Impressões

Django Livre e a autoesnucada de Tarantino

terça-feira, 22 de janeiro de 2013 Texto de

Gos­tei mui­to de Djan­go Li­vre. Quem po­de com um ti­me des­se?: Ta­ran­ti­no, Ja­mie Foxx, Ch­ris­toph Waltz, Le­o­nar­do Di­Ca­prio e Sa­mu­el L. Jack­son? E aque­la atriz lin­da (Ker­ry Washing­ton)? Achei a aber­tu­ra ge­ni­al, com a mú­si­ca te­ma de Djan­go (fil­me de 1966 di­ri­gi­do por Ser­gio Cor­buc­ci, com Fran­co Ne­ro, aque­le em que ele che­ga ar­ras­tan­do o cai­xão).

Aliás, há uma pas­sa­gem cu­ri­o­sa a es­se res­pei­to. Nu­ma cer­ta ma­dru­ga­da em que es­tá­va­mos afo­gan­do as má­go­as por­que o Diá­rio de Bau­ru ti­nha fe­cha­do e nós tí­nha­mos per­di­do o em­pre­go, a con­vi­vên­cia com gran­des ami­gos e, na­que­la ho­ra, a von­ta­de de ser jor­na­lis­ta, nes­sa ma­dru­ga­da, num bar, fa­lá­va­mos de ci­ne­ma e ten­tá­va­mos lem­brar quem era o Djan­go que che­ga­va ar­ras­tan­do o cai­xão (aliás, eu te­nho es­se fil­me).

En­tão ocor­reu que não nos lem­bra­mos e con­ti­nu­a­mos to­man­do cer­ve­ja, fa­lan­do dis­so e da­qui­lo, a ca­da pou­co vol­tan­do ao pal­co ter­rí­vel de nos­sas frus­tra­ções – o fe­cha­men­to do jor­nal.

E lá pe­las tan­tas, de re­pen­te, eu me lem­brei. Eu me lem­bro de ter gri­ta­do à me­sa “Fran­co Ne­ro!!!!!”. E em se­gui­da hou­ve um si­lên­cio. Por­que acho que nin­guém mais se lem­bra­va de que não tí­nha­mos nos lem­bra­do de lem­brar do Fran­co Ne­ro. E mais em se­gui­da, to­dos ri­mos mui­to.

Mas vol­tan­do ao fil­me do Ta­ran­ti­no, a aber­tu­ra é sim­ples­men­te sen­sa­ci­o­nal. Não é só a mú­si­ca. São tam­bém os cré­di­tos, que lem­bram os ve­lhos fil­mes de fa­ro­es­te de an­ti­ga­men­te, com aque­las le­tras gi­gan­tes­cas etc e tal.

E Fran­co Ne­ro es­tá lá! No fil­me.

Djan­go Li­vre tem mo­men­tos óti­mos, fo­to­gra­fia ex­ce­len­te, tri­lha so­no­ra de­li­ci­o­sa e, cla­ro, tu­do que se es­pe­ra de um fil­me do Ta­ran­ti­no: san­gue, di­ver­são, fan­ta­sia, iro­nia e crí­ti­ca po­lí­ti­ca nu­ma sequên­cia in­sa­na que mis­tu­ra, por exem­plo, mor­te e gra­ça. Ou ro­man­tis­mo e fria vin­gan­ça.

Ch­ris­toph Waltz, mais uma vez, dá um show. Fi­ca com ele a ta­re­fa de fa­zer o pú­bli­co res­pi­rar com ri­sos. E o in­crí­vel é que num pa­pel que guar­da se­me­lhan­ças com o co­ro­nel Hans Lan­da, de Bas­ta­dos In­gló­ri­os (em que ele é sim­ples­men­te um pro­fis­si­o­nal que ca­ça ju­deus pa­ra os na­zis­tas, en­quan­to que em Djan­go Li­vre, do mes­mo mo­do sem pai­xões, ele é um ca­ça­dor de re­com­pen­sas), o in­crí­vel é que nes­se pa­pel ele con­se­gue pro­vo­car as mes­mas re­a­ções no es­pec­ta­dor sem, en­tre­tan­to, re­pe­tir o per­so­na­gem do fil­me an­te­ri­or. Um ator fe­no­me­nal.

Le­o­nar­do Di­Ca­prio faz a de­le com pri­mor, man­ten­do-se no sta­tus de gran­de ator (e não ape­nas a ca­ri­nha bo­ni­ta do iní­cio, bem lá atrás) em que se trans­for­mou.

Sa­mu­el L. Jack­son, co­mo sem­pre, gran­di­o­so. Aliás, ele me pas­sa a im­pres­são de que mes­mo que qui­ses­se não con­se­gui­ria ser um mau ator.

E por in­crí­vel que pos­sa pa­re­cer Ja­mie Foxx aca­ba meio que co­mum no meio das in­ter­pre­ta­ções dos de­mais. A cul­pa não é de­le. O pa­pel de­le, do he­rói, dá uma cer­ta li­mi­ta­da em sua per­for­man­ce. Ele é mui­to bom, mas em fil­me de Ta­ran­ti­no os he­róis pre­ci­sam ser re­al­men­te he­roi­cos pa­ra emer­gir do mar de san­gue e vi­la­nia.

Bom, tu­do is­to pos­to, fi­ca a es­nu­ca­da a que Ta­ran­ti­no não fu­gi­rá ile­so: co­mo su­pe­rar, com Djan­go Li­vre ou qual­quer ou­tro, o ines­que­cí­vel Bas­tar­dos In­gló­ri­os? Ele que se vi­re.

Ou­ça a mú­si­ca-te­ma do fil­me, a mes­ma do Djan­go de Fran­co Ne­ro:

MEU RANKING PESSOAL
(Quan­tos fil­mes eu vi com eles)

Ato­res:
Le­o­nar­do Di­Ca­prio - 19
Sa­mu­el L. Jack­son - 17
Ja­mie Foxx- 5
Ch­ris­toph Waltz - 3

Di­re­to­res:
Ta­ran­ti­no  -7

 

Compartilhe