Geral

Escritores e jornalistas elogiam “Parabala”

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2003 Texto de

Meu li­vro, Pa­ra­bala, re­ce­beu vá­rios elo­gios de es­cri­to­res e jor­na­lis­tas que já o le­ram. Um dos exem­pla­res da obra, in­clu­sive, foi le­vado à Eu­ropa e aos Es­ta­dos Uni­dos pelo es­cri­tor Luiz Paulo Fac­ci­oli, que tam­bém es­creve re­se­nhas para o Ras­cu­nho, jor­nal li­te­rá­rio de Cu­ri­tiba. Ele leu Pa­ra­bala em sua vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal. “Quando es­tava so­bre­vo­ando Porto Ale­gre, já de volta, li as úl­ti­mas li­nhas”, contou-me. 

Para Fac­ci­oli, “Pa­ra­bala é um ‘ro­man­ção’, no sen­tido da­que­les que exi­gem grande fô­lego e vão se es­cas­se­ando em nossa li­te­ra­tura”. Diz ele tratar-se de uma trama cen­tral bem ur­dida que vai con­quis­tando aos pou­cos o in­te­resse do lei­tor. “As his­tó­rias pa­ra­le­las – ‘cau­sos’ – caem como luva na­quele uni­verso de gente sim­ples, pouco ins­truída, com va­lo­res e ver­da­des mui­tas ve­zes des­to­an­tes dos nos­sos”, opina o crí­tico e es­cri­tor. Em e-mail en­vi­ado a mim, afirma ter lido em Pa­ra­bala “inú­me­ras pas­sa­gens de rara ins­pi­ra­ção”.

Fac­ci­oli, con­tudo, tam­bém faz crí­ti­cas ao li­vro. “Não gos­tei de ler ver­sos po­pu­la­res en­tre­me­a­dos à prosa”, avisa. Além disso, con­si­dera que há pas­sa­gens que soam in­ve­ros­sí­meis e ina­de­qua­ções de lin­gua­gem em al­guns tre­chos. De qual­quer ma­neira, para ele, meu pri­meiro ro­mance foi “bem-sucedido”.

Já Le­o­nardo Bra­si­li­ense, ven­de­dor do Ja­buti com “Adeus con­tos de fa­das” e au­tor de “Três dú­vi­das”, “Meu so­nho acaba tarde” e “Des(a)tino”, en­tre ou­tros li­vros de con­tos e mi­ni­con­tos, diz que Pa­ra­bala mos­tra uma his­tó­ria forte e hu­mana. “Forte por­que prende o lei­tor sem tré­guas. Hu­mana por­que faz sur­gir, numa es­tru­tura cul­tu­ral rí­gida, um amor que, para vin­gar, pre­cisa suplantá-la, e do amor as­sim quase im­pos­sí­vel faz sur­gir a fe­li­ci­dade”, ex­plica. Para Bra­si­li­ense, a obra traz pá­gi­nas de “alta li­te­ra­tura”.

O po­eta e es­cri­tor Vi­tor Bi­a­soli, cujo pa­re­cer so­bre o li­vro me in­cen­ti­vou à pu­bli­ca­ção, tam­bém faz gran­des elo­gios à obra, es­pe­ci­al­mente à lin­gua­gem uti­li­zada: “É lin­gua­gem algo bar­roca, densa de po­e­sia, que au­xi­lia na con­fi­gu­ra­ção do uni­verso ru­ral das fa­zen­das de café, dos ho­mens sim­ples do campo, das pai­xões e vi­o­lên­cias pri­mi­ti­vas”.

Jor­na­lis­tas tam­bém gos­ta­ram de Pa­ra­bala, em­bora o gê­nero distancie-se dos cha­ma­dos livros-reportagem, mais co­mum ao meio. A jor­na­lista e pro­fes­sora de jor­na­lismo Ro­se­ane An­drelo, por exem­plo, con­si­dera que eu dei­xei de lado as ca­rac­te­rís­ti­cas mais rí­gi­das do texto jor­na­lís­tico e mer­gu­lhei no uni­verso li­te­rá­rio com um es­tilo sa­bo­roso. “O li­vro é bem tra­ba­lhado, ca­ti­vante, com ri­queza de vo­ca­bu­lá­rio e com cri­a­ti­vi­dade, ao aban­do­nar a li­ne­a­ri­dade e op­tar pela nar­ra­tiva em três tem­pos”, ava­lia.

“Sa­bo­roso” tam­bém foi o termo uti­li­zado pela jor­na­lista Gi­sele Pe­ralta para de­fi­nir meu li­vro. “Não de­mo­rei muito para che­gar à úl­tima pá­gina, pois não con­se­guia pa­rar de ler: que­ria che­gar logo ao fi­nal e en­con­trar um fi­nal sur­pre­en­dente. En­quanto lia, sa­bia, o tempo todo, que o fi­nal se­ria sur­pre­en­dente”, conta. A jor­na­lista Cris­tina Ca­margo, por sua vez, diz que Pa­ra­bala é li­vro para de­gus­tar. “Tem sa­bor. Va­ri­ado. Api­men­tado, às ve­zes. Em ou­tras, com aquele gos­ti­nho de co­mida ca­seira, re­con­for­tante. Ins­tiga o pa­la­dar li­te­rá­rio de quem en­tra em suas pá­gi­nas”, escreveu-me ela. 

Compartilhe