Geral

Entrevista com o jornalista Alessandro Silva

quinta-feira, 16 de janeiro de 2003 Texto de

Por e-mail, con­ver­sei com Ales­san­dro Sil­va (fo­to), re­pór­ter da Fo­lha de S.Paulo. Ales­san­dro, que co­me­çou a car­rei­ra no in­te­ri­or, pro­duz prin­ci­pal­men­te ma­té­ri­as pa­ra a edi­to­ria de Co­ti­di­a­no. Se­gue a nos­sa pri­mei­ra e-mail­vis­ta (en­tre­vis­ta por e-mail), um es­pa­ço em que o en­tre­vis­ta­do ja­mais po­de­rá re­cla­mar do en­tre­vis­ta­dor: as res­pos­tas vão ao ar na ín­te­gra.

Már­cio ABC: Ales­san­dro, vc é um re­pór­ter que, na Fo­lha de S.Paulo, vi­ve em meio aos pro­ble­mas da po­pu­la­ção. E um dos prin­ci­pais pro­ble­mas, se­não o mai­or, é a fal­ta de se­gu­ran­ça, te­ma so­bre o qual vc tem fei­to gran­des re­por­ta­gens. Vc con­se­gue vis­lum­brar so­lu­ções efi­ca­zes num cur­to pra­zo pa­ra a ques­tão da se­gu­ran­ça?

Ales­san­dro: in­fe­liz­men­te, não. Po­de­mos fa­zer um pa­ra­le­lo com o DNA. Ain­da não ter­mi­na­mos a de­co­di­fi­ca­ção do “ge­no­ma da vi­o­lên­cia” pa­ra sa­ber em qual par­te pre­ci­sa­mos agir, com que for­ça e in­ten­si­da­de. Com es­se “ma­pa ge­né­ti­co” se­ria pos­sí­vel agir com a pre­ci­são que ain­da não dis­po­mos. Te­mos aí uma po­lí­cia que ain­da age por ins­tin­to em mui­tas si­tu­a­ções, um Es­ta­do que pla­ne­ja sem ter to­das as in­for­ma­ções na mão e, prin­ci­pal­men­te, atua mais de­pois do fa­to do que pre­ven­ti­va­men­te. Mas creio que es­ta­mos me­lho­ran­do. Is­so por­que a so­ci­e­da­de pas­sou a co­brar mui­to mais as au­to­ri­da­des. O as­sun­to vi­rou vi­dra­ça.

Már­cio ABC: vc te­me pe­la sua pró­pria se­gu­ran­ça du­ran­te as re­por­ta­gens? E mais: co­mo re­per­cu­tiu o as­sas­si­na­to de Tim Lo­pes en­tre os jor­na­lis­tas que co­brem as­sun­tos po­li­ci­ais? Hou­ve al­gu­ma mu­dan­ça de ati­tu­de?

Ales­san­dro: bas­tan­te. Não só eu, co­mo mi­nha fa­mí­lia. Mas eu tam­bém te­mo pe­la vi­da de­les, por­que nun­ca se sa­be em que can­to es­cu­ro da rua es­tá o la­drão ou a ba­la per­di­da. Eu me lem­bro que pre­ci­sei fa­zer uma ma­té­ria es­pe­ci­al so­bre o do­mí­nio do trá­fi­co em fa­ve­las, com ou­tros re­pór­te­res da Fo­lha, di­as de­pois da con­fir­ma­ção da mor­te do jor­na­lis­ta do Rio. O efei­to psi­co­ló­gi­co é ime­di­a­to: deu me­do su­bir o mor­ro - e is­so por­que eu já ti­nha, me­ses an­tes, par­ti­ci­pa­do de uma ocu­pa­ção da Ro­ta em uma fa­ve­la da ca­pi­tal, ves­tin­do, in­clu­si­ve, co­le­te à pro­va de ba­las (aten­ção: cli­que aqui pa­ra ler tex­to fei­to pe­lo Ales­san­dro e pu­bli­ca­do pe­la Fo­lha de S.Paulo). Nin­guém pes­qui­sou ain­da, mas, no dia-a-dia, os ata­ques a jor­na­lis­tas têm si­do freqüen­tes. Pos­so in­di­car mais dois jor­na­lis­tas, além de mim mes­mo, que já fo­ram rou­ba­dos fa­zen­do re­por­ta­gens, du­ran­te o dia e em lo­cais de ele­va­dos ín­di­ces de vi­o­lên­cia. Mu­dan­ça de ati­tu­de? Não sei. De qual­quer ma­nei­ra, é pre­ci­so bus­car a in­for­ma­ção... não há co­mo mu­dar is­so, por mais di­fí­cil aces­so que se te­nha pa­ra che­gar a ela. Na rua, é pre­ci­so apren­der as re­gras que seus mo­ra­do­res se­guem. Os mo­ra­do­res de áre­as de ris­co fa­zem is­so pa­ra so­bre­vi­ver.

