Incrível! Inacreditável! Um dia com uma empresa chamada BV Financeira | Márcio ABC

Va­le a pe­na con­tar o epi­só­dio. Que, aliás, ain­da não aca­bou. E não sei co­mo vai aca­bar. É a his­tó­ria de um dia in­tei­ro à dis­po­si­ção de uma em­pre­sa cha­ma­da BV Fi­nan­cei­ra. Te­nho um fi­nan­ci­a­men­to com es­sa em­pre­sa. Pa­go men­sal­men­te uma par­ce­la de um car­ro. Dia 6 é o ven­ci­men­to. Por­tan­to, nes­ta ter­ça-fei­ra, fui pa­gá-la.

Ca­pí­tu­lo 1 – Tí­tu­lo ine­xis­ten­te

10h – Co­mo fa­ço com to­das as mi­nhas con­tas, aces­so o si­te do meu ban­co pa­ra pa­gar a par­ce­la. A cer­ta al­tu­ra da ope­ra­ção, sur­ge o avi­so: “tí­tu­lo ine­xis­ten­te”. Às ve­zes, ocor­re. Qual o pro­ble­ma? Da­qui a pou­co eu vol­to.

10h30 – Aces­so no­va­men­te o si­te. Acon­te­ce exa­ta­men­te a mes­ma coi­sa: “tí­tu­lo ine­xis­ten­te”. Ima­gi­no, en­tão, um pro­ble­ma com o tí­tu­lo da BV Fi­nan­cei­ra, e não com o ban­co. Pa­ci­ên­cia.

11h – Ten­to mais uma vez. E tu­do se re­pe­te.

12h15 – Re­sol­vo ir ao cai­xa ele­trô­ni­co. Pen­so nu­ma fa­lha de al­gum sis­te­ma na in­ter­net, sei lá. Mas o cai­xa ele­trô­ni­co re­pe­te no­va­men­te: “tí­tu­lo ine­xis­ten­te”.

12h17 – Olho pa­ra a fi­la da bo­ca do cai­xa. De­zes­se­te pes­so­as es­tão à mi­nha fren­te. Mas fa­zer o quê? Va­mos lá.

12h32 - Até que an­dou rá­pi­do. Sou aten­di­do quin­ze mi­nu­tos de­pois de ter en­tra­do na fi­la. O cai­xa, um su­jei­to sim­pá­ti­co e pres­ta­ti­vo, ou­ve mi­nha (ain­da) pe­que­na his­tó­ria. Faz ca­ra de que vai re­sol­ver. Ufa! Co­me­ço a me tran­qui­li­zar. Ele, ao in­vés de uma, ar­ran­ca du­as fo­lhas do car­nê (a des­te mês e a do mês se­guin­te), mas is­so eu dei­xo pra lá. O im­por­tan­te é re­sol­ver. O im­por­tan­te é pa­gar a pres­ta­ção. Ten­ta uma vez. Du­as. E na­da. “Olha, vo­cê vai ter que ver com a BV Fi­nan­cei­ra.” Uma co­le­ga gri­ta ali por per­to: “é da BV Fi­nan­cei­ra? Ele não é o pri­mei­ro. Tem mais gen­te re­cla­man­do ho­je”.

Ca­pi­tu­lo 2 – Bo­le­to por e-mail

13h40 – De­pois de ter al­mo­ça­do e re­sol­vi­do ou­tras coi­sas na rua, li­go pa­ra a BV Fi­nan­cei­ra. Ven­ço as vá­ri­as eta­pas da li­ga­ção pro­gra­ma­da: ou­ço os re­ca­dos, o en­de­re­ço do si­te, os pe­di­dos pa­ra que eu aces­se a op­ção de­se­ja­da, o nú­me­ro do CPF, o nú­me­ro do con­tra­to. Pas­so to­das as in­for­ma­ções so­li­ci­ta­das. Ok.

