Quan­do a prin­ce­sa re­gen­te as­si­nou a Lei Áu­rea, há qua­se 120 anos, ame­ni­zou (só ame­ni­zou) a in­jus­ti­ça so­fri­da pe­los ne­gros e ain­da pre­sen­te­ou o mun­do to­do, pois, exa­ta­men­te 70 anos de­pois, Pe­lé e Gar­rin­cha es­ta­vam li­vres pa­ra ar­ran­car efu­si­vos aplau­sos de mi­lha­res de bran­que­los nas ar­qui­ban­ca­das su­e­cas. Mas des­de que Char­les Mil­ler trou­xe a bo­la ao país, em 1894, até o triun­fo de 1958, a vi­da dos ne­gros não foi fá­cil – e con­ti­nua di­fí­cil no in­to­le­ran­te sé­cu­lo 21.

Pra­ti­ca­do só pe­la bur­gue­sia em seus pri­mei­ros anos de ati­vi­da­de no Bra­sil, o “fo­ot­ball” dos uni­ver­si­tá­ri­os en­go­ma­dos co­me­çou a se ren­der aos tra­ba­lha­do­res das fá­bri­cas e tam­bém aos jo­vens ne­gros oci­o­sos das pe­ri­fe­ri­as, com mui­to tem­po pa­ra de­sen­vol­ver um “téc­ni­ca se­du­to­ra”, co­mo des­cre­ve Ana­tol Ro­sen­feld em “Ne­gro, Ma­cum­ba e Fu­te­bol” – o en­saís­ta ale­mão con­si­de­rou o fu­te­bol sua por­ta de aces­so à cul­tu­ra bra­si­lei­ra.

Se por um la­do os po­bres e mu­la­tos ga­nha­vam re­ga­li­as tra­ba­lhis­tas (co­mo no ti­me do Ban­gu, que nas­ceu em uma fá­bri­ca de te­ci­dos e foi o pri­mei­ro a es­ca­lar ne­gros) e sta­tus so­ci­al (o Vas­co da Ga­ma foi o pri­mei­ro a ter pes­so­as de clas­se bai­xa en­tre seus só­ci­os) em tro­ca de seus dri­bles, a re­a­li­da­de fo­ra dos 90 mi­nu­tos de jo­go con­ti­nu­a­va cru­el. “O que va­lia no jo­go não po­dia im­por-se tão ra­pi­da­men­te na vi­da” (Ro­sen­feld).

Um ate­nu­an­te pa­ra es­sa mar­gi­na­li­za­ção: o bri­lho do Di­a­man­te Ne­gro, Leô­ni­das da Sil­va, ar­ti­lhei­ro da Co­pa do Mun­do de 1938, abriu de­fi­ni­ti­va­men­te o mer­ca­do do fu­te­bol (àque­la épo­ca re­cém-pro­fis­si­o­na­li­za­do) pa­ra os ne­gros.

Co­mo Má­rio Fi­lho cons­ta­ta em “O Ne­gro e o Fu­te­bol Bra­si­lei­ro”, a cul­pa pe­la im­per­doá­vel der­ro­ta no Ma­ra­ca­nã – que anos mais tar­de ga­nha­ria o no­me do jor­na­lis­ta – em 1950 re­caiu so­bre três ne­gros do ti­me: os de­fen­so­res Bi­go­de e Ju­ve­nal e, prin­ci­pal­men­te, o go­lei­ro Bar­bo­sa.

Em 2006, às vés­pe­ras da Co­pa na Ale­ma­nha, o hu­mo­ris­ta e du­blê de co­men­ta­ris­ta es­por­ti­vo Chi­co Any­sio te­ve a in­fe­li­ci­da­de de afir­mar no diá­rio “Lan­ce!” que não ti­nha con­fi­an­ça em um go­lei­ro ne­gro, fa­zen­do re­fe­rên­cia a Di­da e lem­bran­do-se do po­bre Bar­bo­sa.

Dois exem­plos de um in­ces­san­te mar de in­to­le­rân­cia, que in­fe­liz­men­te ren­de ou­tras tan­tas des­sas li­nhas e pro­va que o fu­te­bol, mes­mo sen­do um gran­de pal­co pa­ra os ne­gros mos­tra­rem seu va­lor, é ape­nas mais um es­pe­lho fi­el da nos­sa so­ci­e­da­de.

E-mail: fernando_bh@yahoo.com.br

Compartilhe