O que se viu no úl­ti­mo 21 de maio, na fi­nal da Li­ga dos Cam­peões da Eu­ro­pa, em Mos­cou, en­tre os in­gle­ses Chel­sea e Man­ches­ter Uni­ted, foi um show. Ca­ras, bo­cas e fi­ru­las fo­ca­das por de­ze­nas de câ­me­ras. A me­ta­lin­gua­gem é tan­ta que o te­lão do es­tá­dio re­pro­du­zia o mes­mo que o res­to do mun­do via pe­la TV. Eu via o as­tro Cris­ti­a­no Ro­nal­do olhar-se no te­lão a ca­da lan­ce. É um mar­ke­ting-boy de pri­mei­ra. Jus­ti­fi­can­do seu ros­ti­nho de ga­lã me­xi­ca­no, pas­se­ou da gló­ria ao dra­ma (e de vol­ta à gló­ria) no épi­co es­pe­tá­cu­lo do ba­da­la­do fu­te­bol eu­ro­peu.

A per­fei­ção do even­to era tan­ta que mais pa­re­cia uma lon­ga par­ti­da de Plays­ta­ti­on. Gra­ma­do im­pe­cá­vel (mes­mo co­lo­ca­do na vés­pe­ra, agüen­tou a chu­va), ca­sa cheia, uni­for­mes lim­pos (sem pa­tro­cí­ni­os no cal­ção, na man­ga...). Os cra­ques, aos mon­tes. Os mag­na­tas que man­têm os dois clu­bes com­pra­ram o que há de me­lhor na pra­ça: Te­vez, Cris­ti­a­no Ro­nal­do, Drog­ba, Bal­lack. O la­do B, cla­ro, fi­ca de fo­ra. Não se sen­te o ba­fo dos tor­ce­do­res bê­ba­dos, que cer­ta­men­te de­ram tra­ba­lho à po­lí­cia rus­sa. Mui­to me­nos o fe­dor do cha­ru­to dos car­to­las en­gra­va­tos e bem-aco­mo­da­dos nas tri­bu­nas.

Cla­ro que hou­ve su­or. A bo­la ro­lou de ver­da­de. Ter­ry, ca­pi­tão do Chel­sea, cho­rou co­mo um be­bê ao jo­gar fo­ra o tí­tu­lo iné­di­to dos lon­dri­nos. E de­vol­veu a Cris­ti­a­no Ro­nal­do, que ha­via per­di­do seu pê­nal­ti, o sor­ri­so no ros­to, mes­mo que ago­ra ama­re­lo.

O “pu­to” (co­mo é cha­ma­do pe­los por­tu­gue­ses), co­mo dis­se, fi­ca com um olho na bo­la e ou­tro no te­lão. Pre­vê ca­da mo­vi­men­to. In­ven­tou sua pró­pria po­se pa­ra co­brar fal­ta pa­ra ser co­pi­a­do no vi­de­o­ga­me. Ba­teu pê­nal­ti com pa­ra­di­nha, pa­ra am­pli­fi­car a já fa­da­da con­quis­ta de me­lhor jo­ga­dor do mun­do - e er­rou. Gra­ças ao co­le­ga Van der Sar, pô­de pu­xar a fi­la dos jo­ga­do­res pa­ra re­ce­ber a me­da­lha e po­sar ao la­do da len­da Bob Charl­ton. Mas só o tra­ves­sei­ro de­le vai co­nhe­cer a sin­ce­ra ver­go­nha que pas­sou.

Es­sa con­fu­são en­tre re­a­li­da­de e fic­ção que o es­pe­tá­cu­lo te­le­vi­si­vo pro­vo­ca no es­por­te é ob­je­to de es­tu­do dos edu­ca­do­res fí­si­cos - há in­clu­si­ve o um gru­po de tra­ba­lho de Co­mu­ni­ca­ção e Mí­dia do Co­lé­gio Bra­si­lei­ro de Ci­ên­ci­as do Es­por­te. O pro­fes­sor Mau­ro Bet­ti, dou­tor em Fi­lo­so­fia da Edu­ca­ção e pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de Edu­ca­ção Fí­si­ca da Unesp de Bau­ru, bem de­fi­ne o que cha­ma de es­por­te te­les­pe­tá­cu­lo, em seu li­vro “A Ja­ne­la de Vi­dro”, ci­tan­do Me­lo de Car­va­lho (1985): “A re­pe­ti­ção ob­ses­si­va dos lan­ces mais vi­o­len­tos ou es­pe­ta­cu­la­res, o fa­na­tis­mo da tor­ci­da, a eu­fo­ria da vi­tó­ria etc. Is­so fa­ci­li­ta mui­to a co­mer­ci­a­li­za­ção do es­por­te, pois per­mi­te a ên­fa­se em tu­do o que mais in­te­res­sa a in­ves­ti­do­res, e pro­duz uma vi­são ar­ti­fi­ci­al do es­por­te em com­bi­na­ção com uma lin­gua­gem ‘guer­rei­ra’, am­pli­fi­can­do o fal­so dra­ma que se vi­ve no cam­po e nas qua­dras”.

En­quan­to is­so, a Re­de Glo­bo pe­chin­cha o va­lor dos di­rei­tos de trans­mis­são do fu­te­bol bra­si­lei­ro, já que a au­di­ên­cia es­tá bem abai­xo do que se es­pe­ra no “país do fu­te­bol”. Só não olhou pa­ra seu um­bi­go pla­ti­na­do: ain­da não apren­deu a ex­plo­rar es­se fal­so dra­ma que bro­ta do jo­go, tão bem ge­ra­do a par­tir de Mos­cou.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe