- Márcio ABC - http://www.marcioabc.com.br -

Renascidos do inferno

O con­fron­to en­tre dois Bra­sis - o que gos­ta­ria de se ver li­vre de Dil­ma e do PT e o que a ele­geu e ain­da acre­di­ta na pre­si­den­te e na es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca que a sus­ten­ta - faz bor­bu­lhar nes­te mo­men­to a ig­no­rân­cia que ge­ral­men­te per­ma­ne­ce en­co­ber­ta pe­la omis­são nas­ci­da de re­cei­os, as bra­va­tas sem sen­ti­do de gen­te de­sa­cos­tu­ma­da a dis­cu­tir po­lí­ti­ca, os ran­co­res for­mu­la­dos a par­tir de ba­ses frou­xas e os ódi­os ra­sos qua­se sem­pre ob­ti­dos pe­la fal­ta de ar­gu­men­tos. Tu­do is­so é ver­da­de, mas há al­go mais im­por­tan­te acon­te­cen­do: fi­nal­men­te abri­mos, em meio ao tor­por do fu­te­bol e de to­das as ba­na­li­da­des de nos­so co­ti­di­a­no, uma pe­que­na fres­ta pa­ra olhar o que re­al­men­te im­por­ta.

In­de­pen­den­te­men­te do la­do em que es­tão e do que os mo­ti­va a es­ta­rem de um ou ou­tro la­do, o fa­to é que os bra­si­lei­ros es­tão fa­lan­do de po­lí­ti­ca. Se mal e por­ca­men­te, es­sa é ou­tra his­tó­ria. O que se po­de es­pe­rar de uma so­ci­e­da­de afei­ta à sub­mis­são, en­tre­gue ao de­sin­te­res­se po­lí­ti­co e ma­no­bra­da co­mo ga­do du­ran­te sé­cu­los? Não se­rá do dia pa­ra a noi­te que apren­de­re­mos. To­da­via, era pre­ci­so co­me­çar. É cer­to que mui­tas ve­zes os ar­gu­men­tos afun­dam em fu­ti­li­da­des e no bes­tei­rol de­pri­men­te, mas an­tes as­sim. Por­que se em bo­ca fe­cha­da não en­tra mos­qui­to tam­bém não en­tra co­mi­da.

As bo­ba­gens e o des­per­dí­cio de tem­po que po­dem ser ob­ser­va­dos, por exem­plo, nas re­des so­ci­ais são uma re­pre­sen­ta­ção clás­si­ca da con­fu­são caó­ti­ca a que se en­tre­ga pre­gui­ço­sa­men­te o ci­da­dão na ho­ra de le­var adi­an­te idei­as e opi­niões das quais se apro­pria co­mo se ne­las es­ti­ves­se fun­da­da sua pró­pria exis­tên­cia. O ca­so é que es­ta­mos dis­cu­tin­do, mas ain­da não es­ta­mos pen­san­do. Es­ta­mos na con­tra­mão do pro­ces­so ló­gi­co do ra­ci­o­cí­nio. Mas ain­da as­sim é um avan­ço. Por­que a pri­mei­ra re­a­ção do do­en­te ao acor­dar de uma lon­ga le­tar­gia é di­zer bo­ba­gens, an­tes mes­mo de pen­sar no que vai di­zer. É o pri­mei­ro si­nal cla­ro de que ele po­de se re­cu­pe­rar.

A mai­or do­en­ça so­ci­al do Bra­sil não é a cor­rup­ção, não é a rou­ba­lhei­ra e nem a cí­ni­ca pos­tu­ra dos que se tra­ves­tem de ho­mens dig­nos pa­ra lu­di­bri­ar as mas­sas e sub­ju­gá-las em no­me de men­ti­ras fa­bri­ca­das pa­ra be­ne­fi­ci­ar as cas­tas do po­der. Nos­sa mai­or do­en­ça é agir­mos co­mo os gnus das sa­va­nas cruéis: vi­ver­mos de ca­be­ça abai­xa­da em bus­ca de uma so­bre­vi­vên­cia for­ja­da so­bre a ve­ge­ta­ção ra­la que, no fim das con­tas, nos dei­xam; vi­ver­mos sem sa­ber da for­ça que pai­ra so­bre nos­sos lom­bos ajun­ta­dos na mul­ti­dão; vi­ver­mos uma vi­da sem pen­sar.

Es­ta­mos fa­lan­do. Um dia, quem sa­be, es­ta­re­mos pen­san­do. E en­tão te­re­mos re­nas­ci­do do pi­or in­fer­no, o da ig­no­rân­cia.