Már­cio ABC: vc já pas­sou por al­gu­ma si­tu­a­ção de ris­co emi­nen­te? Hou­ve um dia em que vc pen­sou al­go do ti­po “meu Deus, eu vou mor­rer!”?

Ales­san­dro: eu me lem­bro de du­as si­tu­a­ções. A pri­mei­ra, quan­do fui as­sal­ta­do du­ran­te uma re­por­ta­gem na zo­na les­te de São Pau­lo. O ga­ro­to que co­lo­cou a ar­ma na mi­nha ca­be­ça tre­mia mui­to. Eram três. Eles le­va­ram do­cu­men­tos, che­ques, a má­qui­na fo­to­grá­fi­ca, ce­lu­la­res... o que deu pa­ra car­re­gar. Tu­do acon­te­ceu na rua, na fren­te de uma es­co­la mu­ni­ci­pal, três ho­ras da tar­de, se me lem­bro bem. Pi­or, mi­nhas en­tre­vis­ta­das - mãe e três cri­an­ças pe­que­nas “em es­ca­di­nha” - vi­ram tu­do, do meu la­do. Me­ses de­pois, ti­ve de pes­qui­sar so­bre trá­fi­co de ar­mas. En­con­trei um “sol­da­do” de um gru­po de as­sal­tan­tes de ban­co, um ‘fri­la” do cri­me, que ven­dia ar­mas. Ti­ve de as­sis­tir pa­ra­do a uma dis­cus­são en­tre o ca­ra, mi­nha fon­te, que me le­vou ao lu­gar, com o as­sal­tan­te, des­con­fi­a­do que eu era po­li­ci­al. Por sor­te, mi­nha fon­te o con­ven­ceu que eu era uma pes­soa sim­ples, in­te­res­sa­da em com­prar uma ar­ma no mer­ca­do ne­gro pa­ra se­gu­ran­ça pró­pria. Den­tro da ca­sa, o di­to ven­de­dor me mos­trou cin­co ar­mas di­fe­ren­tes, de vá­ri­os va­lo­res. E não pa­rou de en­ga­ti­lhar, per­to da mi­nha ca­be­ça - eu es­ta­va sen­ta­do e ele em pé -, a pis­to­la que car­re­ga­va na mão. Da pri­mei­ra vez que ele pôs a ba­la na agu­lha, pen­sei que ia le­var um...virei o ros­to. Não pre­ci­so nem di­zer que o ca­ra deu ri­sa­da.

Már­cio ABC: Ales­san­dro, vc já vi­veu o jor­na­lis­mo do in­te­ri­or e o da ca­pi­tal. Quais são as prin­ci­pais di­fe­ren­ças? Se vc pu­der, enu­me­re al­gu­mas van­ta­gens e des­van­ta­gens de um e de ou­tro.

