Impressões

‘Invisível’, livro de Paul Auster

domingo, 24 de outubro de 2010 Texto de

O au­tor nor­te-ame­ri­ca­no Paul Aus­ter, que nas­ceu em 1947

O li­vro mais re­cen­te de Paul Aus­ter, “In­vi­sí­vel”, é re­al­men­te uma “fic­ção ver­ti­gi­no­sa”, co­mo o edi­tor es­cre­ve na ore­lha da obra. É da­que­les que vo­cê quer ra­pi­da­men­te ir até o fim. Mas, na par­te fi­nal, eu fi­quei um pou­co de­cep­ci­o­na­do. Is­so, en­tre­tan­to, é al­go mui­to pes­so­al. Gos­to de obras que de­sem­bo­cam em fi­nais sur­pre­en­den­tes ou vi­go­ro­sos.

Es­te li­vro de Paul Aus­ter faz o con­trá­rio. A nar­ra­ti­va to­da é vi­go­ro­sa, mas o fi­nal me dá a im­pres­são de uma que­da gra­da­ti­va, tal­vez por­que tu­do, pra­ti­ca­men­te tu­do, já te­nha si­do di­to no trans­cor­rer da obra.

Em 1967, em ple­na Guer­ra Fria e Guer­ra do Vi­et­nã, Adam Wal­ker, um jo­vem es­tu­dan­te nor­te-ame­ri­ca­no, co­nhe­ce um ca­sal de fran­ce­ses com quem se en­vol­ve em vá­ri­os sen­ti­dos. O am­bi­en­te sen­su­al cri­a­do en­tre eles sus­ten­ta a es­pi­nha dor­sal do li­vro até que ve­nham o que o edi­tor cha­ma de “cír­cu­los in­fer­nais de ver­da­de e ima­gi­na­ção, sa­ni­da­de e lou­cu­ra, cri­me e de­se­jo”.

Qua­ren­ta anos de­pois de ter vi­vi­do to­das aque­las ex­pe­ri­ên­ci­as, Adam Wal­ker pla­ne­ja es­cre­ver um li­vro, que ele cha­ma­rá de “1967”. Ele, con­tu­do, não con­se­gui­rá fa­zê-lo so­zi­nho. No­vos per­so­na­gens e no­vos ân­gu­los com­ple­men­ta­rão o que ele co­me­çou. Es­se aliás é um dos pon­tos al­tos do li­vro: a op­ção fei­ta pe­lo mo­de­lo de nar­ra­ti­va, em que vá­ri­os olha­res se in­te­gram ao ob­je­ti­vo de con­cluir “1967”. Eu re­co­men­do sim.

Compartilhe