Geral

10 papos com o escritor Leonardo Brasiliense

segunda-feira, 16 de julho de 2007 Texto de

1 Vo­cê foi in­di­ca­do ao Ja­bu­ti com um li­vro pa­ra ado­les­cen­tes (em­bo­ra eu o te­nha li­do e acho que ser­viu pa­ra mim tam­bém - rsrs­s­s­s­ss). É a es­se seg­men­to que vo­cê pre­ten­de se de­di­car mais a par­tir de ago­ra ou a in­ves­ti­da foi por aca­so?

Le­o­nar­do - Es­se li­vro foi es­cri­to por su­ges­tão de uma pro­fes­so­ra que tra­ba­lha li­te­ra­tu­ra com ado­les­cen­tes e de um ami­go es­cri­tor de li­vros ju­ve­nis. Am­bos vi­ram que o mi­ni­con­to fun­ci­o­na­ria bem com nos­sos jo­vens apres­sa­dos. Por en­quan­to, não te­nho ne­nhum ou­tro pro­je­to no gê­ne­ro.

2 O mi­ni­con­to, gê­ne­ro que vo­cê tam­bém na­mo­ra, pa­re­cia ter vin­do com um fô­le­go mai­or. Ou ele es­tá aí e vai cres­cer?

Le­o­nar­do - Há mui­to que se ex­plo­rar no con­to. Não acho que o mi­ni­con­to se­ja um gê­ne­ro es­pe­cí­fi­co, mas ape­nas um con­to bem pe­que­no, mui­to sin­té­ti­co, que exi­ge uma apre­en­são es­pe­ci­al do lei­tor.

3 Quan­do deu o es­ta­lo de es­cri­tor em vo­cê?

Le­o­nar­do - Na épo­ca da fa­cul­da­de, quan­do eu ti­nha 22 anos. Não sei por que, mas de re­pen­te me deu von­ta­de de con­tar uma his­tó­ria. Es­cre­vi. De­pois deu von­ta­de de con­tar ou­tra... E por en­quan­to a von­ta­de con­ti­nua.

4 O mé­di­co aju­da o es­cri­tor ou o es­cri­tor aju­da o mé­di­co?

Le­o­nar­do - A ex­pe­ri­ên­cia de ver de per­to o so­fri­men­to hu­ma­no faz a gen­te ter mais res­pei­to pe­lo que es­cre­ve. São ape­nas pa­la­vras, mas tra­du­zem coi­sas do­lo­ro­sas, e is­so não se po­de es­que­cer.

5 Quem es­tá dor­min­do na sua ca­be­cei­ra?

Le­o­nar­do - Ne­ro, do Ale­xan­dre Du­mas.

6 A Flip aca­bou de aca­bar. A Flip cos­tu­ma atrair aten­ções, fi­gu­rões,
sen­sa­ções. Qua­se não há ou­tra coi­sa igual. Não é pou­co pa­ra um Bra­sil
des­te ta­ma­nho?

Le­o­nar­do - Con­si­de­ran­do o nú­me­ro de lei­to­res des­te país, há até even­tos li­te­rá­ri­os de­mais.

7 Co­mo des­bra­var os vas­tos cam­pos fe­cha­dos até a pu­bli­ca­ção?

Le­o­nar­do - Com per­sis­tên­cia e pa­ci­ên­cia. Acho que nun­ca con­se­gui pu­bli­car um li­vro an­tes de dois anos de sua es­cri­ta. Is­so por um la­do é bom. O tex­to ama­du­re­ce e a gen­te aca­ba cor­tan­do ex­ces­sos.

8 Que pro­je­tos an­dam em su­as te­clas?

Le­o­nar­do - Um li­vro de con­tos ins­pi­ra­do num pa­rá­gra­fo do Li­vro Se­gun­do da Me­ta­fí­si­ca de­A­ris­tó­te­les: “As­sim co­mo os olhos dos mor­ce­gos re­a­gem à luz do dia, as­sim tam­bém a in­te­li­gên­cia que es­tá em nos­sa al­ma re­a­ge às ver­da­des que, por si mes­mas, são as mais evi­den­tes.” O tí­tu­lo do meu li­vro se­rá “Os mor­ce­gos”.

9 A li­te­ra­tu­ra imi­ta a vi­da ou a vi­da imi­ta a li­te­ra­tu­ra?

Le­o­nar­do - A úni­ca coi­sa re­al é a vi­da. A li­te­ra­tu­ra é uma tra­du­ção im­per­fei­ta que nos aju­da a com­pre­en­dê-la, na­da mais.

10 Eri­co ou Luis Fer­nan­do?

Le­o­nar­do - Eri­co.

Le­o­nar­do Bra­si­li­en­se é es­cri­tor e mé­di­co em San­ta Ma­ria (RS).

Cli­que aqui pa­ra aces­sar o si­te de­le

Compartilhe