13h44 – A li­ga­ção vai adi­an­te. Sou avi­sa­do de que os diá­lo­gos se­rão gra­va­dos. Ok. Che­ga a aten­den­te. E me pe­de (ver­da­de!!!) o nú­me­ro do CPF, o nú­me­ro do con­tra­to, o no­me com­ple­to etc. Dou no­va­men­te. “Pois não, sr. Már­cio”, pron­ti­fi­ca-se a mo­ça. Con­to a his­tó­ria. “Es­tou ten­tan­do pa­gar uma par­ce­la e blá­blá­blá...” Ela me per­gun­ta se eu fui à bo­ca do cai­xa, em que ban­co etc. Re­pi­to tu­do. “Bom, vou en­vi­ar o bo­le­to por e-mail den­tro de vin­te mi­nu­tos.” E as­sim fi­ca­mos por ora.

14h15 – Na­da do bo­le­to. Li­go no­va­men­te. Pas­so por to­das as eta­pas. A se­gun­da aten­den­te me pe­de to­das as in­for­ma­ções que eu já dei. Ex­pli­co tu­do de no­vo. Pas­so a pas­so. Ela me diz que en­vi­a­rá ou­tro bo­le­to. Eu ex­pli­co que não adi­an­ta en­vi­ar o mes­mo bo­le­to. Eu te­nho o bo­le­to. O que ocor­re é que es­tá acu­san­do “tí­tu­lo ine­xis­ten­te”. En­tão ela me diz que “po­de dei­xar”. Em vin­te mi­nu­tos.

14h45 – Na­da do ou­tro bo­le­to. Tu­do de no­vo. A ter­cei­ra aten­den­te me diz, des­ta vez, que eu es­tou no ca­nal er­ra­do (sen­sa­ci­o­nal!!!). Me man­da li­gar em ou­tro aten­di­men­to. Eu per­gun­to se ela es­tá brin­can­do. Ela diz que não. Que es­tá fa­lan­do sé­rio. E eu: “mo­ça, ve­ja bem, eu só que­ro pa­gar um bo­le­to, que­ro pa­gar uma con­ta de vo­cês. Não que­ro em­prés­ti­mo. Es­tou ten­tan­do pa­gar uma par­ce­la, en­ten­de?”. Ela en­tão diz que en­ten­de e que vai re­sol­ver. Um no­vo bo­le­to se­rá en­vi­a­do. “Vou co­lo­car com da­ta de ven­ci­men­to pa­ra ama­nhã.” Ah, óti­mo. Obri­ga­do. “Com os ju­ros, vai fi­car em....” Opa, es­pe­ra aí! Não vou pa­gar um cen­ta­vo a mais. Eu es­tou ten­tan­do pa­gar e não con­si­go por cau­sa de uma fa­lha da BV Fi­nan­cei­ra. “É, o se­nhor quer pa­gar do seu jei­to, mas o sis­te­ma...” Não, eu não que­ro pa­gar do meu jei­to. Eu só que­ro pa­gar. Só is­so! A aten­den­te pro­me­te en­vi­ar o bo­le­to. Ne­nhum de­les che­ga­ria ao meu e-mail.

Ca­pí­tu­lo 3 – O chat

16h45 – De­pois de al­gu­mas ta­re­fas pro­fis­si­o­nais, vol­to à ques­tão. En­tro no chat da ou­vi­do­ria da BV Fi­nan­cei­ra. Sou o 16º na fi­la de es­pe­ra pa­ra ser aten­di­do.

17h09 – Sou aten­di­do. Ago­ra acho que vai! Eis a re­pro­du­ção do diá­lo­go:

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Olá Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va! Bem vin­do à Cen­tral de No­vos Ne­gó­ci­os da BV Fi­nan­cei­ra! Es­te ca­nal é ex­clu­si­vo pa­ra aqui­si­ção de No­vos Pro­du­tos.

Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Olá... eu te­nho um fi­nan­ci­a­men­to aí com vo­cês. Ho­je ven­ce uma par­ce­la, mas eu não con­si­go pa­gá-la.
Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Já ten­tei pe­la in­ter­net, no cai­xa ele­trô­ni­co, na bo­ca do cai­xa do ban­co e na­da
Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Li­guei pa­ra o aten­di­men­to da BV e nin­guém con­se­gue re­sol­ver. Ou se­ja, não con­si­go pa­gar a par­ce­la.
Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - O que eu fa­ço?

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Boa tar­de!

Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Che­gou a men­sa­gem aí?

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Sim.
Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Se­nhor Már­cio, pa­ra re­gis­trar o aten­di­men­to des­te ca­nal in­for­me por gen­ti­le­za os da­dos abai­xo:
No­me com­ple­to-
Ci­da­de e es­ta­do em que re­si­de-
Te­le­fo­nes pa­ra con­ta­to com DDD, es­pe­ci­fi­can­do o ti­po (re­si­den­ci­al, co­mer­ci­al ou ce­lu­lar)-

Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va, Bau­ru (SP), (14) 9651-4126 (ce­lu­lar)

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra Con­fir­ma o CPF xxxxxxx?

Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Sim

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Obri­ga­da pe­las in­for­ma­ções!
Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Se­nhor Már­cio, es­te ca­nal é ex­clu­si­vo pa­ra aqui­si­ção de no­vos pro­du­tos BV Fi­nan­cei­ra. En­quan­to o sis­te­ma lo­ca­li­za os ca­nais de aten­di­men­to re­fe­ren­te a sua so­li­ci­ta­ção, a BV Fi­nan­cei­ra co­lo­ca a sua dis­po­si­ção li­nhas de cré­di­to co­mo: Fi­nan­ci­a­men­to de veí­cu­lo, Re­fi­nan­ci­a­men­to de veí­cu­lo, Cré­di­to Pes­so­al en­tre ou­tros produtos.Podemos en­vi­ar uma pro­pos­ta on­de o nos­so Re­pre­sen­tan­te en­tra­rá em con­ta­to com ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­des, in­for­man­do ta­xas, ju­ros e fa­zen­do si­mu­la­ções. Va­mos pre­en­cher a pro­pos­ta?

Már­cio An­to­nio Blan­co Ca­va - Mi­nha ca­ra, por fa­vor, só me di­ga o que eu fa­ço pa­ra pa­gar uma con­ta pa­ra vo­cês. É só is­so que eu que­ro. In­crí­vel. Es­tou o dia in­tei­ro nis­so e não con­si­go!!!

Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - Com­pre­en­do!
Ma­ria Del­vai Men­des Oli­vei­ra - As in­for­ma­ções de­se­ja­das es­tão dis­po­ní­veis no si­te em Aten­di­men­to no Chat on­li­ne (ou­tro chat) ca­so não pos­sua o nú­me­ro do con­tra­to, po­de co­nec­tar co­mo não cli­en­te ape­nas com o CPF e após o aten­di­men­to se iden­ti­fi­car, ou en­tre em con­ta­to por te­le­fo­ne com a Cen­tral de Re­la­ci­o­na­men­to com o Cli­en­te nos nú­me­ros 3003-1616 pa­ra ca­pi­tais e re­giões me­tro­po­li­ta­nas ou 0800-701-8600 pa­ra as de­mais lo­ca­li­da­des. Des­ta for­ma po­de­rá so­li­ci­tar a in­for­ma­ção de­se­ja­da. Al­go mais que pos­so aju­dar, se­nhor Már­cio?

Ca­pí­tu­lo 4 – A ou­vi­do­ria

17h48 – Ain­da na ou­vi­do­ria da BV Fi­nan­cei­ra, de­ci­do en­vi­ar um e-mail pa­ra eles. Re­pro­du­zo abai­xo:
Te­nho uma par­ce­la que ven­ce ho­je e não con­si­go pa­gar. Ten­tei pe­la in­ter­net, no cai­xa ele­trô­ni­co e na bo­ca do cai­xa e na­da. Es­tá apon­tan­do tí­tu­lo ine­xis­ten­te. Li­guei pa­ra as aten­den­tes da BV, fa­lei no chat. Mas não con­se­guem re­sol­ver o pro­ble­ma. É in­cri­vel. Es­tou que­ren­do pa­gar uma con­ta. Não es­tou pe­din­do em­prés­ti­mo, não que­ro na­da, Só pa­gar o que eu de­vo. Es­tou o dia in­tei­ro atrás dis­so e não re­sol­vem o pro­ble­ma. O que eu de­vo fa­zer? Por fa­vor, não me man­dem en­trar no si­te ou­tra vez - já fui lá e o bo­le­to não re­sol­veu na­da. Não me man­dem fa­lar com as aten­den­tes. Elas não re­sol­vem na­da. Não me man­dem fa­lar no chat. Por­que tam­bém não re­sol­ve na­da. Me di­gam só o que eu de­vo fa­zer pa­ra pa­gar a con­ta. Te­nho que le­var em di­nhei­ro num sa­co pa­ra vo­cês?