Ales­san­dro: no in­te­ri­or, mes­mo em Ri­bei­rão Pre­to, on­de o trá­fi­co é in­ten­so, era pos­sí­vel en­trar nas zo­nas de ven­da dro­ga, en­tre­vis­tar pes­so­as fu­man­do ma­co­nha na rua e lo­ca­li­zar o tra­fi­can­te sem to­mar ge­ral (re­vis­ta) dos guar­das do trá­fi­co ou ter a ar­ma apon­ta­da pa­ra a ca­be­ça. Acho que a fun­ção do jor­na­lis­ta ain­da é mais re­co­nhe­ci­da, se é que es­sa é a pa­la­vra mais apro­pri­a­da nes­se sub­mun­do do in­te­ri­or. Na ca­pi­tal, vc é vis­to, em mui­tos lo­cais, co­mo ini­mi­go. Ge­ne­ri­ca­men­te, so­bre jor­na­lis­mo, pos­so di­zer que a con­cor­rên­cia é mai­or na ca­pi­tal. E is­so, se bem ex­plo­ra­do, é bas­tan­te im­por­tan­te pa­ra a evo­lu­ção do jor­na­lis­mo, ga­nha-se me­lhor, é pos­sí­vel so­nhar com car­rei­ra, mas per­de-se mui­to em qua­li­da­de de vi­da. Não há ho­ra, dia da se­ma­na ou pe­río­do do ano mais apro­pri­a­do pa­ra se ter uma mis­são di­fí­cil, lon­ge de ca­sa e bem can­sa­ti­va. Mas creio que é is­so que em­ba­la a pro­fis­são. Creio que se­ria pos­sí­vel fa­zer mais na im­pren­sa do in­te­ri­or com um pou­co de ou­sa­dia, cri­a­ti­vi­da­de e res­pon­sa­bi­li­da­de. Al­go co­mo fez o Diá­rio de Bau­ru an­tes de fe­char: uma ci­da­de do in­te­ri­or po­de ter uma co­ber­tu­ra de com­por­ta­men­to, saú­de, edu­ca­ção, en­tre ou­tros as­sun­tos, sem de­pen­der tan­to das agên­ci­as de no­tí­cia. Pa­ra is­so, é pre­ci­so cri­ar me­ca­nis­mos de dis­cus­sões re­gi­o­nais de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, mei­os de re­fle­tir so­bre gas­tos mu­ni­ci­pais, co­mo exem­plo. Em um jor­nal da ca­pi­tal, co­mo a Fo­lha, pa­ra ilus­trar, vo­cê tem trei­na­men­to e pa­les­tras cons­tan­te­men­te, além de re­fle­xão das co­ber­tu­ras e um de­ba­te ro­ti­nei­ro de as­sun­tos que te­rão pri­o­ri­da­de. Is­so é jor­na­lis­mo.

Már­cio ABC: vc foi pre­mi­a­do re­cen­te­men­te por uma re­por­ta­gem, não é is­so? Qual foi a re­por­ta­gem e co­mo vc en­ca­rou a pre­mi­a­ção?

Ales­san­dro: é um prê­mio in­ter­no, uma eta­pa de uma dis­pu­ta mai­or que acon­te­ce anu­al­men­te. Eu e ou­tro re­pór­ter, Gil­mar Pen­te­a­do, fi­ze­mos uma sé­rie de re­por­ta­gens so­bre o gru­po de in­te­li­gên­cia da Po­lí­cia Mi­li­tar, o Gra­di, que in­fil­trou pre­sos ile­gal­men­te em qua­dri­lhas, sus­pei­to ho­je de ho­mi­cí­di­os e tor­tu­ra. Creio que foi pos­sí­vel mos­trar que a po­lí­cia pre­ci­sa, re­al­men­te, de um ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia, mas es­se se­tor não po­de fun­ci­o­nar sem con­tro­le ex­ter­no. Não hou­ve nos Es­ta­dos a mes­ma dis­cus­são que o país fez em 97 (se não me en­ga­no o ano) so­bre a cri­a­ção da Abin. Es­ses se­to­res de in­te­li­gên­cia, em to­do o mun­do, se não-con­tro­la­dos, ten­dem a se en­vol­ver em es­cân­da­los e exa­ge­ros. Uma pre­mi­a­ção é sem­pre le­gal, mas a me­lhor re­com­pen­sa é sem­pre a per­cep­ção de que al­go mu­dou de­pois da­qui­lo.

Már­cio ABC: nós, jor­na­lis­tas, acre­di­ta­mos de­sem­pe­nhar um pa­pel im­por­tan­te na cons­tan­te bus­ca do aper­fei­ço­a­men­to da so­ci­e­da­de. Quan­do vc põe a ca­be­ça no tra­ves­sei­ro, vc dor­me tranqüi­lo? Vc tem cer­te­za de que es­tá fa­zen­do sua par­te? Ou vc dor­me mui­to rá­pi­do que nem dá tem­po pa­ra pen­sar (rs)?

