Clint Eastwood e Silvio Santos | Márcio ABC

Impressões

Clint Eastwood e Silvio Santos

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011 Texto de

O ator e di­re­tor Clint Eastwo­od

O apre­sen­ta­dor e em­pre­sá­rio Sil­vio San­tos

Pu­tas que os pa­ri­ram. Com o de­vi­do res­pei­to, cla­ro. Eu te­nho um gran­de ami­go, so­bre o qual já es­cre­vi em ou­tras pá­gi­nas des­te blog. O no­me de­le é Dé­co. Meu pri­mei­ro e gran­de pro­fes­sor de jor­na­lis­mo. Ele me di­zia as­sim, em meio às nos­sas noi­ta­das etí­li­co-in­te­lec­tu­ais: “ABC, vo­cê é um gran­de fi­lho da pu­ta, mas is­so é de ver­da­de, um fi­lho da pu­ta mes­mo”. Eu olha­va pa­ra ele meio sem en­ten­der. E ele com­ple­ta­va: “É is­so mes­mo. Sua mãe é a pu­ta do Ne­ne Ca­va” (Ne­ne Ca­va é meu pai). E com­ple­ta­va mais: “Per­ce­be co­mo pu­ta às ve­zes é uma coi­sa ma­ra­vi­lho­sa?”. Dé­co, meu gran­de ami­go fi­ló­so­fo. Que sau­da­des! É pen­san­do ne­le que di­go, a res­pei­to de Clint e Sil­vio: “Pu­tas que os pa­ri­ram”. Com o mai­or res­pei­to.

Pa­ra quem não sa­be, Clint Eastwo­od e Sil­vio San­tos têm 80 anos de ida­de. Uma coin­ci­dên­cia es­pe­ci­al. Por­que é in­crí­vel co­mo, a es­sa al­tu­ra da vi­da, es­ses dois ca­ras são, pa­ra di­zer pou­co, ex­tra­or­di­ná­ri­os. As­sis­ti ao fil­me “Além da vi­da”, di­ri­gi­do por Clint. Não, re­al­men­te não é um dos gran­des fil­mes de­le. E des­se pro­ble­ma ele não vai se li­vrar tão fa­cil­men­te. Por­que o su­jei­to que faz “Os im­per­doá­veis”, “Me­ni­na de ou­ro”, “So­bre me­ni­nos e lo­bos”, “Gran to­ri­no” e por aí vai, es­se su­jei­to cria uma si­tu­a­ção qua­se in­con­tor­ná­vel: to­das as ve­zes que fa­la­rem que um fil­me de­le vai es­tre­ar, to­das as ve­zes que o no­me de­le es­ti­ver cra­va­do nas si­nop­ses e nos trai­le­res, en­fim, as pes­so­as vão bus­car al­go fo­ra de sé­rie. E, sem dú­vi­da, “Além da vi­da” não é fo­ra de sé­rie.

Só que qual­quer fil­me que Clint Eastwo­od fa­ça se­rá um gran­de fil­me. Por­que tu­do que ele faz é gran­de por na­tu­re­za. Clint é o gran­de gê­nio do ci­ne­ma nor­te-ame­ri­ca­no do fim do sé­cu­lo 20 e co­me­ço do 21. Ele cri­ou o ci­ne­ma da meia fa­ce. Ele cri­ou o ci­ne­ma da mú­si­ca to­can­te (e cor­tan­te). Ele cri­ou o ci­ne­ma (até) po­pu­lar mas que faz ra­ci­o­ci­nar. Ele cri­ou o ci­ne­ma que faz cho­rar sem que ha­ja aque­le sen­ti­men­to bes­ta que to­dos sa­be­mos qual é. Ele cri­ou o ci­ne­ma que vo­cê po­de ir por­que não vai se ar­re­pen­der. Gran­des di­re­to­res já fi­ze­ram por­ca­ri­as. Clint, não. Não mes­mo. “Além da vi­da” es­tá mui­to lon­ge de ser uma por­ca­ria. Tal­vez pos­sa até ser uma por­ca­ria se com­pa­ra­do aos mai­o­res fil­mes de­le mes­mo. Mas até aí tu­do bem. Por­que uma por­ca­ria de Clint é me­lhor do que mui­to fil­me que faz su­ces­so por aí.

En­quan­to is­so, ve­jo na im­pren­sa Sil­vio San­tos sor­ri­den­te após ven­der o Ban­co Pa­nA­me­ri­ca­no. É in­crí­vel co­mo Sil­vio San­tos faz pro­gra­mas bes­tas, mas do mes­mo mo­do é in­crí­vel co­mo ele con­se­gue ser tão na­tu­ral e tão ca­ris­má­ti­co. Sim, ele diz mui­ta bo­ba­gem. E quem não diz? Ti­ve­mos, na mi­nha opi­nião, o mai­or pre­si­den­te bra­si­lei­ro de to­dos os tem­pos: Lu­la. Lu­la bo­ta no chi­ne­lo Jus­ce­li­no e qual­quer ou­tro que a his­tó­ria pos­sa con­si­de­rar “es­ta­dis­ta”. E quem dis­se mais bo­ba­gem que Lu­la? Tal­vez Sil­vio San­tos. Mas não é ex­tra­or­di­ná­ria a his­tó­ria de Sil­vio San­tos? Que, aliás, tem se­me­lhan­ças com a de Lu­la: ho­mens que saí­ram do na­da e fi­ze­ram his­tó­ria.

Ve­jo o ros­to en­ve­lhe­ci­do, mas sor­ri­den­te, de Sil­vio San­tos e pro­cu­ro me li­vrar de to­dos os pre­con­cei­tos im­pos­tos pe­la ve­lha car­ti­lha do jor­na­lis­mo crí­ti­co e con­tes­ta­dor. Olho pa­ra ele e não con­si­go ver nes­se se­nhor, nes­se Se­nor Abra­va­nel, a in­ten­ção de uma sa­ca­na­gem, as­sim co­mo pos­so ver nos olhos de tan­tos ou­tros ban­quei­ros e fi­gu­rões de nos­sa his­tó­ria. Clint Eastwo­od é, pa­ra mim, o gran­de gê­nio do ci­ne­ma atu­al. O ca­ra que, co­mo nin­guém, sa­be con­tar his­tó­ri­as emo­ci­o­nan­tes. Sil­vio San­tos é, pa­ra mim, o gran­de gê­nio da te­le­vi­são atu­al. Ele não pre­ci­sa de tec­no­lo­gia, de sen­sa­ci­o­na­lis­mo, de efei­tos es­pe­ci­ais. Ele só pre­ci­sa de­le mes­mo. Clint e Sil­vio es­tão en­tre meus he­róis.

Quem con­cor­dar, le­gal, va­leu! Quem não con­cor­dar, que vá pa­ra sua pu­ta que o pa­riu! Com o mai­or res­pei­to, cla­ro.

Abai­xo, ve­ja o trai­ler de “Além da vi­da”
http://www.youtube.com/watch?v=8lGyT38g4r0

Abai­xo, ve­ja uma ce­na sen­sa­ci­o­nal de Sil­vio San­tos

Compartilhe