Crônicas

Histórias reais e defuntos imaginários

sexta-feira, 22 de outubro de 2010 Texto de

Conta-se que o ve­lhi­nho, louco por um pan­deiro (e uns tra­gos), saíra do úl­timo bo­teco e, a ca­mi­nho de casa, vis­lum­brou mais uma pos­si­bi­li­dade de con­ti­nuar a noi­tada: numa casa ali perto, ha­via uma certa mo­vi­men­ta­ção, lu­zes na ma­dru­gada, gente que en­trava e saía. Festa, pen­sou o boê­mio. Sa­cou o pan­deiro e já che­gou en­fei­ti­çado, fa­zendo o ins­tru­mento cha­co­a­lhar. Ele só não con­tava que ti­nha en­trado num ve­ló­rio. E, claro, bo­ta­ram o ve­lhi­nho pra cor­rer.

*** *** ***

Tam­bém ro­lou o se­guinte (num ou­tro dia, mas na mesma ci­dade): o su­jeito mor­reu e le­va­ram o corpo pra ve­lar em casa. A noite cor­reu nor­mal­mente, com seus cho­ros e co­mo­ções. Lá pela hora do en­terro, já com o sol alto, fo­ram bus­car a tampa do cai­xão atrás da porta da sala. Só que a tampa não es­tava mais lá. O caso é que, sor­ra­tei­ros, dois ou três mo­le­ques a sur­ru­pi­a­ram e àquela al­tura dos acon­te­ci­men­tos es­ta­vam se di­ver­tindo no as­falto quente. Ti­nham feito da tampa um ve­loz car­ri­nho de ro­limã. E agora iam apa­nhar.

*** *** ***

Como diz o tí­tulo, os dois ca­sos são ve­rí­di­cos. Mas eu in­clui­ria aqui o se­guinte: den­tro da­que­las cai­xas tris­tes, seus eter­nos pro­pri­e­tá­rios fi­ca­ram pu­tos da vida com as cen­su­ras fei­tas ao ve­lhi­nho e aos ga­ro­tos. A mú­sica no ve­ló­rio e a cor­rida com a tampa do cai­xão de­vem ter sido sua úl­tima di­ver­são de corpo pre­sente. Cá en­tre nós, me­lhor do que as avil­tan­tes ora­ções e as tris­tes lá­gri­mas.

Compartilhe