Você aí | Márcio ABC

Geral

Você aí

quinta-feira, 13 de junho de 2013 Texto de

Quan­do vo­cê fi­car tris­te aí por um mo­ti­vo as­sim
po­de se lem­brar em úl­ti­mo ca­so de mim
Quan­do não ro­lar mais o lan­ce com o ca­ra de ca­be­li­nho es­ti­lo ney­mar
po­de se lem­brar da nos­sa noi­te no bar
Eu e vo­cê, um olhan­do pro ou­tro atrás dos co­pos e da me­sa
nos­sas bo­cas re­fle­tin­do o de­se­jo bru­to e a in­cer­te­za
De­pois do pa­po fu­ra­do, quan­do tu­do ro­lar e ele te dei­xar
ve­ja aqui bem no fun­do do meu olhar
ve­ja co­mo nós va­mos fi­car mal
e sai­ba que tal­vez es­se se­rá o si­nal
Mas se vo­cê con­ti­nu­ar, eu acho que vou es­pe­rar
Quan­do vo­cê se can­sar do me­ni­no de om­bros lar­gos e bí­ceps du­ros
po­de se lem­brar que pra te ver eu já até pu­lei o mu­ro
Aque­le dia, sa­be, na fes­ti­nha da sua vai­da­de
e to­das as su­as co­le­gas olhan­do pra mi­nha ida­de
Não li­go, não, po­de ro­dar na­que­le car­rão
Co­mo sem­pre acon­te­ce, po­de me dei­xar na mão
Vai lá com seus fi­lhi­nhos de pa­pai
sen­ta lá com a tur­mi­nha do hi-fi
Me dei­xa aqui com meus ami­gos de por­re
en­quan­to vo­cê fi­ca aí nes­se afe­ta­do cor­re-cor­re
Põe no ou­vi­do seu mais no­vo ce­lu­lar
en­quan­to eu vou pro ba­tu­que de bar em bar
Le­van­ta, re­bo­la, des­fi­la es­se seu cor­pão
e se der pen­sa em mim aqui no bal­cão
No fim da noi­te, quan­do tu­do fi­car nu­bla­do
a rua es­ta­rá de­ser­ta e eu ca­la­do
Um ca­ra vai fa­lar se vo­cê quer ir pra al­gum lu­gar
Vo­cê vai olhar pros la­dos até se per­gun­tar
se es­tá va­len­do a pe­na, se era o que vo­cê pre­ten­dia
mas não vai dar mais tem­po por­que ali já vem rai­an­do o dia
Viu, po­de até se lem­brar que eu exis­to nes­sa ho­ra
que eu es­tou es­pe­ran­do por vo­cê aqui fo­ra
Pra quan­do sair daí tris­te as­sim
vo­cê sa­ber que po­de cor­rer pra mim

Palavras-chave

Compartilhe