Geral

Poema: Intramuros

segunda-feira, 20 de maio de 2013 Texto de

Aqui, des­te la­do,
on­de só há va­zio
e o re­ver­so,
on­de não há lu­gar
nem pa­ra quei­xa
tam­pou­co ver­so

Nes­te la­do som­brio,
em que fo­gem
as noi­tes,
es­ca­pan­do afli­tas
en­tre ne­bli­nas
e açoi­tes

Aqui, des­te la­do,
on­de to­cam
lon­ge os tam­bo­res
sem que num se­gun­do
pos­sam es­con­der
tan­tas do­res

Nes­te la­do som­brio,
em que nun­ca
se co­nhe­ce
e qua­se na­da
por pou­co nem
mes­mo ama­nhe­ce

Aqui, des­te la­do,
on­de cai
tan­ta de­si­lu­são,
o que mais fal­ta
no fim de tu­do
é mes­mo sua mão

Palavras-chave

Compartilhe