri­mei­ro por ter si­do na Fran­ça, um país es­pe­ta­cu­lar. Fi­quei 45 di­as lá e trans­mi­ti to­dos os jo­gos do Bra­sil do es­tá­dio. Fiz a par­ti­da de aber­tu­ra, pe­lo fa­to de o Bra­sil ser en­tão o atu­al cam­peão, e tam­bém a fi­nal, is­to é, par­ti­ci­pei dos me­lho­res mo­men­tos e ain­da vi­a­jei pa­ra Mar­se­lha, Nan­tes, vi­a­jei de trem-ba­la...

Per­gun­ta: Co­mo foi aque­la tar­de da der­ro­ta pa­ra a Fran­ça, com to­da a con­fu­são em tor­no do Ro­nal­do?

Mil­ton Lei­te: Fal­tan­do três ho­ras pa­ra o jo­go, eu já es­ta­va lá. Na Co­pa do Mun­do, os téc­ni­cos são obri­ga­dos a dar a es­ca­la­ção uma ho­ra an­tes do jo­go, por­que eles sa­bem que é im­por­tan­te a mí­dia es­tar com es­sas in­for­ma­ções – não é co­mo aqui no Bra­sil, que o téc­ni­co acha que ga­nha o jo­go es­con­den­do a es­ca­la­ção. Uma ho­ra an­tes, en­tão, pas­sa­ram a re­la­ção e es­ta­va o Ed­mun­do, não o Ro­nal­do. Es­tá­va­mos eu e o Tos­tão e li­ga­mos pa­ra o An­dré Kfou­ri, nos­so re­pór­ter, per­gun­ta­do ‘Ca­dê o Ro­nal­do?’. Foi uma cor­re­ria... Ha­via ten­da den­tro da con­cen­tra­ção do Bra­sil, re­pór­te­res, links ao vi­vo, he­li­cóp­te­ro e mes­mo as­sim não vi­ram que o Ro­nal­do não es­ta­va com a Se­le­ção na saí­da pa­ra o es­tá­dio. Fal­tan­do meia ho­ra, che­gou um xe­rox ma­nus­cri­to, em in­glês, as­si­na­do por um mé­di­co, di­zen­do que o Ro­nal­do ti­nha um pro­ble­ma de tor­no­ze­lo, se não me en­ga­no, e que ha­via ido pa­ra o hos­pi­tal. Só vin­te mi­nu­tos an­tes é que veio a in­for­ma­ção de que ele iria jo­gar. Aí veio a dis­cus­são se po­de­ria ou não jo­gar. Saiu a no­tí­cia de que o Ri­car­do Tei­xei­ra te­ve que des­cer da tri­bu­na e pres­si­o­nar o pes­so­al da Fi­fa pa­ra dei­xa­rem es­ca­lá-lo. Tan­to que, na­que­le jo­go, o Bra­sil nem fez aque­ci­men­to no gra­ma­do.

Per­gun­ta: O Ro­nal­do che­gou no ves­tiá­rio em ci­ma da ho­ra pe­din­do pa­ra jo­gar e o Za­ga­lo, di­an­te do pe­di­do, acei­tou...

Mil­ton Lei­te: Fi­ca­ram com me­do de ele não jo­gar e o Bra­sil per­der a fi­nal.

Per­gun­ta: Se­rá que hou­ve pres­são do pa­tro­ci­na­dor da Se­le­ção?

Mil­ton Lei­te: Não acre­di­to que fa­ri­am is­so. O Ro­nal­do é um pro­du­to mui­to bom pa­ra a Ni­ke ar­ris­car e ele ter um tro­ço den­tro do cam­po. Ia pe­gar mal.

Per­gun­ta: De­pois da fi­nal, co­mo foi se re­ve­lan­do a ver­da­de do que ha­via ocor­ri­do?

Mil­ton Lei­te: De­pois do jo­go, fo­mos pa­ra o cen­tro de im­pren­sa. O Ju­ca Kfou­ri es­ta­va che­gan­do pa­ra fa­zer o Car­tão Ver­de, da TV Cul­tu­ra. Ele dis­se ‘Aca­bei de fa­lar com o Dun­ga’ – que era a fon­te de­le na épo­ca – ‘Ele não quer abrir de jei­to ne­nhum, mas hou­ve um pro­ble­ma com o Ro­nal­do na con­cen­tra­ção’. Até que va­zou a his­tó­ria da con­vul­são. O Tos­tão, que é mé­di­co, me fa­lou: ‘Se ele te­ve es­sa con­vul­são, co­lo­cá-lo pa­ra jo­gar foi um cri­me, por­que ele po­de­ria ter mor­ri­do den­tro do cam­po’. A des­car­ga que se tem em uma con­vul­são é tão gi­gan­tes­ca, é tan­ta adre­na­li­na, que é co­mo se ele ti­ves­se aca­ba­do de cor­rer uma ma­ra­to­na e en­tra­do em cam­po pa­ra jo­gar fu­te­bol. A his­tó­ria co­me­çou a va­zar na noi­te de do­min­go e es­tou­rou na se­gun­da-fei­ra.

Ubi­ra­tan Bra­sil: Na se­gun­da, es­tá­va­mos os re­pór­te­res plan­ta­dos na por­ta do ho­tel, a um quilô­me­tro da en­tra­da, de­bai­xo de chu­va, es­pe­ran­do al­guém fa­lar al­gu­ma coi­sa. Aí, apa­re­ce­ram o mé­di­co Lí­dio To­le­do e o Ro­nal­do. Al­guém ti­nha que con­tar uma his­tó­ria, dar uma jus­ti­fi­ca­ti­va. Lem­bro-me que o pri­mei­ro a abrir o bi­co foi o Ro­ber­to Car­los.

Mil­ton Lei­te: Nin­guém guar­da se­gre­do num gru­po tão gran­de.

(Ter­mi­na­da a en­tre­vis­ta, con­ver­san­do com o jor­na­lis­ta Ubi­ra­tan Bra­sil, ele me con­tou co­mo é im­por­tan­te a fi­gu­ra da fon­te, da­que­la pes­soa que pas­sa ao jor­na­lis­ta uma in­for­ma­ção si­gi­lo­sa. Du­ran­te as Eli­mi­na­tó­ri­as pa­ra a Co­pa de 94, por exem­plo, um jo­ga­dor da Se­le­ção con­fi­den­ci­ou a ele e ou­tros dois re­pór­ters que o gru­po es­ta­va ra­cha­do. Al­guns ques­ti­o­na­vam a pos­tu­ra do téc­ni­co Par­rei­ra, ou­tros de­fen­di­am, ge­ran­do as fa­mo­sas “pa­ne­li­nhas”. Va­za­da a his­tó­ria, a as­ses­so­ria de im­pren­sa da Se­le­ção fi­cou atô­ni­ta, per­gun­tan­do-se quem te­ria de­la­ta­do o pro­ble­ma. Co­mo fon­te de­ve ser pre­ser­va­da, nem eu con­to ago­ra...)

En­tre­vis­ta co­le­ti­va ce­di­da ao gru­po de alu­nos do cur­so “Lin­gua­gem e re­vo­lu­ção no jor­na­lis­mo es­por­ti­vo”, do Se­nac. São Pau­lo, 20 de mar­ço de 2004.

Compartilhe