O in­ven­tor do ci­ne­ma no­vo, que usou me­tá­fo­ras pa­ra es­can­ca­rar as con­tra­di­ções so­ci­ais do Bra­sil mo­der­no, nem se li­xa­va pa­ra as pró­pri­as con­tra­di­ções: ele se apro­xi­mou de Gei­sel e foi um ma­chis­ta in­to­le­rá­vel, mas nun­ca dei­xou de de­fen­der as li­ber­da­de in­di­vi­du­ais

A fra­se foi in­ven­ta­da pa­ra ele: “ame-o ou o odeie”. Glau­ber Ro­cha, o mais vis­ce­ral dos ci­ne­as­tas bra­si­lei­ros, nun­ca pro­vo­cou mei­as pai­xões. Era rai­vo­so, ner­vo­so, in­dó­cil. Ti­nha pres­sa pa­ra vi­ver e não pa­ra­va nun­ca. Tal­vez sou­bes­se que mor­re­ria an­tes dos 60 anos (no mês pas­sa­do, fez 26 anos que ele mor­reu) e, em­bo­ra de­tes­tas­se a idéia, sa­bia que um dia vi­ra­ria um mi­to.
Leia mais

Compartilhe

Eu pos­so re­pre­sen­tar uma ex­ce­ção, mas meu hi­no pre­fe­ri­do é o da Ban­dei­ra, o pri­mo po­bre dos hi­nos bra­si­lei­ros. Sim, pri­mo po­bre, que não se com­pa­ra com a sun­tu­o­si­da­de do Na­ci­o­nal nem pro­vo­ca a co­mo­ção pá­tria do da In­de­pen­dên­cia, aque­le do “bra­va gen­te bra­si­lei­ra”.
Leia mais

Compartilhe

Cha­ma-se “Mor­ning Mo­od” (al­go co­mo “Es­pí­ri­to da Ma­nhã”) a suí­te do com­po­si­tor no­ru­e­guês Gri­eg, com­pos­ta pa­ra a pe­ça “Pe­er Gynt” do dra­ma­tur­go con­ter­râ­neo Hen­rik Ib­sen, en­ce­na­da pe­la pri­mei­ra vez na Itá­lia em 1867. “Mor­ning Mo­od” em­ba­la Gynt, o per­so­na­gem per­fei­to nas su­as im­per­fei­ções. O mai­or pro­ble­ma da com­po­si­ção é o ex­ces­so de exe­cu­ções. É co­mo “Car­mi­na Bu­ra­na”, que já ser­viu pa­ra ri­tos egíp­ci­os no ci­ne­ma, pa­ra as ma­lu­qui­ces de Mi­cha­el Jack­son e até pa­ra co­mer­ci­al de bo­la­cha no Bra­sil.
Leia mais

Compartilhe

To­do mun­do que gos­ta de ci­ne­ma tem seu Hit­ch­cock pre­fe­ri­do. O meu é ‘Os Pás­sa­ros’, um dos fil­mes mais in­tri­gan­tes do di­re­tor in­glês de ‘Psi­co­se’, ‘Um Cor­po que Cai’ e ‘Ja­ne­la In­dis­cre­ta’. Por ter si­do pro­du­zi­do de­pois dos três, ‘Os Pás­sa­ros’ mos­tra um di­re­tor mais sin­to­ni­za­do com as pos­si­bi­li­da­des tec­no­ló­gi­cas da sua épo­ca. O ar­gu­men­to: um dia, sem qual­quer ra­zão apa­ren­te, um ban­do de aves di­zi­ma uma ci­da­de, le­van­do seus mo­ra­do­res ao de­ses­pe­ro.
Leia mais

Compartilhe

Os Al­coó­li­cos Anô­ni­mos, a ir­man­da­de pi­o­nei­ra dos gru­pos de aju­da mú­tua, di­fun­dem uma fra­se la­pi­dar en­tre seus freqüen­ta­do­res: “vi­va um dia de ca­da vez”. A fra­se não ser­ve ape­nas pa­ra quem ten­ta se li­vrar de uma com­pul­são, mas pa­ra to­das as pes­so­as que pre­ci­sam en­fren­tar ad­ver­si­da­des, de­sen­con­tros ou abis­mos in­ter­nos pe­lo me­nos uma vez na vi­da. Ou se­ja, qual­quer um de nós.
Leia mais