Ales­san­dro: de­pen­den­do do dia, não dur­mo. É uma res­pon­sa­bi­li­da­de mui­to gran­de li­dar com no­mes de pes­so­as, que, de­pois de ex­pos­tas... É pre­ci­so ter res­pon­sa­bi­li­da­de. Lem­bro, de­pois de es­cre­ver so­bre um de­pu­ta­do en­vol­vi­do em sor­tei­os de prê­mi­os pe­la TV que não eram en­tre­gues, ter ou­vi­do o se­guin­te: “que Deus fa­ça per­ce­ber o que es­tá fa­zen­do de er­ra­do co­mi­go”. Ele é ou era evan­gé­li­co, não sei. Me­ses de­pois, es­sa per­so­na­li­da­de co­me­çou a per­der pro­ces­sos na Jus­ti­ça, ten­do de pa­gar pe­las ir­re­gu­la­ri­da­des que co­me­teu. Tem ain­da o ca­so do Gra­di, em que dois juí­zes per­de­ram os res­pec­ti­vos car­gos de con­fi­an­ça que ocu­pa­vam após o MI­nis­té­rio Pú­bli­co pe­dir a aber­tu­ra de in­ves­ti­ga­ção con­tra eles. Ca­da de­ta­lhe da re­por­ta­gem pre­ci­sa ser che­ca­do, re­che­a­do, che­ca­do de no­vo e sem­pre. Creio que es­tou fa­zen­do a par­te que me ca­be. Em mui­tas co­ber­tu­ras, fran­ca­men­te, gos­ta­ria de po­der che­gar em ca­sa e dor­mir bem, bem rá­pi­do...

Már­cio ABC: bom, no co­me­ço da nos­sa e-mail­vis­ta, eu es­cre­vi que a fal­ta de se­gu­ran­ça é um dos gran­des pro­ble­mas da atu­a­li­da­de. Mas nin­guém me­lhor que um re­pór­ter que vi­ve o dia-a-dia da po­pu­la­ção pa­ra enu­me­rar os de­mais. Quais são eles?

Ales­san­dro: a po­bre­za. Ela es­tá au­to­ma­ti­ca­men­te as­so­ci­a­da ao de­sem­pre­go, do­en­ças, al­co­o­lis­mo, la­res de­ses­tru­tu­ra­dos, à vi­o­lên­cia, so­fri­men­to do po­vo. São tan­tos os pro­ble­mas.

Már­cio ABC: no seu tra­ba­lho, vc en­ca­ra di­a­ri­a­men­te dra­mas, tra­gé­di­as, en­fim, a vi­o­lên­cia crua das ru­as. Co­mo vc faz pa­ra não ser afe­ta­do por tu­do is­so na sua vi­da pes­so­al? Dá pa­ra sair do jor­nal e de­le­tar um dia in­tei­ro de ten­sões?

Ales­san­dro: co­mo é que eu po­de­ria sair do jor­nal sem ser afe­ta­do? Sou neu­ró­ti­co por se­gu­ran­ça, cos­tu­mo tran­car a ca­sa to­da, fi­co pre­o­cu­pa­do com ja­ne­las aber­tas. Tan­to que, às ve­zes, até in­co­mo­do as pes­so­as. Cos­tu­mo ser­vir de as­ses­sor pa­ra as­sun­tos de se­gu­ran­ça dos ami­gos. Já me per­gun­ta­ram so­bre qual car­ro com­prar, na épo­ca em que os im­por­ta­dos ser­vi­am pa­ra es­co­lhas de ví­ti­mas de seqües­tros, so­bre co­mo se por­tar em se­má­fo­ros, nas ruas...como não ter o car­tão de ban­co clo­na­do por es­te­li­o­na­tá­ri­os. Já da­va pa­ra es­cre­ver um li­vro com con­se­lhos. Fo­ra do jor­nal, pro­cu­ro não ver fil­mes po­li­ci­ais, ler li­vros de ou­tras áre­as, ou­vir mú­si­ca e jo­gar (in­fe­liz­men­te, jo­gos de es­tra­té­gia mi­li­tar e ti­ros) no com­pu­ta­dor - nin­guém é per­fei­to.

