Geral

Poema: As grandes asas

segunda-feira, 25 de novembro de 2013 Texto de

Sob as asas des­ta gran­de ave de ra­pi­na eu me sin­to ame­a­ça­do, mas tam­bém pro­te­gi­do.
Elas não nos ex­pli­cam, ape­nas in­tri­gam.
Ali es­tá sua som­bra, mas é no con­tras­te de su­as li­nhas que mais bri­lha o sol.
Sob elas, o du­ro co­ra­ção amo­le­ce.
O veio da pe­dra de ge­lo es­tra­la.
Es­tá pron­to, com­pa­nhei­ro? Pa­ra es­sa lu­ta a que ela nos ati­ra?
Es­tá pron­to pa­ra seus ca­pri­chos?
Pa­ra sua ge­o­gra­fia pa­ra­do­xal?
Que po­de nos ani­qui­lar pe­la fren­te em­bo­ra nos in­cen­ti­ve pe­las cos­tas?
Es­tá pron­to pa­ra ar­ran­car da trin­chei­ra?
Lem­bre-se: ar­ran­car não sig­ni­fi­ca ne­ces­sa­ri­a­men­te ir adi­an­te.
Po­de ser tam­bém seu úl­ti­mo pas­so, e na­da mais.
Mas as­sim mes­mo, com­pa­nhei­ro, es­tá pron­to?
Vi ho­je for­mi­gas, da­que­las gran­des, nu­ma lon­ga co­lu­na.
Um exér­ci­to mar­chan­do so­bre a ter­ra.

Palavras-chave

Compartilhe