19h56 – Vem a res­pos­ta da ou­vi­do­ria. Eis:
Pre­za­do Sr. Mar­cio,
In­for­ma­mos que es­te ca­nal é ex­clu­si­vo pa­ra re­cla­ma­ção, su­ges­tão e elo­gio, sen­do as­sim es­ta so­li­ci­ta­ção de­ve­rá ser fei­ta atra­vés da CENTRAL DE RELACIONAMENTO DA BV nos te­le­fo­nes in­for­ma­dos abai­xo (en­tra um qua­dro com to­dos os con­ta­tos). Con­ti­nu­a­mos a dis­po­si­ção.
Aten­ci­o­sa­men­te,
BV FINANCEIRA
Ge­rên­cia de Aten­di­men­to

Ca­pí­tu­lo 5 – Tu­do ou­tra vez

20h09 – Após ler o e-mail, ve­jo que o que eles es­tão me pe­din­do é exa­ta­men­te o que eu fiz às 13h40, ou se­ja, li­gar pa­ra a cen­tral de re­la­ci­o­na­men­to. Me sin­to co­mo se es­ti­ves­se num des­ses fil­mes em que o ca­ra é en­re­da­do nu­ma teia da qual não con­se­gue se li­vrar. Mas as­sim mes­mo li­go no­va­men­te. O que eu pos­so fa­zer? De­pois de pas­sar por to­das aque­las gra­va­ções, re­ca­dos etc etc, sou aten­di­do por um su­jei­to cha­ma­do Mar­ce­lo. Co­me­ço a ano­tar os no­mes dos aten­den­tes. Di­go a ele que vou ape­nas re­su­mir a his­tó­ria, se­não cor­re­mos o ris­co de não aca­bar­mos ho­je. Uns cin­co mi­nu­tos de­pois, fe­cho o re­su­mo. Ele pe­de pa­ra que eu aguar­de. Vol­ta: “o se­nhor não é o pri­mei­ro a re­cla­mar ho­je”. Cer­to, ok. “A má no­tí­cia é que es­sa re­cla­ma­ção não de­ve ser fei­ta aqui.” Ina­cre­di­tá­vel!!! Di­go a ele: mas co­mo? Foi aí que me man­da­ram li­gar. E ele: “é, mas is­so é meio ge­ne­ra­li­zan­te” (sen­sa­ci­o­nal!). E o que eu fa­ço en­tão? Ele: “vou trans­fe­rir o se­nhor”. Es­tá cer­to. Obri­ga­do.

20h21 – Sou aten­di­do pe­la Cláu­dia. Ela me pe­de to­das as in­for­ma­ções ou­tra vez. No­me com­ple­to, CPF, con­tra­to, cor do car­ro etc etc etc. Eu pas­so a ela tu­do que sei, pe­lo amor de Deus, não me tor­tu­re mais! Ela pe­de pa­ra aguar­dar um mi­nu­to. Vol­ta: “sr. Már­cio, o sis­te­ma es­tá sen­do atu­a­li­za­do”. E o que is­so quer di­zer? “O sr. vai ter que aguar­dar ou es­tar re­tor­nan­do a li­ga­ção.”

Acre­di­te quem pu­der.

Qual se­rá o pró­xi­mo ca­pí­tu­lo? Con­se­gui­rei, en­fim, pa­gar mi­nha par­ce­la? Ve­ja­mos...

Epí­lo­go - Fi­nal fe­liz

9h42 da ma­nhã se­guin­te - Uma aten­ci­o­sa pro­fis­si­o­nal da BV Fi­nan­cei­ra, cha­ma­da Car­la, me li­ga. E, por fim, re­sol­ve o pro­ble­ma, en­vi­an­do um bo­le­to vá­li­do. Os bo­le­tos não che­ga­vam por­que na ho­ra de di­gi­tar meu e-mail al­gu­ma aten­den­te da em­pre­sa es­cre­veu “ma­cio”, ou se­ja “már­cio” sem o “r”. Tam­bém, quem man­dou eu me cha­mar Már­cio?

Cré­di­tos fi­nais

Es­te não é um epi­só­dio fic­tí­cio. É re­al. A em­pre­sa não me co­brou os ju­ros.

Compartilhe