Már­cio ABC: Ales­san­dro, nes­sa lou­cu­ra em que se trans­for­mou o mun­do das no­tí­ci­as, com os mei­os de co­mu­ni­ca­ção ca­da vez mais ve­lo­zes pa­ra atrair con­su­mi­do­res, pi­po­cam re­cla­ma­ções de ví­ti­mas de acu­sa­ções in­fun­da­das. E nós sa­be­mos que, na mai­o­ria das ve­zes, quan­do al­guém é acu­sa­do, o gran­de pú­bli­co já o to­ma por cul­pa­do. Co­mo li­dar com es­sa ques­tão de­li­ca­da no meio da cor­re­ria bru­ta do jor­na­lis­mo?

Ales­san­dro: Tra­ba­lhar mui­to, o do­bro, o tri­plo, pa­ra ter a in­for­ma­ção mais pre­ci­sa pos­sí­vel. Se não a ti­ver, é pre­ci­so ter co­ra­gem e con­fi­an­ça pa­ra pe­dir mais tem­po. Ca­da ca­so é um ca­so. É di­fí­cil fa­lar de mo­do ge­né­ri­co so­bre es­se as­sun­to. A mis­são de um jor­na­lis­ta, creio eu, é bus­car mei­os de tra­zer a no­tí­cia pre­ci­sa. Se is­so não fos­se im­por­tan­te, pen­so, não te­ría­mos uma par­te da Cons­ti­tui­ção fa­lan­do so­bre o di­rei­to de in­for­ma­ção.

Már­cio ABC: Bom, ago­ra, o fa­mo­so pin­gue-pon­gue.

Seu fil­me pre­fe­ri­do: Dia de Trei­na­men­to (não sei se o pre­fe­ri­do, mas o mais mar­can­te até ago­ra)

Um li­vro: Co­man­do Ver­me­lho, de Car­los Amo­rim (não se as­sus­tem, eu sou nor­mal. Mas é que, às ve­zes, é pre­ci­so co­nhe­cer a his­tó­ria das coi­sas pa­ra en­ten­der o que é mos­tra­do na TV. O que se vê no Rio não é al­go de um ano pa­ra cá, mas um pro­ces­so de mais de 20 anos)

Uma ci­da­de: mi­nha Rio Cla­ro, on­de nas­ci, de­pois Bau­ru, on­de me en­con­trei.

Um ho­mem: meu pai.

Uma mu­lher: mi­nha mãe.

Ti­me do co­ra­ção: sou San­tis­ta, gra­ças a Deus. Po­dem cha­mar de “Viú­va de Pe­lé”, mas amo es­se ti­me.

A me­lhor co­mi­da: piz­za.

Um so­nho: ver um cor­rup­to na ca­deia.

O que o Ales­san­dro acha do Ales­san­dro: uma pes­soa di­fí­cil de li­dar, que ten­ta apren­der uma coi­sa di­fe­ren­te to­do dia e nun­ca es­tá con­ten­te com a me­ta que con­se­gue atin­gir.

Már­cio ABC: Ales­san­dro, é is­so aí. Obri­ga­do pe­la sua dis­po­si­ção de par­ti­ci­par da e-mail­vis­ta. Su­ces­so pra vc na Fo­lha e um gran­de abra­ço.

Ales­san­dro: obri­ga­do pe­la opor­tu­ni­da­de de tes­tar es­se no­vo meio de en­tre­vis­ta. Es­pe­ro ver, em bre­ve, um li­vro so­bre es­se ca­nal de en­tre­vis­ta. É bem es­tra­nho po­der vol­tar e ler o que se fa­lou. Não per­mi­ti­mos is­so ao en­tre­vis­ta­do, não é? Mas pro­cu­rei não re­fle­tir mui­to, até pa­ra não per­der a na­tu­ra­li­da­de das res­pos­tas. Boa sor­te em sua no­va em­prei­ta­da. Aos que vão ler, va­leu pe­la pa­ci­ên­cia de che­gar ao fim do ba­te-pa­po (se é que não pu­la­ram tre­chos.... ri­sos). Um abra­ço a to­dos.

* Es­ta en­tre­vis­ta foi fei­ta an­tes de Ales­san­dro ga­nhar o Prê­mio Es­so - Re­gi­o­nal Su­des­te.

Compartilhe