Compartilhe

São Pau­lo, ju­nho de 1942

Os três ho­mens vol­ta­vam pa­ra ca­sa de­pois de um dia de tra­ba­lho. A vi­la fi­ca­va afas­ta­da da ci­da­de e era emol­du­ra­da pe­la far­ta na­tu­re­za das his­tó­ri­as an­ti­gas: a es­tra­da de ter­ra, o céu mui­to azul, as ár­vo­res fron­do­sas, tal­vez um ri­a­cho de águas cris­ta­li­nas (a des­cri­ção é um cli­chê, mas a re­a­li­da­de não).
Leia mais

Compartilhe

“Eu que­ro sem­pre mais,
Eu que­ro sem­pre mais
Eu es­pe­ro sem­pre mais... de ti”

(Eu que­ro sem­pre mais, Ira)

Vo­cê se lem­bra da pros­ti­tu­ta Vi­vi­an (Ju­lia Ro­berts) ne­gan­do bei­jos na bo­ca ao seu cli­en­te Edward (Ri­chard Ge­re) nu­ma ce­na me­mo­rá­vel de “Uma Lin­da Mu­lher”? No fil­me, o tal cli­en­te é um em­pre­sá­rio boa-pin­ta e mi­li­o­ná­rio, que con­tra­ta os ser­vi­ços de uma acom­pa­nhan­te e a le­va pa­ra uma suí­te de lu­xo. Quan­do o cli­ma co­me­ça a es­quen­tar, ele ten­ta bei­já-la, mas é su­ma­ri­a­men­te re­jei­ta­do. A mo­ça ex­pli­ca que bei­jar na bo­ca não faz par­te do pa­co­te - é ín­ti­mo de­mais.
Leia mais

Compartilhe

Ve­jo no blog Pen­sar En­lou­que­ce, Pen­se Nis­so (por on­de sem­pre tra­fe­go e re­co­men­do: www.pensarenlouquece.com), al­gu­mas re­fe­rên­ci­as a vo­cá­bu­los em ale­mão, uma lín­gua fas­ci­nan­te, mas in­cle­men­te. Ex­pli­co: na ado­les­cên­cia, ten­tei apren­dê-la e até ti­ve apoi­os en­tu­si­as­tas - co­mo o da pro­fes­so­ra-fi­ló­so­fa que me es­ti­mu­la­va a com­pre­en­der o sig­ni­fi­ca­do dos ra­di­cais do idi­o­ma pa­ra des­per­tar mi­nha pai­xão.
Leia mais

Compartilhe

Es­tão che­gan­do as fes­tas ju­ni­nas, a épo­ca mais gos­to­sa do ca­len­dá­rio. Não sei se vo­cê se co­mo­ve com quen­tão mor­no e do­ce de ba­ta­ta, qua­dri­lha e pau-de-se­bo, cor­reio-ele­gan­te e sim­pa­tia pa­ra o san­to. Eu, sim. Sem­pre achei as ju­ni­nas um exem­plo cris­ta­li­no de bra­si­li­da­de, tal­vez por­que elas ain­da es­te­jam imu­nes à me­ca­ni­za­ção do ro­tei­ro co­mo o Car­na­val. Nas fes­tas de ju­nho, nin­guém vai des­fi­lar na ave­ni­da à pro­cu­ra dos ho­lo­fo­tes nem ali­men­ta uma fal­sa eu­fo­ria pa­ra se­gu­rar o pi­que até a Quar­ta-Fei­ra de Cin­zas.
Leia mais

Compartilhe

Na­si e Scan­dur­ra fa­lam so­bre mú­si­ca, car­rei­ra, fi­lhos e re­la­ção com os fãs

Co­mo foi a en­tre­vis­ta
Con­ver­sei com Na­si e Ed­gard Scan­dur­ra por te­le­fo­ne, em me­a­dos de agos­to de 2004, di­as an­tes de o Ira! apre­sen­tar na Cer­ve­ja­ria dos Mon­ges, em Bau­ru, o show­za­ço Acús­ti­co MTV, com mais de du­as ho­ras e meia de du­ra­ção. Tre­chos da en­tre­vis­ta fo­ram pu­bli­ca­dos na re­vis­ta To­da­te­en, da Edi­to­ra Al­to As­tral, on­de tra­ba­lho co­mo re­pór­ter. Mas, co­mo bas­tan­te ma­te­ri­al fi­cou de fo­ra, achei que fa­ria jus­ti­ça se pu­des­se com­par­ti­lhar uma par­te com quem, co­mo eu, ado­ra rock na­ci­o­nal e con­si­de­ra o Ira! uma das mais im­por­tan­tes ban­das bra­si­lei­ras.
Leia mais

Compartilhe